terça-feira, março 23, 2010

Que sentir quando levamos um fora, por Samir Mesquita


Eu achei esta crônica do Samir Mesquita bárbara! Fiquei bege lendo. Fala muito o que todos nós, um dia, já sentimos. Encontrei no blog da minha amiga dihittiana Márcia Canêdo(http://jornalismoantenado.blogspot.com/)! Gostaria(muito) de compartilhar isto com vocês! Gosto de questionar sentimentos, vivências de quem um dia se permitiu amar e perder.
Segue:
Que sentir quando levamos um fora

Você é NÃO.Você não é tudo pra mim. Não é minha única causa nem minha única guerra. Seu nome não é o título de minha história. E meu silêncio não é propriedade exclusiva sua. Você não é meu único carnaval. E não são apenas seus defeitos que me irritam. Não sou monoteísta para adorar um único deus. e não imagine que sua mão estaria sozinha para me socorrer. Meu vocabulário não se limita a seus adjetivos - existem mais sete maravilhas no mundo além de você. Não são só suas sardas que tenho para contar. Você não é minha única adrenalina. E nem todos os componentes de meu Prozac.

Você não é cada cada centímetro quadrado do meu chão. O amanhã acontecerá com ou sem você. Meu interesse não é restrito a suas polêmicas. Não só suas piadas me fazem rir. E seus ouvidos não são os cúmplices de todas as minhas confissões. Você é só uma das minhas Minha conta telefônica não vem obssessivamente com o seu número e no meu Ipod existem 6.784 músicas além da nossa. Quando olho para o meu umbigo, não é você que vejo. Sua tristeza não é a única que me comove. E as pernas que me sustentam não são VOCÊ.

Não sou teleguiado, conheço muitos outros endereços além do seur que meus pensamentos são monopólio seu, você é só um dos sótãos em que me escondo. Você não é meu único álibi. Existem outras pessoas das quais também espero perdão. Você não é um compromisso onipresente na minha agenda. Outros elementos também compões minhas fotos. Você sozinho(a) não mata minha fome. E não sejamos hipócritas: há outras peles que me excitam e outros perfumes no ar além do seu. Você não é o único com 36,5°C. E não é apenas seu corpo que pode abrigar meu sexo. Você NÃO é meu único vício.

E por não ser tudo isso, por ser uma entre tantas alternativas, você é meu NÃO a todas as outras. Você é a escolha. Aquele a quem sou devota não por dever ou coerção. Meu sim a você é um exércicio de livre-arbítrio praticado segundo a segundo. Sim a um contrato sentimental que nada distingue, separa, sobrepõe ou submete. Sim a uma política de boa convivência sem falsidades e sob todos os esforços. Sim àquele que me desperta a curiosidade de uma aprendiz e faz de mim um embrião a multiplicar e ser, a cada dia, uma nova pessoa e também a mesma. Sim a quem, quando me vejo na velhice, ainda espero ter para conversar. Um sentimento que existe não por dependência e nunca usado como moeda de troca. Peça fundamental no equilíbrio de meu caos.

Você é aquele por quem me arrisco a cruzar todos os limites da comodidade para tentar ser melhor. Você é aquilo que me falta dia a dia, que desejo e persigo. Obra em aberto que me inquieta e me encanta. Mas hoje você é NÃO. Essas três letras saídas da sua boca que ecoam em mim. E me dilaceram. Palavra que outras vezes já ouvi e só provou que sou capaz de sofrer mais, como também de um amor ainda maior. Negativa à qual, a partir de agora, você se resume pra mim. Porque , SE VOCÊ É NÃO, EU SOU SIM AO QUE ME ESPERA. Samir Mesquita”

segunda-feira, março 22, 2010

A verdade


Depois de um fim de semana ensolarado e dando boas vindas ao mês de outono hoje, segunda-feira, damos início a uma série de reportagens de um julgamento histórico no Brasil. A verdade no caso Isabella Nardoni. Acho que não preciso citar que crime foi este, né? O que venho é indagar - e comentar - que será um julgamento que mudará a visão de muitos advogados e também do Direito em si. Trabalho na área jurídica e sei da seriedade que este órgão presta a comunidade. Agora pergunto: Alexandre Nardoni e Ana Carolina Jatobá são realmente inocentes? Vi há poucos dias que os pais de Alexandre customizaram uma camiseta onde diz algo assim(não lembro as exatas palavras):
“Alexandre Nardoni e Ana Carolina Jatobá inocentes! Justiça!!”
Algo assim, não lembro bem.
Aí penso:
Eles são inocentes mesmo? Mas como?
Pelo que foi investigado, todas as provas evidenciam que Alexandre tenha junto com a madrasta matado Isabella e a conduzido num gélido ato criminoso jogando pela janela do 6º andar de onde moravam.

Aí questiono: como um criminoso jura inocência depois de ver o Brasil clamar por justiça!?! Como? Como juram que são inocentes? Como os pais vestem camisetas com frases de inocência? Meu Deus que nó na minha mente! Imagino para a justiça. Pois o que sabemos, até hoje, é que todas as provas apontam, sim, para o envolvimento deste casal. E agora, jurarão perante a Bíblia a verdade? Existe, portanto, um respeito a isto? Um respeito a um juiz ou sei lá, a lei?
Foram eles que mataram realmente?
É um mistério que durará cinco dias. Este casal tem também dois filhos que tiveram o destino totalmente brutalizado pela frieza dos pais. Aqui aparece eu o tempo todo os incriminando. foge da minha alçada julgar. Eu só peço que eles, se foram mesmo os assassinos; que confessem verbalmente ao jurado. Difícil, não acham? Difícil. Esperamos para ver a grande verdade.

sexta-feira, março 19, 2010

Maldição é boa!



Esta é boa! Até encaixa naquela frase de Shakespeare ‘há coisas entre o Céu e a Terra que a nossa vã filosofia não alcança”
Leio esta noticia e tenho – sadiamente dizendo – que rir: A notícia carrega este título Maldição do Oscar poder ter afetado casamento de Sandra Bullock”. Bom, sei que, como analfabeta de filmes(não adianta gente, não costumo mesmo ver filmes e ainda mais depois que o João Vicente nasceu ficou tudo para ele. Assisto, hoje, o que ele vê. E até que ele anda me dando uma folga nos suas programas audiovisuais). Minha praia são noticiários e documentários. Gostaria de ter esta fissura por filmes. Ver dois, três num dia só! Bem como eu ouço de meus amigos. Estou longe deste ranking rsrs Agora, se eu consigo assistir o filme e gosto; sai da frente! Quando gosto; eu amo! Revejo e revejo. Escrevo sobre ele, cito e aparece até em meus sonhos. Tem muitos filmes que me marcaram. Esta atriz, Sandra Bullock sou fã! Podem dizer que ela é péssima atriz ou o quê – não sou entendedora deste assunto o que importa para mim é o seu carisma.

E hoje lendo esta notícia que ela está separada(cá entre nós, tão comum e normal no meio artístico) o que me chamou a atenção foi isto:

A MALDIÇÃO DO OSCAR!

CARACA! Maldição. Diz a notícia que de 11 atrizes contempladas pela estatueta; 7 estão solteiras! Traições, incompatibilidades de gênios(sei lá! que seja!)o que rola no meio das celebridades e agências de comunicação é que:

O Oscar é amaldiçoado! rsrs
MALDIÇÃO É BOA, NÉ? ISTO É O QUE FAZ FREUD REBOLAR NA SAPUCAÍ!
Gente... rsrs Chama o Keneu Reeves! rsrs
E vocês o que acham? Só para descontrair o promissor fim de semana que está por chegar!!!
Beijão a todos meus amigos satélites! To adorando a participação de vocês aqui no blog!
Beijão

terça-feira, março 16, 2010

Uma interpretação do clássico O Pequeno Príncipe


O Pequeno Príncipe é o segundo livro mais traduzido no mundo. Fato este que me chamou a atenção, ainda mais agora que busco fazer a festinha de 3 anos do João Vicente com este ‘tema’! Vá dizer?
Não parece o próprio pequeno príncipe?
Tá tudo bem(eu sei!) sou uma mãe babona. O verdadeiro nome do autor deste clássico é Antoine-Jean-Baptiste-Marie-Roger Foscolombe de Saint-Exupéry. Foi escritor, ilustrador e piloto da Segunda Guerra Mundial. Devido a isto seu corpo nunca foi encontrado.
Saint-Exupéry era um exímio escritor em vários assuntos porém, o que chamou a atenção do mundo foi o seu último livro: O Pequeno Príncipe.
Baseado nisto - e, no que busco para encantar o aniversário do meu filho - achei esta interpretação sobre o livro bárbara e gostaria de dividir com vocês!

O pequeno príncipe é uma obra aparentemente simples, mas, apenas aparentemente. É profunda e contém todo o pensamento e a "filosofia" de Saint-Exupéry. Apresenta personagens plenos de simbolismos: o rei, o contador, o geômetra, a raposa, a rosa, o adulto solitário e a serpente, entre outros. O pequeno príncipe vivia sozinho num planeta do tamanho de uma casa que tinha três vulcões, dois ativos e um extinto. Tinha também uma flor, uma formosa flor de grande beleza e igual orgulho. Foi o orgulho da rosa que arruinou a tranqüilidade do mundo do pequeno príncipe e o levou a começar uma viagem que o trouxe finalmente à Terra, onde encontrou diversos personagens a partir dos quais conseguiu descobrir o segredo do que é realmente importante na vida.
É uma obra que nos mostra uma profunda mudança de valores, que ensina como nos equivocamos na avaliação das coisas e das pessoas que nos rodeiam e como esses julgamentos nos levam à solidão. Nós nos entregamos a nossas preocupações diárias, nos tornamos adultos de forma definitiva e esquecemos a criança que fomos.

" O Pequeno Príncipe - Antoine de Saint-Exupéry

O Pequeno Príncipe foi por Saint-Exupéry um ano antes de sua morte, em 1944. O autor se fez o narrador da história, que começa com uma aventura vivida no deserto depois de uma pane no meio do Saara.
Certa manhã, é acordado pelo Pequeno Príncipe, que lhe pede:
"Desenha-me um carneiro"?
É aí que começa o relato das fantasias de uma criança como as outras, que questiona as coisas mais simples da vida com pureza e ingenuidade.
O principezinho havia deixado seu pequeno planeta, onde vivia apenas com uma rosa vaidosa e orgulhosa. Em suas andanças pela Galáxia, conheceu uma série de personagens inusitados – talvez não tão inusitados para as crianças!
- Um rei pensava que todos eram seus súditos, apesar de não haver ninguém por perto.
- Um homem de negócios se dizia muito sério e ocupado, mas não tinha tempo para sonhar.
- Um bêbado bebia para esquecer a vergonha que sentia por beber.
- Um geógrafo se dizia sábio mas não sabia nada da geografia do seu próprio país.
Assim, cada personagem mostra o quanto as “pessoas grandes” se preocupam com coisas inúteis e não dão valor ao que merece.
Isso tudo pode ser traduzido por uma frase da raposa, personagem que ensina ao menino de cabelos dourados o segredo do amor:
“Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos”.

Antoine de Saint-Exupéry via os adultos como pessoas incapazes de entender o sentido da vida, pois haviam deixado de ser a criança que um dia foram.
Entendia que é difícil para os adultos (os quais considerava seres estranhos) compreender toda a sabedoria de uma criança.
Muitos adultos até hoje se emocionam ao lembrar do livro. Talvez porque tenham se tornado “gente grande” sem esquecer de que um dia foram crianças. “

" Não exijas de ninguém senão aquilo que realmente pode dar."

"Em um mundo que se fez deserto, temos sede de encontrar companheiros."

" Nunca estamos contentes onde estamos."
"Para enxergar claro, bastar mudar a direção do olhar."

" Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos."
" Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas"
" Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós."
" O amor verdadeiro não se consome, quanto mais dás, mais te ficas."


"Se tu amas uma flor que se acha numa estrela, é doce, de noite, olhar o céu. Todas as estrelas estão floridas." (Antoine de Saint-Exupéry) "

segunda-feira, março 15, 2010

Dever delicosamente cumprido!

Gente! Maravilhoso ler a dica de vocês sobre as peripécias do João Vicente! Eu tenho, sim, um projeto(tá aí no blog e bateu aquela preguicinha em procurar onde já contava as travessuras e descoberta dele) faz um tempo. O que falta é realmente achar tudo e fazer um big livro para ele, no futuro, ler e saber o quão foi preciosa a sua infância. Este final de semana que passou também foi assim! Foi passeio com os irmãos dele que tanto adora e com o prima companheiro de todas as horas. Passeio pela cidade, shopping, lanches saborosos, chocolate e muita alegria no parque de diversões. Tudo isto num sábado a tarde e, já no domingo foi para o famoso Brique da Redenção. As fotos dizem tudo: irmãos, união, amor, alegria e muito afeto! Amor este que abranda, que conforto qualquer ser humano. A gente fica com uma sensação de dia completo, de dever cumprido enfim, de sentido para a Vida.
PS: falo, falo e escrevo em irmãos. mas tem o primo Mateus que está de camiseta azul e bermuda laranja e o amigo Boo(sim! seu melhor amigo), ambos no chafariz, na grama de camiseta listrada a mesma do JV. Pois foi a dinda que o presenteou. rsrs E a dinda sou eu! he he he O resto são os manos: Digão e Ana.
Um apenso de palavras pelas perguntas que já me fizeram.

sexta-feira, março 12, 2010

Peripécias do João Vicente - Parte 1


Não é de agora que venho contando várias travessuras do meu filho. O que estava diferente é que fazia tempo que não falava, não? Correto! Hoje começa os posts aleatórios que jogarei neste universo do meu satélite. Peripécias do João Vicente vão ser relatos que hoje, estão muito bem focados na minha memória, porém, daqui alguns anos ficarão tão empoeirados em minhas lembranças que se tornará difícil relatar fatos engraçados que fazem com que, qualquer mãe olhar para o céu e exclamar agradecendo a Deus por ter esta oportunidade de criar e educar nossos filhos!
Tem várias.
Vamos as mais recente.
Fã número um de todos os super heróis possíveis e impossíveis, o João Vicente anda numa fase que só quer se ‘fantasiar’ deles. Adeus a camisetas pólos, camisas de golas; o grito é de guerra e a roupa tem que ter a estampa de grandes, super, big heróis: Super Homem, Homem Aranha, Powers Rangers, Naruto, Ben10 são um deles. Então esta febre ultrapassou sua imaginação gerando por assim, aventuras com seus coleguinhas.
Estes dias no carro enquanto dirigia ele mamava em sua cadeirinha e do nada foi falando:
- Mãe!
- hum
- Eu biguei muito, muito!
- que?
- Eu biguei muito, muito mamãe!
- Muito? Na creche. O que houve João?
- Biguei...
- Com quem?
- Biguei com o jão pedo, cun Enzo, i, i, iiii jão pedo iiii fooootiii!
(Detalhe que o beiço fazia biquinhos, levantava aquela sombrancelha numa emoção comovente de relato)
- Porque meu filho
- Jão pedo bateu aqui ó(olhei era o rosto)
- Ah mas não pode meu filho. Não se pode brigar com teus coleguinhas
- Não mamãe. É qui bígamos com a buxa Kéka!
- Bruxa Kéka?
- que bruxa kéka João Vicente
- sim
- Buxa Kéka mãe. Bígamo muito muito...
E ali ele ficou pensativo pensando rsrs sei lá...se era na briga, ou que se machucou ou na ‘buxa’ keka rsrs

Obrigada


Depois de uma semana de decisões fortes, momentos que marcaram todo um patamar de vida da minha família, resolvi começar a falar sobre as travessuras e linguajar do João Vicente - este, está prestes a completar três anos. Então nos próximos posts farei “As peripécias do João Vicente”(papos de mães bobas, tá?). E, aproveitando o momento Satélite quero aproveitar e agradecer, também, a todos os que me enviaram mensagens de conforto a mim e minha mãe, sobre a decisão de minha amada avó Iolanda(90 anos) ir para uma casa de repouso para idosos. Foram(e é) um dos momentos fortes que doeram e, ao mesmo tempo, aliviaram uma verdadeira turbulência de não ter o que fazer quando um ente tão querido enferma divagando palavras sem nexo. Isto tudo fez minha mãe querida padecer numa tristeza profunda. Agora, percebo que viram horizontes onde encontraram o caminho correto, apropriado, para o momento. E só pelas visitas já realizadas diagnosticamos(família e geriatras) que ela está super bem e até foi elogiada por um ‘velhinho’(colega de Lar) de que ela(minha linda avó) era muito bonita! Fica aqui, portanto o minha gratidão pelas palavras de pessoas queridas como Sônia Pires, Dilair, Cíntia, Ianes, Vó Sueni, Sônia Dutra, minha mana, Suzy, Eduardo Montanari, Lady, Regina Piccoli, colegas de trabalho, amigos em geral, amigos dihittianos...enfim...todos. Vocês abrandaram o que para nós foi(e está sendo) muito dolorido.

quarta-feira, março 10, 2010

"Se não puder fazer tudo, faça tudo possível!"




Dias de paz, dias a mais. Dias que passaremos para trás”.
Dias, cronômetros e o tempo.
Olha, famíla é família.
Desconheço a tribo familiar que não tenha passado por isto que estou vivendo atualmente. E se não passaram; tiveram(pelo menos) outras espécies de temas de peso no desgaste físico e mental. A minha família passa por um momento delicado; muito triste.
Minha vó Iolanda!
O ser humano mais educado que já vi neste mundo imenso.
A minha vó que tanto amo cansou de viver.
Aliás, vem de meses esta fadiga de vida que ela sente.
E para contribuir, sua mente falha em curtos circuitos esquizóides que a levam de “trem bala” para o passado e retorna, de charrete, para o presente.
Algo irreconhecível.
No entanto, chegar aos noventa anos não é para qualquer um.
Dói um ente tão importante na estrutura de uma família padecer. E este clã também está visivelmente cansado.
Minha mãe é a mais atingida...
Algo que é difícil controlar sentimentos de razões.
Nestas horas, me agarro na fé.
Aliás, é ela que sempre me tornou mais forte.
Abaixo uma mensagem que minha amiga Sônia Pires(http://www.soniapires.blogspot.com/):

Chico Xavier custumava ter em cima da sua cama uma placa escrita : ISSO TAMBÉM PASSA! Então perguntaram a ele o porquê disso... Ele disse que era para que quando estivesse passando momentos ruins, se lembrar que eles iriam embora, que iriam passar, e que ele estava vivendo isso por algum motivo. Mas essa placa também era para lembrá-lo que quando estivesse muito feliz, não deveria deixar tudo para trás e se deixar levar, porque esses momentos também iriam passar e momentos dificeis viriam novamente. É exatamente disso que a vida é feita, momentos. Momentos que TEMOS que passar, sendo bons ou não, para o nosso próprio aprendizado. Nunca esquecendo o mais importante :

NESSA VIDA NADA É POR ACASO.

Absolutamente nada. Por isso temos que nos preocupar em fazer a nossa parte,da melhor forma possível... A vida nem sempre segue o nosso querer,

É PERFEITA NAQUILO QUE TEM QUE SER!

Chico Xavier "Se não puder fazer tudo, faça tudo possível!"

Efeito 'Chernobil' do passado



Não sei o que anda acontecendo se são minhas seqüelas do passado ou efeitos colaterais meus mesmo. Ando com uns sintomas estranhos. Provavelmente, uma espécie de Efeito Chernobil dos Sentimentos..

terça-feira, março 09, 2010

Um alerta!






Chamem de cultura de banheiro ou o quê quiserem. O que não venho aqui citar o teor dos programas televisivos como o Big Brother. O que venho, por aqui citar é desta personagem que fez parte o Reality Show. Falo de Angélica, 25 anos, jornalista e que virou uma das celebridades do momento, e que gosta de ser chamada de Morango. O que venho destacar hoje, não é este programa da Rede Globo e sim, do histórico desta moça e do seu passado. Venho, portanto, através do blog alertar aos casais que baforam por aí suas “pseudo-relações de amor verdadeiro”. Falo de histórias falidas e recheadas de ofensas verbais(e até físicas) nas quais o grande público-alvo mutilado com seqüelas são os seus próprios filhos. Este aviso vai para quem deixa de lado a razão e vaza na emoção; de quem sorve a magoa e alimenta o sentimento de vingança. Este foi o enredo dos pais da Morango. Ela e o irmão foram as principais vítimas dos pais.


O resultado? Chagas irreparáveis de mágoas e tristezas na qual pai e mãe usaram de escudo para digladiarem o fim do relacionamento. Cada um com sua misteriosa versão.
Eu sempre fui contra em semear o desamor, a vingança e a mágoa. Acho, sim, minha vida, tua vida é uma coisa; no entanto, a vida dos nossos filhos são outro departamento. Eles não tem culpa do que se passa ou deixa de sentir. Meu filho não tem o pai presente, por exemplo, porém, em nenhum momento eu planto ou rego palavras feias de tristeza a falta que ele sente do pai. Pelo contrário. Uso a técnica sempre de ‘Teu papai te ama, e muito”, ou melhor, “o papai mora muuuitoo longe”. Pois já faz um bom tempo que meu pequeno não vê o seu pai e sei que não preciso ser psicóloga de que ele sente falta. Paciência. Eu estou fazendo a minha parte. Deus que me guia! E nem por isto eu desafogo esta irresponsabilidade paterna nele, no meu filho.
Prestem atenção nesta frase:
Amor não se pede; amor se conquista!

E é disto que faço a minha premissa de Vida digna. Amor meu filho tem as pencas da família dele. Tá certo. Nada é substituível. Pai é pai. Só que uso a forma das palavras que o pai sempre o amou. E isto que vi hoje nos jornais sobre a mágoa desta jornalista com a mãe dela me chocou bastante. A mãe dela usou literalmente a emoção esquecendo, por assim se dizer, das conseqüências que daria a seus filhos escondendo eles do pai e de avós... Gente isto é muito triste. Segue abaixo um pequeno fragmento de palavras da seqüela que vive dentro desta menina. Semear desamor só gera mais ainda, desamor.

“... assim que saiu da casa,Angélica tem sido obrigada a explicar tamanha mágoa de sua mãe. Esta foi vetada pela filha e acabou, por questões ainda muito mal contadas, declarando para quem quisesse ouvir que a ex-BBB tinha sido abusada pelo pai quando criança. No entanto, apesar das acusações, Aída foi ignorada pela sister, que proibiu sua entrada no estúdio e ficou ao lado do pai. .Sem falar no assunto desde então, Angélica abriu o jogo no Mais Você e contou, chorando, para Ana Maria Braga a verdade sobre sua infância.
- Minha mãe me levou embora para outra cidade. Minha avó entrou em depressão e meu pai foi atrás da gente, desesperado. E só nos achou dois anos e meio depois com a ajuda da Polícia Federal. Minha mãe falhou muito e é mentira dela dizer que me tirou do meu pai porque ele batia na gente. Ela batia muito mais. E quando voltamos meu pai já era um estranho. Cada um conta a versão que julga ser conveniente. Amor e saudade eu sinto do meu pai, da minha avó e não sinto dela.”

Tem muito pano pra manga nesta história da Angélica. Para mim, só esta declaração dela já foi o suficiente para alertar aos casais que passam por algo semelhante, ou mesmo, que já está dando indícios negativos de convívio que, então, poupem seus filhos de vinganças e agressões físicas e mentais. Poupem seus filhos.. por favor....
“vida é o nosso bem mais precioso, é tão forte; sendo capaz de mudar o mundo....Mas ao mesmo tempo é tão frágil; capaz de terminar num segundo...Todos os momentos em nossas vidas são mágicos e cabe a cada um de nós, deixá-los mais marcantes....Seja feliz e faça alguém feliz também!! Estamos todos em busca de: amor, amizade, paz, esperança, afeto, sonhos, etc....
Não importa, o que vale mesmo é sermos FELIZES....”

segunda-feira, março 01, 2010

Amor próprio


Eu não sei o que me espera sobre o futuro, no entanto eu sei exatamente o que eu quero para mim e também o que não admito mais. Meus objetivos são tão concretos que chego a me assustar com a veracidade que dito eles. Paciência de quem se ofenda com a minha sinceridade. Só eu sei o que hoje poderá me fazer mal lá adiante. Não brinco mais com fogo. Tudo bem, até tenho meus devaneios sinestésicos(ok! Reconheço) e era só isto. Não me aprofundo mais. Estou me sentindo viva e com uma intensidade positiva. Inclusive isto tem revertido só coisas boas para mim. O que importa é viver intensamente dentro do seu próprio universo. Tá aí a charada.