quarta-feira, outubro 19, 2016

Não venhas



 
Não venha com palavras maduras de suas marcas de vida,
Não venha com seu olhar raio x que desnuda a minha alma de forma fulgaz,
Não me aqueças, em seus abraços, por mais carência que exista da minha parte, se buscas prazer em suas aventuras,
Não venha com músicas, cantadas e tocadas, que adoçam meu coração, porque dele (ainda) existem marcas da tristeza,
Pare de falar palavras ao vento se o seu destino não vai de encontro ao meu.
Entenda a minha vontade de voar, o meu livre arbítrio de amar - sem amarras, sem segredos e sem discrições.
Quero o verbo ecoado ao vento, quero os abraços volumosos de  minhas carências, eu quero nossos olhares sacramentado pelo amor.
Quero seu canto embalando minhas manhãs e noites sem fim.
Quero a verdade, quero a inteireza de tua essência, do teu dia a dia só para mim.
Não peço nada demais. Peço o que há muito tempo vive em mim e que você insiste em negar, sem deixar-me voar.  

Nenhum comentário: