sexta-feira, dezembro 31, 2010

Amigos, último dia de 2010 e venho aqui agradecer


Eu não podia deixar de passar aqui para encerrar o ano! Dizer palavras que resumam o que é a Vida, o que é saber valorizar ela e o amor.

Com que palavras dizer?

Aí, estes dias, recebi esta linda mensagem! Tão bonita, mas tão bonita - mesmo - que coloco esta bela verdade em palavras aqui no Satélite!

Aos meus amigos, famíliares e as amiguxas blogueiras como a Lila, a Dilair, minha mãe, irmã, Beatriz do Petit, Ebrael, Eduardo, Sônia... meu Deus..tanta gente que sempre me depositou carinho em palavras a vocês, a família, amigos... repetindo... enfim, TODOS! Um Feliz 2011! Ano, no horóscopo chinês, do COELHO! ANO DE PAZ E CAUTELA!

Tava afastada pois passei o Natal literalmente de cama. Sabem aquelas gripes avassaladoras? Pois é... eu tive gente. De me derrubar! Agora estou bem, GRAÇAS A DEUS!

Agora, leia esta mensagem e sintam que linda!


Cada dia que vivemos é uma ocasião especial

Sentar na varanda e admirar a paisagem,

passar mais tempo em companhia da sua família e dos seus amigos

e bem menos tempo trabalhando para os outros.

A vida é um conjunto de experiências para serem apreciadase não sobrevividas.

Não guarde nada.

Use os copos de cristal todos os dias,

acenda as velas que ganhare use sempre a sua melhor roupa,

se estiver com vontade de vesti-la.

Não guarde o melhor frasco de perfume para as festas especiais,

mas use quando quiser sentir sua fragrância.

As frases "um dia..." e "um dia destes...",

faça-as desaparecer do seu vocabulário.

Vamos fazer tudo que temos vontade, hoje...

Não deixe de escrever as cartas que quer

porque a intenção de escreve-las era "um dias destes..."

Não deixe de dizer aos seus pais, irmãos e "filhos",

com suficiente freqüência, o quanto ama todos eles.

Procure não retardar, esquecer ou conservar

nada mais que poderia acrescentar sorrisos de felicidade e alegria à sua vida e de seus amigos.

Cada dia, cada hora, cada minuto que passa... é especial.

Não permita que um pequeno deslize danifique uma grande amizade.

Diga: "eu te amo", somente quando seu amor for verdadeiro ...

Namore pelo menos 6 meses antes de casar!

Se não acredita no "amor a primeira vista",

não zombe dos sonhos dos outros.

Ame profundamente e apaixonadamente.

Você pode se machucar mas é a única maneira de viver a vida em sua totalidade.

Não ofenda, não julgue as pessoas pelo "o que ouviu falar destas".

Lembre-se que um grande amor, assim como um grande sucesso, comporta um grande risco.

Quando alguém espirrar, lhe deseje "SAÚDE"!

Sorria quando atender o telefone:

quem estiver ligando vai perceber pela voz.

Case-se com alguém que gosta de conversar.

Quando envelhecer,a habilidade no conversar será mais importantede qualquer outra coisa.

Lembre-se que o silêncio, as vezes é a melhor resposta.

Confie em Deus, mas feche bem o seu carro.

Uma casa feliz é o que mais importa.

Faça tudo que estiver ao seu alcance para criar um ambiente tranqüilo e em harmonia.

Nunca interrompa alguém que lhe esteja demonstrando afeto...

Aprenda todas as regras para quebrar algumas delas...

Lembre-se que o melhor relacionamento é aquele em que o amor entre duas pessoas é maior do que a necessidade que elas têm uma pela outra.

Viva o aqui e agora, construindo um futuro de bênçãos, no Ano Novo e sempre.

segunda-feira, novembro 29, 2010

Selo para comemorar!

Esta semana eu recebi o carinho da doce Lila! Veio, por meio deste blog, me presentear com este selo.
Gostaria de compartilhar com meus amigos blogueiros esta condecoração virtual.
Lila tem dois lindos blogs. Um fala sobre a minha maior sede em aprender: Educar nossos filhos, o outro é sobre decoração e tem dicas maravilhosas para Natal e datas festivas. Sugiro que conheçam estes dois blogs. São estes:
http://decorandoonatal.blogspot.com/ e
http://lila-conversandocomospais.blogspot.com/!

E para participar temos que fazer o seguinte:
- Agradecer a quem me deu este prêmio,
- Partilhar 7 coisas sobre mim,
- Escolher 10 blogueiros que eu considere merecedor do prêmio,
- Contactar os blogueiros e dizer-lhes sobre a premiação.

Sete coisas sobre mim:



- Desde que me conheço pro gente tenho uma ligação muito forte com o mar. É algo que me fascina de tal forma que sempre aprecio assistir os fins de tarde nas rochas da praia dos Molhes em Laguna/SC; terra de meu pai e que costumo veranear. Infelizmente não moro no litoral. Eu falo desta minha relação com o mar em alguns posts como este: http://sateliteabduzido.blogspot.com/2008/12/mar.html ou este que engloba até meus aromas favoritos: http://sateliteabduzido.blogspot.com/2010/01/por-onde-andara-fabinha-larilaiaiaaaa.html

- A vida inteira sempre fui muito insegura – ainda sou um pouco – mas a fortaleza, que me transformou numa mulher com M maiúsculo foi com o nascimento do meu filho João Vicente. As vezes tenho a impressão que minha vida só tomou sentido, depois que ele veio ao mundo. Eu peço e rezo sempre a Deus que me dê muita saúde para poder ver meu boneco lindo crescer. Ser mãe foi mais que um marco na minha vida, foi uma benção!

- Adoro música e toda a estrutura que a envolve. Se pudesse tentaria aprender a tocar muitos instrumentos. Meu tombo musical mesmo é por percussão. Sou meio africana para quem não me conhece. Atabaques, tambores, surdas, caxixi, reco-reco, ganzá, tamborin, rebolo, gongô, pandeiro ixiii qualquer instrumento de percussão, mesmo! É muito mais que um mantra para mim. Me tira da órbita.

- Desligada. Fora da área, temporariamente desligada. Esta sou eu. Meu modo aquariano de ser já me colocou em saias justíssimas. Já passei numa cadeira de Projeto em Fotojornalismo na PUC, em 1998, sem estar matriculada. Pode? Pode...Comigo, pode. Sapatos diferentes, um azul
marinho e outro preto(detalhe: eram do mesmo modelo, mas a cor...quanta diferença), no arrumar a casa, recolher roupas para lavar, com bebê recém nascido e sozinha, consegui a proeza de colocar de molho na máquina de lavar uma fralda descartável, dirigi até pouco tempo sem saber que a carteira de motorista estava vencida. Por quê? Porque sou avessa a prazo de validade e regras... onde e quem fala isto sobre meu jeito de ser? Neste post antiiigo. Mas de grande valia pra saber quem sou eu rsrs
Acessem(e não se assustem rsrs):
http://sateliteabduzido.blogspot.com/2006/01/gema-minha-velha-e-dinossurica-amiga.html

- Sou gorda, morro de complexo com isto. Me falam ‘faz então a cirurgia bariátrica”. Eu tenho minhas travas com isto pois minha mãe fez e a vejo sofrer muito com isto. O ideal seria nadar até porque já me falaram que eu não preciso fazer ‘porcaria’ nenhuma de cirurgia. O que tenho é que fechar a boca.... o Problema é fechar a boca rsrs

- Tenho um lado consumista. Adoro cosméticos, cremes, óleos, perfumes... agora estou no apreço por esmaltes. Qual mulher que não gosta de um bom salão de beleza. Se pudesse iria toda a semana. Adoro uma paparicada na vaidade.

- Não é ‘não gostar’...mas filmes não são o meu forte. Agora, documentários é outro departamento. Adoro! Amo! Amo! Curto telejornalismo também.

- Sofro por sonhar muito. Mas também verbalizo isto pois muito do que eu sonhei; realizei. O problema que meus vôos são altos demais. Mas adoro sonhar. Sonho com tudo. Mas não esperem coisas absurdas. Sonho com coisas muito simples mas de um valor surreal. Sonhos estão sempre imantados da palavra ‘família”. Família é tudo. Família unida, um casamento sólido, uma família no piquenique, na viagem para o exterior(esta não foi tão simples, financeiramente dizendo, mas condiz com a palavra 'sonhar' rsrs), família na praia, na pipoca...simplesmente família! Meu filho merece e eu garimpo isto.
Gostaria de indicar o prêmio para diversos blogs que considero útil, adorável e elegante. Na minha lista caberia muito mais que 10...
E tenho que seguir estas regras(eu queria mais!); ou ter que fazer este enorme sacrifício de selecionar apenas este pequeno número. Convido a todos para visitar estes espaços e apreciar quanto beleza existe neles.

Indico este prêmio para:


3. Beatriz http://petitartiste.blogspot.com/
4. Eduardo Montanari http://divagacoessolitarias.blogspot.com/
5. Lila http://lila-conversandocomospais.blogspot.com/
6. Dilair Pockrandt
http://paeoumapi.blogspot.com/
7. Minha mãe Vera
www.baleirodepalavrasrs.blogspot.com
8. Cris, iniciando no mundo blogueiro http://www.criscompenaestrada.blogspot.com/
10. Chicão http://sala-escura.blogspot.com/

Infelizmente minha lista não pode se estender o que nada impede de dizer que adoro - por demais - os outros blogs de meus adoráveis amigos. Todos, são merecedores deste prêmio!

Um enorme abraço. Fabiana Fernandes

quarta-feira, novembro 17, 2010

Solteira e, SUUURDA!!!

Ser solteira é pagar o preço do mico; e para agravar; surda!
Cheguei no aniversário da minha ex-enteada. Menina querida, festa surpresa e muitos amigos e familiares. Todos casados; menos eu. Carregava o meu filho de um ano e meio nos braços. Quem é mãe sabe; todos nesta idade tem mania por querer caminhar. Descobrem os passinhos e aproveitam qualquer oportunidade para se refestelar no ambiente. Certo momento meu pequeno andando pelo salão tropeçou bem em frente a um casal muito sério, por sinal. O homem prontamente se abaixou para ajudar a levantar meu filho do chão. Aí exclamou:
- Que criança linda? Qual o nome dele?
- João Vicente
- Lindo ele. Quantos anos ele tem
- Um ano e seis meses
Depois disto tratei de voltar a minha mesa e terminar de conversar com minha ex-sogra. E era aquilo. O tempo todo o meu filho saia correndo pelo salão e lá ia a Fabiana atrás do guri. Já na finaleira da festa meu filho se agarra na perna do mesmo homem que havia conversado. Então aproveitei para me despedir de todos. Com bolsa no ombro e cansada do corre-corre do meu menino eu acenei a despedida..
Foi quando o homem veio para perto de mim botou a mão no meu ombro e disse:
- Já vais?
- Sim
- É eles dão trabalho, né?
- E como! Não vejo a hora de chegar em casa e botá-lo para dormir.
- Ele tem mesmo um ano e meio?
Neste momento, me deu uma pane. E repeti a sua pergunta(pelo menos a que achei que tinha ouvido):
- E-mail?
- Não! Ele tem um ano e meio?
Eu estarrecida com a minha surdez:

- TU QUERES O MEU E-MAIL? Tá.... É fabi58 arroba blá blá
A mulher do lado prontamente engatou uma ré de cotovelo no rim do homem. Quando ele repetiu sorrindo:
- Ele tem UM A-NO E M-E-I-O?
Só tratei de dizer ‘sim” e me vazei do salão! Eu era a única solteira ali e surda!
Que mico!

***
Faz um bom tempo(Graças a Deus) que isto aconteceu. Masss...a pedidos, resolvi postar!

sexta-feira, novembro 12, 2010

Viver intensamente e do meu jeitinho

" Quem acendeu a vela do Destino, não contava com a ventania." - já dizia a cantora Ana Carolina;
Sentimentos e felicidade em alta.
Será a primavera, o sol, ou será esta instabilidade meteorológica que atingiu meu coração?
Hoje eu quero falar dele: Coração bate mais forte. É bom quando o coração bate, as mãos perdem a chance de se mostrarem - pois não há bolsos que se encaixem a elas quando eu cruzo com esta pessoa. Faz mais ou menos um mês que fui surpreendida com a vida.
Dizem que o coração é um músculo involuntário que bate por alguém independente da situação e de toda uma dinâmica do momento. Momento de mudanças arquitetônicas no meu trabalho e um colega novo de vizinho. Não estou falando de loteria! Pois tem muito chão ainda(ou não. De repente é passageiro mesmo. Viagem minha de repente). Eu só comemoro, com vocês, este sabor gostoso de levantar todos os dias com vontade de cruzar com aquele homem que intrigou meu olhar. É assim que estou. E como isto faz bem para a alma! Tem gente que me diz: “Nunca mais tinha te visto assim Fabinha”.
E vou confabular com este sábio escritor, Fabrício Carpinejar, que estes tempos tuittou isto:
“A única coisa que as mulheres não perdoam - de jeito nenhum - é a covardia para amar.”.
E aquele olhar eu não consigo esquecer ou mesmo não consigo deixar de procurar para ver...O jeito sério e carrancudo e o mistério. Tudo me atrai. Que viagem isto. Estava tão “fora do ar” que, quando o vi deu uma espécie de “plim”. Tá certo; sou uma eterna adolescente rsrs Isto pode ser, de repente, passageiro em mim. Eu torço que continue a evoluir.
Mas....
“Viver não é coragem; é teimosia”. E eu perdi, por total a capacidade de dar conselhos porque eu só tomo partido de ruborizar e olhar. Cá entre nós, não tem coisa melhor, por exemplo, que o cheirinho de café passado? Acho, inclusive, melhor que tomar o café. E esta linguagem da paquera tem uma sensação tão gostosa. Quase terapia. Mais uma vez reintero, não sei no que vai dar e nem vou criar expectativas com isto. O que eu quero é viver intensamente! E do meu jeitinho.
Uhuuuu

quinta-feira, novembro 04, 2010

Peripécias do João Vicente III




Lembram que no Satélite tenho alguns post’s do título “Peripécias do João Vicente”? Então, hoje estarei adicionando mais algumas tiradas do João Vicente! Aliás, ando inclusiv repensando se não crio um blog só falando destas pérolas dele. Um blog bem maroto, bem menino que fale de suas descobertas da vida. Estou prestes a criar. Estou pensando o nome do blog. Alguém tem aí alguma sugestão?
João Vicente está com três anos e sete meses e tem sido cada vez mais divertido compartilhar suas descobertas e frases inusitadas. Hoje vou relatar as últimas dele:
João Vicente está na creche desde os quatro meses de vida e de lá para cá convive praticamente com os mesmo coleguinhas. O seu ‘melhor amigo’ é o João Pedro. E tem umas manias que são da idade mesmo: Se o João Pedro está vestido com estampa Ben10 ele quer também vestir igual. Se está com a roupa do time Internacional ele também quer estar trajado de Colorado. E por aí vai. E, na escolinha tem uma regra muito bacana: Toda a segunda-feira é o Dia do Brinquedo. Cada criança pode vir, de casa, com seu brinquedinho preferido. O João Vicente, esperto, leva uma espécie de nécessaire onde tem alguns bonecos, carros e mostrengos que adora. Todos pequenos. É chegar na sala que todos o rodeiam. Ele chega na mesa e esparrama todos os brinquedinhos na mesa. Distribui os brinquedos com os amigos. E isto faz com que todos também lhe ofereçam seus brinquedos. Pra ele é vantagem brincar com o ‘novo’ e o emprestado. Ali, em harmonia e, de encher os olhos, todos se divertem. Estes tempo, seu amigão do peito, o João Pedro, chegou com uma guitarra muito estilosa. Cheia de luzinhas, músicas com melodias bem alegre. João Vicente viu e curtiu de longe. Aí eu pensei: “ – Parece que to vendo; vai me pedir uma guitarra igual!”
Final da tarde chegou e fui buscá-lo.
- Oi filho, como foi o dia?
- Bem
- É. Vi que tu tava brincando com o João Pedro. Gostou da guitarra?
- Sim
- É meu amor? Queres uma?
- Não
Ali, dirigindo e olhando ele pelo retrovisor achei tão inusitada a negativa dele que olhei para ele que tava bem sereno olhando para a rua. Aí indaguei:
- Não? Não gosta de guitarra?
Ele suspendeu os bracinhos pra cima com as mãozinhas abertas e exclamou:
- Porque eu tenho um vilão mãe!!!
Tá aí a resposta do meu filho. Tenho um cavaco Rozini antigo pra caramba. E volte e meia o João Vicente pega e toca. Sentadinho na cama, mas toca! E para ele o ‘vilão’ é que ele chama de violão. Já que na escolinha eles tem aulas de música.
Achei tão fofo dizer que ‘já tem um vilão”!
Por isto que não quis rsrs

* Detalhe da foto: Tentei tirar os olhinhos vermelhos sem aquele programa do Picasa pois no pc que postei não tem. Portanto, ficou meio 'estranho' pois dei uma pintadinha rsrs nos olhinhos de jabuticaba do meu príncipezinho.

sexta-feira, outubro 15, 2010

Uma verdade e uma descoberta

Juntando fatos e lendo alguns dizeres de uma amiga minha questionei sobre porque alguns acontecimentos impressionaram tanto a minha vida com tristezas e principalmente, decepções. Ela foi tão precisa na sua abordagem perante a mim que de cara, me indagou:
- Quem te ensinou que todas as pessoas do mundo precisam gostar de ti, aprovar o que tu fazes e te achar legal? Daonde isso pode acontecer sempre? Como esperar ser aceita por tudo e por todos?
Fiquei imóvel no meu olhar.
Ela tinha acabado de atingir meu 'tendão de aquiles"! Foi lá dentro num questionamento que já deveria ser sanado, esclarecido para uma mulher de quase 40 anos como eu. Esta coisa que fico falando que sou de outro mundo, parece misansene, mas sou mesmo. Poxa vida...estava mais que na hora para acordar num parecer tão óbvio: Uma pessoa pode gostar ou não de ti, não importa o que tu fizeste de bom para ela, se devotou amizade, dedicação, amor e paz a ela.
Eu não preciso viver achando que todo mundo tenha a gostar de mim só porque part o de premissas corretas.
Por mais que, para estas pessoas na qual tu, dedicastes tempo, amor e compaixão não venham a reconhecer. Isto é fato.
Não há memória para o positivo; há memória p ara o negativo. Covardia é se fazer de vítima.
O que eu não posso é lamentar perante a isto.
Adiante!
Viva o meu jeito de ser !!!!
Cresci num processo de experiências.
E se alguém achar que, hoje, por exemplo, eu esteja errada; paciência!
Existem critérios de moral e conduta, tão deturpados, que seria uma heresia ter poder em influenciar nos nossos sentimentos. E confesso que eu era atingida com certas palavras.
Filtrei e passei a pensar mais em mim. E parece que isto causou mágoa. O que eu posso fazer? Burrice de alma, nenhuma escola recupera. E eu que não serei a professora desta disciplina!
Eu aprendi lições com minhas alegrias e decepções e, há pouco tempo, aprendi a desprezar certos “professores universais” que mergulham numa mentira tão surreal que acabam numa overdose sem chance de voltar ao mundo real ou reconhecer seus erros. Humildade é uma palavra inexistente neste contexto de ser humano.
Hoje, estou unindo tudo que li, vi, ouvi e vivi. Esta semana num canal aberto da Net, uma junta de psicólogos abordavam o comportamento humano e a dinâmica de comunicação destes mesmos. Foi ali que vi como vivem pessoas que mergulham e submergem de sua própria mentira. Gente de mau caráter que usa a forja para deliciar-se num mundo obstruído de falsidades e interesses maliciosamente, egoístas.
É de surpreender. Já espalmei minhas mãos e só olho adiante!
Que não gostem de mim, que me julgue quanto quiser! Verdades são verdades, se demorarem a prevalecer não serei eu p a ra perdoar.
Ser prática é a palavra chave!
Viva a praticidade!
Ter a verdade no coração faz nossa respiração ser mais pura sem entrar neste ramo de dar moral ou enumerar lições. Isto vai muito de como tu enxergas a vida! E cá entre nós, eu amo a minha liberdade, adoro minha vida e meu jeito romântico de ser – mesmo que isto tenha deveras contratempos.
Minha vida é maravilhosa! Troquei meu óculos, enxergo melhor e adoro tudo o que faço. E espero que toda aquela minha ânsia de achar que todo mundo deveria me achar bacana expire.
Eu não preciso disto, muito menos provar.
O tempo que é mestre de tudo.

E ontem sorri com as palavras de minha amiga! Ela me libertou de algo que era sem nome ou sem identificação em mim. Acrescentou veementemente:
“ - Ninguém gosta de ser mal interpretado! E vindo de certas pessoas, não pode ser levado em consideração. E depois, penso que o que os outros pensam de nós, a importância da maneira que os outros nos vêem não pode influenciar as nossas atitudes. A tua sensibilidade nesse ponto é grande, só posso terminar dizendo como comecei: Dá uma banana para quem pensa mal de ti, tu sabes o que tu faz. Deixe pensar assim. É até melhor! Comentário maldoso de certas pessoas tu deve enxergar, inclusive, como elogio!”
Foi a grande charada de 2010! Uma verdade e uma descoberta para mim.
Matador!
ELOGIOOO! Amei!

segunda-feira, outubro 11, 2010

Sonho ou realidade? Prenúncio ou devaneio. Sei que marcou....

Hoje tive um sonho estranho.Não pela situação.
Mas pela intensidade de algo que recebi.
Um homem que não sei e nunca vi surgiu perante a mim dizendo: " - Venha...”.
No sonho - que mistura tudo que era cenário surreal - onde água do mar, água de chuva, ventos, crianças tudo se misturavam com uma certa hamonia deixaram ainda mais instigante as imagens....
E lá estava este homem com seus braços longos estendidos dizendo " - Venha!".
São flash misteriosos como todo sonho é. Sensações, imagens tão estranhas para recontar aqui que fica quase impossível! Não consigo ser exata até porque tenho este costume de me acordar e logo esquecer o que sonhei. Porém, este sonho foi muito estranho. Estranho pois teve algo que jamais vou esquecer:
O abraço que recebi deste homem.
Aliás, não tem como esquecer....
O abraço que ele me deu foi a certeza de que, aquele homem, era o amor da minha vida. Eu não sou louca(só um pouquinho); sou do verbo, de planar em meus pensamentos... E esta imagem e a sensação me pareceram ter este sentido mesmo:
Que aquele abraço era o sinal de uma única certeza: A de que eu tinha encontrado meu amor.
O que me confunde é se este abraço foi o sinal de que tinha achado o homem da minha vida no sonho ou se o sonho foi somente um sinalizador para o futuro do tipo: " Passe a observar os abraços que receberás"....
Ai, tudo bem(eu sei!), hoje estou vagando aqui no satélite. É porque não tem como esquecer daquele abraço....
No meu sonho eu não beijo este homem. E acho que não precisaria beijar, sabe?
Eu senti que ele era o homem da minha vida somente por este abraço!
Caracas! Que sonho maluco; que sonho bom! Era mais novo que eu, forte, alto...moreno e lembro nitidamente do conforto do seu abraço, da proteção que senti naquele momento. De sentir aquela coisa gostosa de relaxar num momento que ele simplesmente só me abraçava. Abraços são tão gostosos.
No entanto, nunca tinha recebido um abraço tão mágico como foi deste sonho. Ele só disse ‘Venha” e eu o abracei.
O homem da minha vida.... Tá aí! Boa pedida para meu futuro rsrs
Eu ainda vou reconhecer este abraço de meu sonho, nos abraços de alguém no futuro. E não vai ser mais sonho; vai ser realidade! Pois eu nunca mais vou esquecer do abraço que eu recebi.

Um caminho sagrado

Há pouco menos de um ano, minha colega Sonia Pires fez uma viagem diferente. Ao invés de praias, shoppings e cultura urbana no geral, minha amiga preferiu uma caminhada. E um detalhe: Não era qualquer caminhada!


Realizou um sonho: O de trilhar o Caminho de Santiago de Compostela. Lugar, este que vai muito além de conhecer países, povos e seus costumes. É um lugar sagrado e ao mesmo tempo um encontro para consigo mesmo. Santiago de Compostela fica na Espanha; capital da Galiza. Pessoas do mundo inteiro buscam fazer este caminho que foi realizado por Santiago, um dos apóstolos de Jesus Cristo e que teve sua vida seifada devido a perseguição ao Cristianismo. Com a sua morte, os apóstolos fizeram o traslado para que o corpo de Santiago fosse enterrado no lugar em que ele peregrinou. Diz a história que depois de ser enterrado neste local, houve uma chuva de estrelas e a este fato, foi considerado um milagre fazendo com que fosse construido uma catedral. A Basílica de Santiago de Compostela é o ponto final para quem faz a rota do Caminho de Santiago. Nesta igreja há um incenseiro gigante que exala um perfume encantador. Este caminho está na história já há doze séculos. Não há peregrino que não se emocione ao contar sobre a experiência. Muda a vida; muda a concepção de enxergar própria vida e foi a isto que minha colega foi buscar: Ela mesma.
E esta peregrinação tem uma dinâmica que envolve não só por sua dimensão simbólica mas também por relações sociais, econômicas, políticas e religiosas que giram em torno de si. A longa jornada envolve não só o lado físico como o espiritual. É uma experiência única e de uma fusão que levam a todos uma espécie de confusão da realidade com a vida em si. Segundo Sônia, durante a caminhada você acaba se ouvindo. Sim! Se ouvindo. Você se ouve. Sim! Você se ouve. Você ouve aquilo que nunca digeriu como bonito ou mágico.... Hoje resolvi falar sobre isto pois toda vez que minha colega conta histórias desta viagem fico pensando nas besterias que atrelamos no dia a dia e valorizamos em encafifar sendo que, esquecemos, por total, as maravilhas do mundo que são tão simples e belas como um abraço, um sorriso, um ato de respirar.

Abaixo, deixei o seu próprio relato.

" Fiz o Caminho de São Tiago de Compostela em junho/2009 e hoje bateu uma nostalgia ..fiquei lembrando que a gente passa por uma confusão de sentimentos muito grande. Tudo é muito intenso durante a caminhada. Mesmo que se faça com um grupo, a caminhada é solitária, porque o ritmo de cada um precisa ser respeitado. São horas e horas caminhando num cenário lindo(mas tão lindo mesmo!), te leva a reflexão da vida, das decisões, o rumo que tomamos, as lembranças...Enfim, tudo isto aflora.
É ouvir; ouvir sons ue não se sabia que existiam. O silêncio no início assustava. Comecei a ouvir o meu coração, a me sentir, a me ouvir! Muito louco! Mas, bem real. Fora o fato de ouvir a natureza que no dia a dia a gente nem percebe. Passei por muitos momentos de tristeza, por muitos momentos de alegria, por toda uma gama de sentimentos contraditórios. E isto o que faz essa caminhada uma aventura única e inesquecível. Existe ainda a questão física que o ato de caminhar faz. Muitos quilômetros todos os dias te mantém num piquê que vai da excitação a euforia, ao mesmo tempo que o cansaço é enorme e dolorido. Fiz várias bolhas nos pés, o que me impediu de caminhar por dois dias, quebrei algumas unhas do pé - coisas normais, inclusive - que acontecem com quase todos lá. Existe uma solidariedade enorme entre os peregrinos! A energia que a gente sente não é apenas impressão; acho que o grande número de pessoas com o mesmo objetivo faz com que se concentre uma energia muito positiva em todo o caminho. O que é bem legal é que se conhece pessoas de todos os lugares do mundo. Senti falta de não falar inglês. Perde-se muito em conhecer mais as pessoas. O espanhol não é tão fácil como imaginamos, é bem diferente do que falam no Uruguai, Argentina, e eles não entendem nada de português. O que mais encanta no Caminho de Santiago de Compostela são - sem sombra de dúvidas - as igrejas, os mosteiros, e a arquitetura medieval. Cada etapa é repleta de verdadeiras obras primas da arte antiga. Os espanhóis são bem secos no tratamento que dispensam aos turistas. O barato é quando a gente diz que é brasileiro! Muitas vezes se recebe tratamento diferente e é aí que a gente vê que o Brasil é bem visto lá fora, mesmo que ainda seja pelo futebol, pelo carnaval... Eles tem a idéia do Brasil como um povo bem festeiro...hehehehehe Uma coisa que achei engraçado é que eles tem uns horários de trabalho bem malucos, começam a trabalhar tarde(pelas 10 horas) e tem a hora da sesta. Por volta do meio-dia fecha todo o comércio e reabre a partir das duas ou tres horas da tarde. São bem folgados...hehehehe. Em muitos lugares não dá para contar com o café da manhã, porque como se inicia cedo a caminhada, encontra-se tudo fechado. Alguns albergues servem o café, ou tem máquinas de café e de alimentos para a manhã. Outros não tem nada disso, então é preciso comprar na véspera. Importante levar sempre água e barrinha de cereal, chocolate, as vezes, durante o trajeto é preciso repor energia. As frutas são muito boas lá, principalmente as cerejas....como eu gostei das cerejas... E a comida é excelente!!! Eles tem pratos fartos!!! Tem o primeiro prato, o segundo prato, a sobremesa e sempre o vinho e o pão (almoço ou jantar do peregrino - varia de 8 a 13 euros, dependendo do lugar)"
Sônia Pires -
http://soniapires.blogspot.com/

João Vicente e o Dia da Criança

Uma tarde divertida em comemoração ao Dia da Criança! João Vicente explorou o mapa do Brasil junto com o cãozinho Doki do canal infantil Discovery Kids! Com o passaporte na mão, meu filhão conheceu as características de vários Estados do país! Não preciso nem dizer que ele AMOU, né? Basta ver as fotos, né?

terça-feira, setembro 21, 2010

Desafio de ensinar e também, a surpresa em aprender

Uma vez me perguntaram: Como você é como mãe? Achei tão engraçada a pergunta pois fugia das inúmeras rotulações que a gente ganha. Explico. Quando se tem filhos - dos avós, amigos a parentes sempre ouvimos opiniões, coordenadas e dicas de como se deve criar; ensinar. As pessoas acham que assistir a uma cena, a um momento com o teu filho podem e devem ditar regras como estas:
“ - Tu tens que ser mais severa com ele”; ou o contrário, “ - Não sejas dura com ele... Tadinho, é sono”.
Posso estar errada. Mas não concordo.
Mãe é mãe. Sendo nós, as que labutam dia-a-dia envolvidas com o crescimento de nossos filhos, só pode, portanto, a nós este conhecimento.
Sabemos, de longe – por exemplo - quando um choro dos nossos filhos é mãnha, encenação, dor ou tristeza.
Só quem cria conhece.
Tem que conviver, pegar no pesado, dizer a palavra “não” quando há necessidade de dizer. Não é fácil criar, eu sempre digo isto aqui no blog. Sabemos muito bem disto. Eu dou um exemplo engraçado aqui do meu cotidiano: Meu filho vai na segunda-feira para a creche e na terça-feira, quando o acordo, ele já indaga o porquê ele tem que ir de novo! Se dou banho num dia, no outro ele não quer. Só fala ‘amanhã”! E quando se deita na cama e percebe que saí do quarto lá vem ele no corredor baforando: “ – Pôcaliaa! Onde tá você mamãe!!??!!”
E vem me ordenando voltar pra cama com ele. Não tem como não rir. Errado? Provavelmente. Todas as mães pecam. Mas tu vê aquele ‘projeto de gente’ caminhando pelo corredor da casa falando a língua do Cebolinha é de derreter! Eles nos fazem rir e, também, nos tiram do sério rrsrs As vezes dá vontade de entrar num guarda-roupa fechar a porta e falar todos os nome feios do mundo! É a vontade de urrar “ - &*%$@@#$$!!!”; literalmente!
Pois sabemos que numa criação a grande coringa está na persistência e na calma.

De nada adianta perdemos a cabeça com gritos e iras. E vou confessar: Eu vivo pecando. As vezes sou vítima do meu cansaço em ser pai e mãe do meu filho e também de meus hormônios. Quando eu vejo que ele fez uma travessura ‘grau agudo’, como classifico, acabo, muitas vezes saindo no tom mais alto. Que pecado...

E quando te rotulam é muito chato. Ouvi muito isto:
“ – Tu deixa ele fazer tudo!”
Aquilo entrou no meu Eu que ecoou de tal forma que passei a ser dura em meus ‘não’s’ para o João Vicente. E já para a minha mãe eu sou severa quando eu chamo a atenção dele.
É de dar um nó na mente.
Portanto, hoje eu procuro ler artigos e estudo muito mesmo o comportamento do João Vicente. Sei exatamente quando ele passa a me respeitar, quando ele tá pedindo limites ou quando ele tá apenas encenando fazendo ‘daquele show’, uma grande brincadeira.
É um jogo de psicologia bárbaro!
Basta ter momento, vivência e muita esperteza. Pois estes filhos que alguns costumam dizer que são ‘crianças índigos’ são umas naves ‘ultra-sônicas’ rsrs Quando a gente vai eles já voltaram; esperando, inclusive “a mais de uma hora no sofá”!
Meu filho desde os quatro meses de vida freqüenta escolinha. Admiro tanto tudo o que ele aprendeu lá: ajudante do mês, colocar os sapatinhos sozinhos, ir no banheiro sozinho(se bem quando chega em casa ele recorre pra senha: mãnhêêêê!), tem hora de sono, hora pra dormir, aula de música, aula de higiene, conhecimento do corpo humano, vive as datas festivas como festa junina, natal tudo isto desde meses de vida) sempre temático em roupinhas ou apresentações! Então, nada pode dizer que ele não vive sem a minha pessoa. Tem gente que bafora que ele é muito grudado em mim! Gente! Ele é um menino de três anos! Meninos são uns chicletes com as mães!
Vejo por relato de amigas minhas também! E pensem na lógica: Ficamos dois turnos distantes de segunda a sexta-feira. É lógico que ele sente saudades e eu também. É óbvio que curtimos o fim-de-semana juntos! Somos muito companheiros. Eu e ele; somente. O lado paterno ainda é uma ferramenta a ser trabalhada. E isto já está sendo providenciado por ele mesmo! Meu filho é o meu cupido! Ele quer me casar logo e acho um mimo isto! Eu só não posso adiantar! João Vicente é uma parada! E eu, como mãe, não só ensino como, muito, tenho a aprender com ele!

segunda-feira, setembro 13, 2010

Estopim



Tanta coisa para esbravejar aqui.
Tanta coisa para desabafar...


Pra mim foi a ampulheta do BASTA!
Tantos; tantos verbos a acenar.
Atrocidades que me deixaram estarrecidas nos jornais que juro; juro que não sei onde e nem como começar. Então isto vai ser uma salada mista de temperaturas sentimentais que tive. Com coisas que passei, outras que li e também com coisas que presenciei. Não cabe, por aqui, ser meticulosa em relatos; o que vale – no meu satélite - é registrar.

***
Odeio
mentiras e vi no mês de agosto um show tão cênico que só serviu para tripudiar um ser que não posso nem chamar de humano. Então, aprendi que muitas vezes na vida não podemos ser educados. Educação se adquire na justiça. Amizade não existe. Foi o estopim. E para eu, como mãe, uma grande fenda foi aberta. Mas Deus é maravilhoso e sei que algo muito bom está para acontecer. Aguardem!

***
Outra:
Sou gaúcha com muito orgulho. Tudo bem, semana Farroupilha aqui no Sul é um ajuntamento no Parque Harmonia, de Porto Alegre que faz da metrópole, um grande pampa com vários piquetes. Vira um território 100% gaudério. Ali são prestados e vividos todos os costumes sulistas; dos pampas. Vai da alimentação típica, roupa a caráter e muita música gaudéria. Tudo numa grande ‘floresta’ de gaúchos. E vocês sabem o que vem acontecendo nos últimos anos com todo este ajuntamento?
Marginalidade, drogas, bebidas e mortes. Que vergonha para nós gaúchos dar margem a isto. Ano a ano se sucede esta brigas que levam a morte. Aí pergunto: Aonde está a segurança? Onde está o policiamento? Eu particularmente tenho horror a grandes multidões que perambulam numa espécie de maré de vai-vem em andanças sem rumo algum. Porém, conheço pessoas boníssimas que costumam e curtem interagir neste mundo tradicionalista. Uma pena que esteja tão esculachado; tão esquecido e cercado de coisas inteiramente erradas. Fica aqui o meu protesto.

E os jornais?
Gente! Onde estão os anjinhos para protegerem tantas crianças desamparadas? Ontem assisti a história de irmãos que viviam numa caverna! Gente! Numa caverna! Foram encontrados num burado úmido e cheio de bichos. A história toda está neste link aqui http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1618464-15605,00.html . O que me entristece é saber que tantas crianças são, minuto a minuto espancadas, violentadas... Eu as vezes me sinto de mãos atadas... Como dói saber de tanta falta de humanidade nas pessoas. Que Deus ilumine estes anjinhos.

Ufa! Falei... Tinha mais indignações, porém me atribui a estas.
Espero que a paz reine DE VEZ! Entendeu? XO’S

quinta-feira, agosto 26, 2010

MÃE CONDÃO DE DEUS

Notícia gostosa; leitura de marejar os olhos(Pra não dizer chorar, né?).
Nós, mães, sabemos o quanto um filho representa em nossas vidas irão concordar comigo agora:
Esta reportagem que saiu no mundo inteiro (http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/1,,EMI166350-17729,00.html) foi a prova mais fiel - e forte - deste universo, que Deus existe e que Mãe, realmente, é muito mais que uma palavra sagrada.
MÃE É VIDA!
Olha, só de relatar aqui eu já fico arrepiada, quanto mais presenciar isto que aconteceu!
A australiana Katie estava no hospital para dar a luz aos gêmeos de 27 semanas, Emily e Jamie Ogg .
Foi quando, ela e seu marido souberam que, depois de inúmeras tentativas, um dos gêmeos – Jamie - pesando 900 gramas, não havia reagido aos sinais vitais vindo a óbito.
Numa espécie de ritual na rotina os obstetras entregaram o filho morto aos braços da mãe.
Muito emocionada, junto com o marido, ela ferrenhamente tirou os tecidos que o embalavam e como um DOM, e também MÃOS de Deus começou a acariciá-lo.
Entre carinhos e lágrimas ela sussurrava palavras abençoadas que todas as mães costumam dizer para os seus filhos.
Katie fez isto e muito mais.
Ela tinha ali a fé de que seu filho não iria embora.
Foi contando a ele como veio ao mundo, que era pequenino, que tinha uma irmã e uma família linda.
E lá ficou, entre beijos e carinhos, emitindo o calor mais divino que um recém nascido possa ter: o calor materno.
Foram duas horas junto a ele.
Até que ela, num gesto espetacular resolveu com o seu dedo dar um pouco do seu leite materno. Lágrimas e a surpresa!
O menino veio a tona para a Vida! Emergiu num suspiro só com sua respiração.
Foi a maior prova de que temos muito que aprender com este mundo!
"Há mistérios entre o Céu e a Terra em que a nossa vã filosofia não alcança". E a medicina jamais alcançará! Jamie Ogg estava vivo!!!
Katie com seu toque, com o seu cheiro teve em seus braços um milagre: Seu filho 'RESSUSCITOU'!
A mãe afirma que foi o contato da derme, o calor e suas palavras, juntamente com seu abençoado leite materno seu filho acordou para o mundo.
Este é um método conhecido por ‘mãe canguru’, que também é aplicado em hospitais brasileiros, supõe que as mães se tornem incubadoras humanas, mantendo o bebê aquecido.
Sabe-se que os bebês de baixo peso que são tratados desta maneira possuem menores taxas de infecção, padrões de sono melhor e menor risco de hipotermia.
Mas casos como o de Kate desafiam a ciência.
Eu sei, ninguém precisa me dizer:
FORAM AS MÃOS DE DEUS.
LINDO! LINDO! LINDO!

domingo, agosto 22, 2010

Amor Secreto

Aos pouquinhos vou voltando ao blog! Muito tempo de férias, né? Mas eu precisava. E aconteceram tantas coisas boas, outras ruins como uma despedida de uma matriarca para outra vida. E hoje, lendo o jornal(mais uma vez, eu sempre amo ler este cronista) leio a coluna de Paulo Sant'Ana. Ele falou, na ótica dele, algo muito peculiar na visão do amor! E como vocês sabem, eu adoro falar de amor.
Divido com vocês e, em breve, muitos e muitos posts!

"Falemos de amor. Deixemos de lado as questões graves e profundas que nos cercam e mergulhemos nesta ânsia infindável de felicidade que domina o homem sobre a Terra.
Em realidade, a vida não é mais que a busca da felicidade. E, trágica ou sublimemente, o homem só se faz feliz pelo amor.
A única forma de ser feliz é amar. A tristeza não é outra coisa que a ausência do amor. A depressão é quase sempre detonada pela absoluta impossibilidade de acesso ao amor. O amor é o único veículo que encaminha para a realização.
Pode ser o amor sexual, entendido assim como o de uma mulher para um homem ou o inverso ou o recíproco.
Pode ser o amor a uma causa, o amor ao próximo, o amor até a um objeto, a um conjunto de coisas materiais ou afetivas, o amor ao próximo, que incendeia as almas e os espíritos dos religiosos e dos samaritanos, aqueles que atingem a suprema felicidade da existência ao doarem-se generosamente aos seus semelhantes.
O tipo de amor sobre o qual eu gostaria de discorrer hoje é aquele sentimento romântico de um homem sobre uma mulher ou o contrário.
Aquele amor que em última análise importa mais do que tudo porque é dele que emana a sobrevivência da espécie humana.
Aquele amor que leva à animalidade, mas no caminho é adornado belamente por uma pureza de sentimento, por um querer bem, por uma eleição magnífica, por uma escolha fulgurante, por um encontro, um achado casual ou procurado, mas sempre secretamente esperado dentro da aptidão que os seres vivos devem sempre manter para amar, se quiserem ser felizes.
O que eu queria dizer é que não há nada mais delicioso no amor que mantê-lo sob segredo, sem que o alvo dele conheça o seu crepitar. Em suma, não há nada mais entusiástico no amor do que o desejo. Goethe, um dos maiores pensadores da raça humana, tocou nisso magistralmente:
“Vou ébrio do desejo ao prazer. E no prazer, ah que saudade do desejo!”.
O namoro, o flerte, a amizade dissimulada e o amor cercando essas escaramuças, mantido em segredo.
O instante mais ardentemente saboroso do amor é quando se está perto da pessoa amada, quando se a vê ou com ela a gente se encontra todos os dias, ela está bem próxima de nós, conversa conosco, convive conosco, mas desconhece que a amamos.
Talvez o tempero mais picante dessa relação de cuidados e estudos mútuos seja que ela desconfie de que nós a amamos.
Que um e outro suspeitem que se amam. Este é o momento eterno e infinito do amor.
Eu sempre achei que o amor começa a terminar quando ele é declarado. A sentença de morte do amor é “eu te amo”.
Esta revelação é sinistra, ela carrega em seu conteúdo a destruição do amor.
Se se pudesse – e não se pode – levar o amor em segredo ou em suspeita por todo o tempo, jamais se perderia o amor, jamais o fastio ou as outras todas nuanças que tornam o amor finito se deflagrariam.
Tanto que o que leva o desejo a tornar-se exercício do amor é o medo da perda. Quando na verdade a perda é originada somente pelo amor concreto e exercitado.
Em toda a minha vida, os únicos grandes registros de saudade, dignos de serem recordados como momentos da mais plena felicidade, foram aqueles em que eu sabia que amava e o objeto do meu amor desconhecia essa circunstância.
Ou, então, quando eu desconfiava profundamente de que estava sendo amado, sem que no entanto jamais eu pudesse me debruçar nessa certeza.
Como era estupendo saber que se amava, sem deixar que ninguém soubesse, nem a amada, do que se sentia.
Fingindo.
E é incomparavelmente grande o deleite de imaginar-se que aquela a quem se ama finge apenas que não nos ama.
Só enquanto isso, é grande e infindável o amor.
Quando ele se decifra, morre.
(escrito por Paulo Sant'Ana em 1994 - http://www.zh.com.br/)"


quinta-feira, julho 22, 2010

Minha marca



Isto aqui é a minha marca, a minha honra! E nestas férias eu estou me fortalecendo mais ainda no que busco para mim! Minha fé e meus sonhos! Minha família e tudo que sonho e busco alcançar!
Um pouco de mim:


"Eu tenho a marca da promessa...Se tentam destruir-me, zombando da minha fé e até tramam contra mim...Querem entulhar meus poços, querem frustrar meus sonhos e me fazer desistir...Mas quem vai apagar o selo que há em mim, a marca da promessa que Ele me fez, e quem vai me impedir, se decidida estou, pois quem me prometeu... É Fiel pra cumprir!! O meu Deus nunca falhará, eu sei que chegara minha vez, minha sorte Ele mudará, diante dos meus olhos..."





Ah... quando eu quero... rá! Eu CONSIGO!

sexta-feira, julho 16, 2010

O amor e o tempo...

Estes tempos, com minhas amigas, estávamos debatendo sobre amores. Amores que ficaram, amores que marcaram, amores que traumatizaram e amores que poderão nascer. Fiquei estática quando vi a minha amiga baixando a cabeça, apoiando o cotovelo na mesa e colocando a mão no rosto com ar de lamentação. Foi então que falou: “ Não acredito, o amor me pegou gurias...”
Aquilo entrou como um foguete na minha mente: ‘O amor me pegou gurias !!!’. Eu senti, na expressão dela, algo como se estivesse feliz por estar amando; mas também como se tivesse triste pois o amor estava já imantado na sua alma e poderia fazê-la sofrer. Detalhe: ela já é uma mulher escaldada de amores passados. Provavelmente aquela cena, aquela frase ficou adormecida no meu subconsciente que, na calada desta noite, lembrei das palavras dela; e surgiram um paradoxo do que eu vivi com a minha realidade de hoje. Lembrei de como é bom amar, mas também como é perigoso. O risco de sofrer é algo aterrorizador em meus medos. Perdermos as forças por amar, ficamos vulneráveis, esperamos tudo: carinho, ligações, declarações, promessas e momentos juntos. E nem sempre isto acontece. E foi neste silêncio noturno que revi um filme. Fatos, lendas e situações tão fortes que não há tempo que apague. Meu futuro é indeciso e o meu presente é confortável. Só tem um detalhe que me consome: E eu vivo de amor! Meu Deus... Amor, que palavra mais louca!
Um sábio compositor divagou num samba: ‘se perguntarem o que é o amor para mim; não sei responder; não sei explicar ... até hoje ninguém definiu o que é o amor”!
E eu tenho isto muito louco dentro de mim. Eu também não sei. Porém eu vivo de amor. Eu sou uma mistura de todas os autores que li sobre esta poderosa palavra. E aonde eu peco? Na confusão... Sou uma confusão.

Eu tenho uma filosofia do Paulinho da Viola muito latente no meu jeito de viver. Segundo o lorde do samba - que é um amante dos relógios - o amor tá conectado com estes ponteiros que navegam no tempo e num mar sem fim – ou rio quem sabe; “Foi um rio que passou em minha vida e o meu coração se deixou levar”. O relógio tem uma conotação bárbara com o Tempo. Sim! O tempo e suas metáforas! Nas músicas do mestre o tempo, o relógio, o rio e a saudade andam juntos. Tem adeus, tem rio e tem mar... Mar é inspiração. E bem no estilo Paulinho da Viola esta eu na calada da noite. Eu a divagar, eu a navegar... Era o meu passado, presente e futuro em transe dentro de mim, uma espécie de livro secreto de minha alma. Fiquei a olhar para o nada. E o nada(do nada!) abriu-se um zoom incrível de passagens de minha vida. Bateu a saudade de fatos engraçados, bons e gostosos. Depois veio meus projetos meus sonhos e meus medos de errar novamente. E foi isto que vi naquele gesto da minha amiga. Céus! A Vida é um bem tão precioso que preciso aproveitá-la ao máximo; pensei. Não há mais tempo a perder. É um alívio poder enxergar horizontes sem sofrer pois acredito que amor é para nos fazer feliz, e não o contrário.
Mesmo que eu sinta saudades onde precisar eu solicito o vento para me desafogar, mesmo que se houver maremotos de lembranças e imagens que invadem minha concentração; eu tenho a paz do meu lar, o sorriso de felicidade do meu filho e mesmo que a mágoa ou a angústia de não poder resolver o mundo com minhas próprias mãos, mesmo assim, eu prefiro o meu hoje do que a tormenta do meu passado. "Viver não é esperar a tempestade passar...é aprender como dançar na chuva."
E definitivamente, eu danço nesta chuva!

quarta-feira, julho 14, 2010

MÃE URSA!

Trinta dias de descanso.
Nome?
Licença prêmio.
Para quem não conhece, em serviço público, este nome se condiz a isto: Cinco anos trabalhados(sem nenhuma falta) ganha, por merecimento, três meses de férias. Nestes três meses de direito que o servidor tem, não se pode vender as férias, muito menos converter em tempo de serviço. Portanto, tem(sim) é de usufruir seus direitos! Eu estarei usufruindo uma das minhas licenças neste inverno partir do dia 19 de julho. Trinta dias de molho e trinta dias de folga deste choque térmico em ter que tirar o João Vicente do quentinho da cama para levá-lo a creche. É um pecado pra ele. Fora os surtos de gripe A e alfabeto, no geral de viroses.
Aqui no Sul é um frio danado gente! Nem sol ajuda! Vai para o sol se esquentar; parece lâmpada de geladeira!!!
Segundo a meteorologia do Estado, 2010 vai ser um inverno intenso(temperaturas negativas) e extenso! É um frio cruel e traiçoeiro. Para os asmáticos, pior ainda! E eu e o João Vicente estamos nesta tribo dos alérgicos.
Então eu declaro: FEITORIA!
Resguardar meu filho do gélido das manhãs será um alento para o meu coração de mãe que perdeu de vistas quantas bronquites ele adquiriu, quantos(e quantos!) antibióticos já ingeriu e até pneumonia ele já teve. É um direito meu de mãe, e dele de filho! Agradeço a Deus por ter esta oportunidade. Quisera que todas as mães(que são mães mesmo, né?) pudessem curtir mais os seus filhos.
Está chegando a hora!
A hora de brincarmos na cama e assistirmos muitos filmes embaixo dos cobertores! E de presente muitas sopinhas(tudo com moderação, é claro! A "ursa mór" aqui está de dieta)!
Ursa-mãe!
Este é o lema!

quinta-feira, julho 08, 2010

Filhos - eternos bebês em nossos corações

Tenho sofrido para acordar meu filho, todas as manhãs, para ir a escolinha(creche) que fica ao lado do meu trabalho. Desde bebezinho tem sido - ou sei lá se fui permissiva demais pra deixar ele assim (na boa, nem sei mais!) trabalhoso fazê-lo dormir cedo.
Tentei várias técnicas do tipo: sem luz no quarto tv desligada ou de dar ‘bainho’ a noite antes de dormir.
Em todas, ele me deu a curva!
Ele definitivamente não gosta de dormir cedo.
Seu horário é sempre depois das 23h. E fez com que ele relute em acordar cedo pela manhã. Eu começo cedo no meu trabalho que há um ano fez uma reforma na carga horária. Rezo para que resgatem o antigo horário dos funcionários pois o novo horário só repartiu o laço com nossos filhos, aumentou os gastos e em nada serviu para aproveitamento e rendimento de serviços. Pelo contrário, só revoltou; Trabalho há quase 18 anos lá e estou num cansaço sem tamanho. Meu desgaste físico, mental e espiritual está na UTI. E o que mais me corta o coração é ter que insistir para o João Vicente acordar num momento que ele implora para continuar nanando. Tá. Eu sei. Vocês vão me dizer: “ - É a vida, tem que doutrinar!”. Juro! Quem é mãe sabe o quão é difícil educar com regras, horários e “não’s” e, também, ao mesmo tempo, como é bom anunciar a famosa exclamação ‘estou de férias”! Vibramos pois temos a oportunidade de ficarmos mais(e mais, e mais, e mais!!!) próximos de nossos filhos.
Hoje foi um dia diferente. Tentei acordar ele inúmeras vezes, aí com as quedas climáticas tive a proposta dele ficar com minha mãe e primo. Perguntei a ele, que estava na cama todo encolhidinho se ele queria ir na creche(dãã! Óbvio que não rsrs). Num gesto fez um ‘não’. Ele escutava, mas seus olhinhos permaneciam ferrenhamente fechados. Ele aceitou com o movimento suave do seu rostinho para, sim, ficar com a vovó dele. Aquilo me comoveu de um jeito tão profundo que sai marejada do quarto. Aquele menino dormindo. Meu Deus! Meu filho.... Observando ele, nos seus três aninhos de vida, percebo que aqueles olhinhos serenos e fazendo beiçinho permanecia com o mesmo rosto de quando ainda era recém nascido.
Sim! Tive esta imagem, esta sensação que lembrou ele com poucos dias de vida. Senti, em meu coração, que o meu bebê que tá hoje com seus 91cm 'de altura' ainda tinha a carinha de um recém nascido. E acho que, quando ele completar seus 16,20 anos eu ainda vou olhar com esta surpresa de mães. As feições, tudo lembrará quando eram recém nascidos. Mesmo grande, ele ainda será o meu eterno bebê!

Vai entender....


Morar no Rio Grande do Sul implica em convivermos, diariamente, com as notícias do tipo ‘uma frente fria chega ao Estado nesta madrugada. A massa de ar polar vinda da Argentina e blá blá blá...” Por aí vai. Os hermanos soltam suas bolhinhas de gelo que são conduzidas pelos ventos e oceanos. E nós? Haja pulmão e remédios para tantas ‘ites’ - rinites, sinusite e bronquite. É uma sinfonia de fungadas e espirros alérgicos. O corpo do gaúcho é um termômetro humano louco. Ontem quase trinta graus na cidade – diga-se em pleno inverno – e hoje já começou com as temperaturas despencando. Do nada, surge o sol e a temperatura sobe. Asmáticos! Vamos nos unir e morar na Bahia! Rsrs Bah, tchê! Não existe mais o ‘ensacar’ de roupas de verão no inverno ou ensacar roupas de inverno no verão! Aqui é uma salada mista climática. E o pior: é oito/oitenta. Não existe ‘pouca coisa’. É pra doer a peleia!

quarta-feira, julho 07, 2010

Sinais positivos


Olha, sou uma ex-fumante e posso falar os transtornos sociais que um cigarro faz – não entro no mérito do “Ministério da Saúde adverte” que este papel não é comigo aqui no blog. Cá entre nós, é muito chato o cigarro. Até quem fuma sabe o indigesto cheiro de cinzeiro que fica nas roupas, cabelo e pele.. E as pessoas na volta, que nada tem haver com as suas baforadas, tem que ficarem quietinhos ou pior se afastarem. Xarope; como diz meu amigo. Eu sofri muito com esta ‘consciência pesada’ do cigarro, com a minha saúde e por tudo que conspirava contra. Pra quê, né?
Parei e hoje li esta notícia positiva: A lei antifumo em São Paulo já deixou o ar da cidade mais limpo! Esta regra quebrou com o ‘oba-oba’ das baforadas em bares e restaurantes enfim, em lugares de ambientes fechados públicos. Um estudo feito pelo Instituto do Coração revela que a restrição diminuiu a concentração de monóxido de carbono em 73,5% nos ambientes dos estabelecimentos.
Veja só que resultado bacana! Fiquei muito feliz em ler isto. Se todo mundo pudesse parar de fumar. Bah, o mundo de todas as formas agradeceria.

sexta-feira, junho 25, 2010

Roendo os caroços das jabuticabas...

Li este texto que resume o que anda travado em minha guela verbal. Eu não tenho mais tempo para esperar ou perder! Eu estou roendo os caroços das jabuticabas pois tenho sede de viver o melhor da Vida. E este excelento texto de Ricardo Gondim falou por mim e por muitas pessoas que também estão indignadas com a mediucridade humana!
- CANTA PRA SUBIIIR!!!!

TEMPO QUE FOGE!
" Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora.
Sinto-me como aquele menino que ganhou uma bacia de jabuticabas.
As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltavam poucas, rói o caroço.
Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.
Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados.
Não tolero gabolices.
Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos.
Não quero ver os ponteiros do relógio avançando em reuniões de “confrontação”, onde “tiramos fatos à limpo”.
Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário do coral.
Já não tenho tempo para debater vírgulas, detalhes gramaticais sutis, ou sobreas diferentes traduções da Bíblia.
Não quero ficar explicando porque gosto da Nova Versão Internacional das Escrituras, só porque há um grupo que a considera herética.
Minha resposta será curta e delicada:
- Gosto, e ponto final!
Lembrei-me agora de Mário de Andrade que afirmou:
“As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos”.
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos.
Já não tenho tempo para ficar dando explicação aos medianos se estou ou não perdendo a fé, porque admiro a poesia do Chico Buarque e do Vinicius de Moraes; a voz da Maria Bethânia; os livros de Machado de Assis, Thomas Mann, Ernest Hemingway e José Lins do Rego.
Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita para a “última hora”; não foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados, e deseja andar humildemente com Deus.
Caminhar perto dessas pessoas nunca será perda de tempo. " Autor : Ricardo Gondim

terça-feira, junho 22, 2010

Lembrar




"Não me proucures em qualquer lugar, pois não quero ser encontrada facilmente, me procures em sua memória, em suas ações. Não quero ser lembrada pelo que fui, quero ser lembrada pelo que fiz... Não acredite em tudo que ouve, afinal papai noel não existe, mentiras estão em todos os lugares. Não deixem de ser crianças, por que pureza e transparência só se tem nessa fase, hipocrisia faz parte do crescimento de grande parte."

quinta-feira, junho 17, 2010

Policiais - super heróis de carne e osso

Estava lendo plantão da ZH- on line - e deparo-me com a notícia que o Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico(Denarc) cumpriu oito mandatos de busca e apreensão, numa Vila de um município de minha cidade. Apreenderam armas, munições, drogas e carros roubados tudo isto, associado ao tráfico. A abordagem a estes bandidos teve o apoio de dezenas de policiais - dentre eles, o do Grupo de Operações Especiais - GOE. E a cena que me chamou a atenção foi o belo policial que aparecia na foto(vejam abaixo)!
Gente, o papito é feminino hoje no blog! Ele lembrou muito aqueles filmes policiais em que o Kennue Reeves atuou. Não lembro o nome destes filmes - talvez vocês saibam dizer por mim. O uniforme escuro e o porte bofante destes homens tem um ar de proteção e também de super heróis, porque não? E sabemos(como reconheço também) de muitas outras profissões que existem por este mundo afora, que não é fácil chegar aonde eles chegaram. É literalmente suar a camisa e provar capacidade física, psicológica e de muito estudo. Falo, também, dos policiais federais.
Geralmente são tudo altos(eu sei que não é regra)e, na minha opinião. - :-) - muito bonitos. Acho atraentes homens altos, talvez seja por eu ser pequena de altura que faça eu ter esta impressão de proteção e fortaleza!
Bobagem minha, mas acredito que seja isto.
São atrações enfim; são admirações.
As mulheres não tem quedas por homens mais velhos? Outras não tem por mais jovens? Existem aquelas que se atraem por homens mais altos ou mais baixos. E de maneira alguma isto segue a regra a risca!
Eu sou prova disto.
Morri pela boca em muitas ‘atrações’!
Cá entre nós, não é bonito de ver estes ‘homões”!?!
Hoje quis "distrair" no blog com este tema, pois ultimamente tenho tido vontade de expurgar minhas revoltas cotidianas - talvez minhas TPM's. Se falar tudo o que penso isto aqui seria uma espécie de: ringue virtual!
Ando meio indignada.
Pra abrandar sou mais afim de olhar estes homens bonitos.
As mulheres também não escapam desta beleza. elas são as super heroínas!
Vou dar um exemplo:
- Certa vez entrei num prédio no Centro de Porto Alegre. Do nada surgiram policiais de to-dos os cantos(janela, escadas, corredores, elevadores...nossa...eram muitos - então, eu me senti em pleno set de filmagens! Eram os policiais federais prontos para capturar um suposto traficante que morava no prédio - e eu estava aliii! Vendo tudo! Foi aí que vi, ao meu lado, uma menina-mulher policial. Ela era muito parecida com a atriz e cantora Marjorie Estiano, pele de pêssego, corpo em forma e cheia de roupas e cintos com velcros de todos os tipos de armas ou sei lá o quê ali. Camiseta branca e o colete preto - clássico - com os dizeres atrás:
“ POLÍCIA FEDERAL”.
Fiquei ali estática observando a ação deles. Eles cumpriram o trabalho e foram embora. Não é qualquer um que ingressa na Polícia Federal, galera. Os concursos a estes cargos são dificílimos e as provas físicas botam o Tarzan e o Homen Aranha na coleira.
Eu admiro muito estes profissionais que são extremamente discretos e que arriscam suas vidas neste cenário que fermenta pelo país todo que é a criminalidade do tráfico de drogas.
Fica aqui meu elogio e minha homenagem a eles! De todas as formas rsrs Pois, meninas além de lindos são nossos super heróis de carne e osso.

terça-feira, junho 08, 2010

Uma nova linguagem para o romantismo


Não podia deixar de lembrar o famoso Dia dos Namorados que chega dentro de alguns dias. Para a minha surpresa, abro a Zero Hora de hoje(8/6) e deparo-me com a manchete:
“Terapeutas e psiquiatras sustentam: o amor romântico está em declínio”.
Justamente hoje quando mal consegui dormir por ter recebido, ontem, uma notícia estarrecedora: o fim de um relacionamento de um casal de amigos meus.
Aí vocês vão pensar: “ – Ah, isto acontece!”.
Não. Não com aquele casal.
É por fim mais e mais nas minhas esperanças de que o amor resiste e existe. Os homens de hoje em dia são espectros vulneráveis que não sustentam sequer uma crise de relacionamento. São do tipo: “ - Não tá bom; então vou cair fora”.
Não toleram, não se comprometem a entender uma mulher. Sabe, as vezes, acho que pagamos realmente o preço por ter posto fogo nos sutiãs. A mulher buscou e lutou tanto pela emancipação que hoje peca por isto(* Entendam, caros homens, somos sim sensíveis, complexas e românticas).
Mulheres são assim: intensas nos seus sentimentos. Felinas - sacou?
Nisto, não houve sequer uma mutação genética no DNA feminino. Não adianta guerrear “independência” se somos sim, meninonas que amamos ser bajuladas, cortejadas enfim, respeitadas. No entanto, a palavra “respeito” perdeu a vez e imperou a palavra: individualismo. Realmente(me dói em dizer) o romantismo está com os dias contados.
Os especialistas acreditam que, com o fim do romantismo, a experiência entre casais se torne, enfim, menos avassaladora e possível.
To bege...to nude!
É uma nova ótica de se enxergar o amor no comportamento humano. E aquelas cenas que nos arrepiam, que nos levam as lágrimas em finais de filmes históricos como Uma Linda Mulher, Casa do Lago, Em Algum Lugar do Passado entre outros?
Aonde eles vão parar?
No baú do comportamento esquecido?
Céus! É de cortar os pulsos com bolacha Maria se pensarmos que acabou.
E eu que nem encontrei meu príncipe encantado? Tá. Ok. Não existe, é isto que vão me dizer? Puxa vida! Não viram aí a minha apresentação no blog? “Sou uma incansável romântica”!!!
Não gostaria de perder as esperanças... Só que no momento eu só suspiro. Eu ouço palavras que afagam meu coração. Agora, estas palavras são verdadeiras? Difícil acreditar.

Bom, divaguei um pouco de mim, mas voltando: O amor anda em extinção e o principal motivo é a evolução natural da sociedade!
Ou seja: a individualidade, o egoísmo, o ‘cada um por si”(longe do um por todos e todos por um) e o autoconhecimento são os “bambambam” de uma meta de vida que alegam ser a mais correta. Babaus, portanto para a “Cara-metade”, “felizes para sempre” e “almas gêmeas”. O negócio é: “almas bivetelinas” amigos!
Enterrem, de vez, o Complexo Cinderela na qual o parceiro é o responsável pela felicidade da parceira. Ninguém pode ser responsável pela felicidade de ninguém. Pegue, abrace, beije muito; mas não se apegue pois o tombo vai ser grande!
E para estes especialistas em relacionamentos humanos, como Regina Vaz, autora do livro A Cama na Varanda; o romantismo nada mais é do que um conjunto de expectativas e ideais que regem as mentalidades, a maneira de pensar, de viver.
É uma coisa muito mentirosa porque te leva a criar expectativas de ações, fidelidade e felicidade que não correspondem à realidade.
Já o psiquiatra e escritor Flávio Gikovate esclarece que ao invés da fusão de um casal surge a concepção de que somos unidades, e isto condiz em alegria, pois estamos mais perto da verdade.
Abaixo deste contêiner de água fria nos meus romantismos, eles ainda acreditam que esta nova concepção de amar as pessoas aconteça com mais liberdade e sinceridade(disto eu acho ferramenta chave num relacionamento).
Sem juízos, cobranças, desespero e dor. Não significa o fim das flores, dos buquês imantados de paixão e cartas dos mais ardentes poetas.
Isto continua, mas com este plus a mais e mais um detalhe pra terminar este post da semana: Em nada disto vai tirar, neste fim de semana, as famosas filas nos motéis e os restaurantes lotados pela cidade. No fundo no fundo resistimos a mudança. Mas que ela existe isto é fato. Os protagonistas de cenas românticas serão, portanto, nos próximos dias, o auge do símbolo de que o amor resiste, muda, contorna e se molda. Uauuuu!
* Foto de 1994

segunda-feira, junho 07, 2010

Tempo, palavras e arrependimentos


A vida é uma surpresa! Baseado nesta frase que venho hoje comentar sobre isto. Não tem aquele ditado: “O mundo dá muitas voltas”? E dá mesmo. Algumas atitudes de frieza, egoísmo, ou mesmo infantilidade pode, por diversas vezes, ter confundindo corações tão injustiçados. Não falo somente de amor; falo da amizade também. Um dia passei por isto(aliás, todo mundo já passou) e para a minha alegria, a semana que passou recebi um sinal de afeto, admiração e o principal, senti o arrependimento - com o reconhecimento de erros - de um conhecido meu. Foram palavras escritas(ou digitadas?) onde me levaram a lágrimas. Amei.
Nele vi(e me alivei) o quanto ele me admira, como ser humano, enfim, como mãe. Valeu! Guardei na memória do coração aqueles dizeres. Bastou somente a mim ler e saber da sua humildade. Nesta minha vida já deparei com pessoas que erraram e que se mostraram arrependidas, com os seus erros que tanto magoaram ao próximo. No entanto, mais tarde, percebi que estas pessoas, ao longo da empreitada, reconheceram que não são perfeitos – óbvio, não provemos de qualidades - porém, com o arrependimento tornaram-se mais amáveis, mais humildes e infinitamente mais espiritualizadas. Coisa boa o tempo e a distância fazer destes seres mais humanos. Errado é não reconhecer. E deste amigo senti o carinho de longe. Valeeeeu!!!

* "Até a cor do arrependimento desbota com o tempo." (Carlos Drummond de Andrade)

quarta-feira, junho 02, 2010

Turma boa!

Fim de semana colorido.
Estas cores eram o amor, as crianças, reencontro de velhos amigos(de décadas inclusive), música boa - com repertório da melhor qualidade - e feijoada! Quer mais? Tinha! A sensação de paz... Vê se não tem coisa melhor que sair da cidade para sentir cheiro de mato, de terra molhada... enfim, de natureza!
E teve roda de samba também! Até tocar pandeiro fiz. Quanto tempo não fazia. Foi um bálsamo de alegria e paz!
Cá entre nós: Sítio, natureza, ar puro, nada de urbanidade ou código de barras, canto e encantos...
Valeu.
Eu precisava sair de cena. E levei comigo pessoas queridas e as crianças que tanto amo(irmãos do meu filho e o primo dele). Desculpem, mas isto que eu chamo de: TURMA BOA!
E para a minha surpresa, o amigo Aquino fez uma homenagem aos anfitriões do sítio: Janaína e Xexeu. Divido aqui, com vocês o relato grandioso do amigo Aquino:

“Pedacinho do Céu”


Dizem que o Céu tem as cores da nossa imaginação. Fechem os olhos por agora. Vou lhes falar de um pedacinho que bem poderia se chamar “Pedacinho do Céu”, como naquela música. E um Céu de verdade precisa ter muito espaço, muito verde. Porque nós, criaturas terrenas, vivemos oprimidos pelos exíguos espaços, físicos e d’alma, principalmente.
E como os Céus são a realização das utopias humanas, eles não têm limites. Pois deste Céu que lhes falo, chamado “Pedacinho do Céu”, há uma generosidade de espaço e de verde. À noite, ao se levantar a cabeça, tem-se a impressão de que se pode tocar o firmamento. É só erguer os braços. As estrelas ali descem. Cintilam bem em cima de nossas cabeças. Pode-se sentir a luz de seus brilhos.
Mas um Céu, para ser um Céu de verdade, precisa de um lago. Não um lago qualquer. Ele tem de ter trapiche, para que avancemos sobre a água. Tem de ter peixinhos. Visíveis sob uma água cristalina. Na sua margem sinuosa, um gramado verde, com patos e gansos passeando insolentes. Um vento manso e constante encrespa as águas, fazendo marolas que viajam de um lado ao outro. Se lhe sobrar tempo e ousadia, tire os calçados e afunde os pés nessas águas.
Mas um Céu, para ser um Céu de verdade, pede paz. E esse lugar de que lhes falo exala um bálsamo acolhedor. Como se qualquer um daqueles cantos fosse um pequeno altar. Pode ser diante de um enorme caldeirão de ferro, desses que a infância nos mostrou como sendo de bruxas, solto ao acaso em meio à grama verde. No seu interior, em vez de poções mágicas, flores coloridas. Ali pode ser um altar. Há também uma frondosa figueira. Ponha-se debaixo dela e deixe-se ser absorvido por sua energia. Um altar perfeito.
Mas um Céu, para ser um Céu de verdade, precisa de animais. E não precisa de muitos. Imagine um cachorro de grande porte. O seu tamanho exagerado, porém, em vez de assustar, transmite ternura. Até o mais medroso entre os medrosos vai lhe estender a mão, de imediato. Sente-se na grama ao lado dele. Em silêncio, que é o idioma das almas. Não busque explicação nos ruídos. O silêncio é que carrega as mensagens mais profundas. E esse grande cão mexe-se vagarosamente, silente. Não o silêncio sorrateiro dos falsos, mas o vagar da sabedoria, que a pressa não produz coisas duradouras.
Mas um Céu, para ser um Céu de verdade, precisa de gente. Imagine então um amplo espaço, uma grande sala, com jeito de cozinha, com jeito de sala de jantar, com jeito desses lugares em que se pode se esparramar em qualquer canto. Mais ao fundo, à direita de quem entra, uma cozinha. Jogue no ar um aroma de comida caseira. Pode ser uma feijoada. Barulho de copos, de talheres. Burburinho de casa com gente feliz. Ponha nessa grande sala várias mesas. Ao redor delas, amigos. Uma grande ceia. Ali, há os que vemos e os que não vemos. E todos comungam do alimento, energia da matéria. Comungam do canto, energia d’alma. Em dado momento, se abraçam, choram, falam das saudades, cantam, driblam as ausências que lhes cutucam a coração.
Eis aí um Céu de verdade, um “Pedacinho do Céu”.
Nela, moram Xexéu e Janaína. E nem são figuras mitológicas. São de carne e osso. E de grande coração. E de boas almas. São eles os responsáveis por este céu. Uma singela mostra de que os céus, mais do que de cores da imaginação, são feitos de gestos.
Luiz Fernando Aquino, 30 de maio de 2010, um dia depois de uma esplendorosa feijoada na casa de Xexéu e Janaina

LUIZ FERNANDO AQUINO
FocoNews - Editor