segunda-feira, novembro 30, 2009

Mais descobertas e travessuras do João Vicente


Vou seguir as dicas da minha irmã. Fazer um livro de tudo que já escrevi sobre o meu pequeno João Vicente para um dia ler e rir de suas primeiras descobertas!
Que ele é um artista todos já sabem.
- “Se for ralhado por algo errado que fez, inesperadamente bate a “dor de coolbeça”, a “febe”, dor na boca, “ai minha bunda” e mais outros que inventa tudo isto seguido de um único discurso: “ – vovó braba”... Vovó, mamãe, vovô, tia Ivana...todo mundo “brabo”. Tudo para não levar o sermão.
Estratégias inteligentes....
- Novidades sempre surgem. Está com a mania de sumir com os objetos da casa. E quando indagamos onde estão eles, rapidamente fala: “DOIS GATO MAMÃE”!!!
Sim ‘dois gato’ comeram o sapato, a escova, a caneta e por aí vai... Antes, era o “o-gato-comeu”; agora são dois!!!
- Arremesso de roupas, canetas e calçados janela afora. Sim! Adora atirar tudo que vê pelas janelas da casa.
- Foi exatamente neste sábado(28/11) que passou, que o João Vicente aprendeu de vez, a usar chinelos de dedos. Olha, levou muito tempo para ele aceitar. Não entendia como aquela borracha ficava entre os seus dedinhos. Sempre se negou a usar! Agora anda pela casa todo exibido de chinelos, e... havaianas!!!!
- Contemplar os felinos que freqüentam o pátio da casa já virou uma tarefa do turno da manhã. Só vai conferir os gatos no quintal se for acompanhado de sua avó Vera. Ambos, munidos de vassouras e bolachas rsrs Ao mesmo tempo em que querem afugentar os gatos com ‘Sai gato” na vassoura; João Vicente quer, também, alimentar. Haja teorias...
Ontem(29/11) experimentou, pela primeira vez, um belo banho de mangueira! Enquanto eu lavava o carro num sol de 33C° na moleira, meu pequeno tentava parar a mangueira de sair água com sua própria mãozinha. Não preciso dizer que os espirros aquáticos eram para todos os lados. Largava tudo e disparava numa corrida frenética, tipo ‘volta olímpica’ na grama de casa! Faceiro, peladinho e risonho! Ele e o primo Mateus! Ambos festejando o banho de mangueira que simulava uma deliciosa chuva!
Palavras são apenas fragmentos de imagens que guardarei lá no meu coração. É por estas e outras do meu filho que digo o quão sou feliz!

PS: Esta foto montagem é em homenagem ao meu O Pequeno Príncipe! O tema do seu próximo aniversário. Em preto e branco é o ator do clássico e nas outras fotos...rsrs meu pingo lindo!

quarta-feira, novembro 25, 2009

Minhas palavras estão evoluindo para o silêncio


“Minhas palavras estão evoluindo para o silêncio”. Mais uma vez Fabrício Carpinejar falou por mim. Acho que voltarei a sobrevoar com meu satélite abduzido por um longo tempo, sem aterrizar. Depois de ontem e de hoje sinto que devo, sim, manter-me na conchinha! Tá aí! Vem dezembro, férias, aquela viagem esperada. Pois a safenada aqui, tá precisando de um colo, de uns mimos, de rosas, de proteção e muitos carinhos! Quem pode fazer isto? Meu filho, somente. Pois no momento, algo que foi acenado com o tempo deu sinais de ser passageiro justamente por acreditar que o verbo e o tato não pertencem aos contos românticos. Existe algo muito mais sincero do que eu poderia entender. O lado bom foi a alegria que deu sinais a mim quando descobri em minhas próprias pegadas, que eu era livre não só pelas razões mas pelos sentimentos de um passado pesado de mágoas e decepções! Sim! Sou livre! E eu me apeguei a toda esta força... Valeu por tudo...

terça-feira, novembro 24, 2009

Exemplo de beleza e cidadania



Há tempos que tenho vontade de falar sobre ela. Brigitte Bardot. Foi símbolo sexual dos anos 60 e 70 - para mim uma diva! Completa! Estes tempos recebi um e-mail que contava, em parcas palavras, a trajetória dela. Eu a olhava e pensava: “- Como era linda”.
Eu me inspiro nela pelos seus cortes e penteados de cabelo. Aí podem pensar: “ ah, mas ela tá uma velha!”
Aí digo. Ela é a única atriz de cinema que nunca correu atrás dos bisturis; nunca lutou contra o tempo. E isto eu não chamo de desleixo; eu chamo de autenticidade. Uma mulher que assumiu cada ruga do seu rosto, assim como assumiu os seus amores e desamores. Envelheceu com dignidade ocupando seu tempo com causas nobres como em prol dos animais. Brigitte...é tudo!
Abaixo um pouco do que li sobre ela:
Chamada pela mídia sensacionalista de 'devoradora de homens' pela rapidez com que terminava seus relacionamentos e pela quantidade deles, Brigitte Bardot teve quatro casamentos: o primeiro aos dezoito anos com Roger Vadim, o cineasta que a descobriu e lançou ao estrelado. Vadim, um descobridor de talentos femininos e mulheres bonitas, também foi casado com Jane Fonda e Catherine Deneuve. O segundo, em 1959, com o ator Jacques Charrier, do qual teve seu único filho, Nicolas-Jacques Charrier. O terceiro, entre 1966 e 1969, com o playboy e multimilionário alemão Gunter Sachs. O quarto e último foi em 1992, aos 58 anos, com Bernard d'Ormale, ex-conselheiro do político francês Jean-Marie Le Pen e que perdura até hoje.”



Hoje me acordei com cara de tamanca. Pela sei lá que ranking eu já me encontro estou, novamente, (alouu! Imunidade, acorda por favor!) gripada. Por tabela, João Vicente meu anjo dourado, também, todo ranhento. Não sei se foi por sábado ter ido a praça e pego o famoso ‘vento atravessado’ para quem estava suado de tanto gladiar e brincar com seu amigo Boo ou se foi porque era para pegar mesmo. Porque é impossível descobrir qual da “coahb de vírus da gripe” se alojou na gente. O negócio é repouso... E o trabalho? E o filho? Impossível repousar. Para reverter a cara de tamanca da semana, vou adotar os famosos cremes infantis e também as pomadinhas para outras utilidades. Para hidratar o lábio – li estes dias – nada melhor que passar bepantol antes de dormir. Acorda com a boca perfeita sem ficar ressecada. As olheiras, para as mais engajadas em truques de maquiagens, estas já sabem – vou passar aquela pomadinha para hemorróida(sim, para hemorróida!). É um verdadeiro milagre santificado na aparência saudável. Ando inspirada também em manter o look “Anos 60” nos penteados! Atualizei minhas madeixas em reflexos dourados pois aquele cabelo estilo surfista escrachada tava o “ó-do-borogodó”! Fiz, neste fim de semana que passou, um corte mais em camadas o que dá para jogar em coques e penteados temáticos, Corretivos, pós, delineadores, um blush pra dar o ar de saúde e um batonzinho cor de boca. Deu. Torcida enganada! Agora é esperar este vírus sair de mim. Chazinho, cama...faltava um cafuné. Ah! Sim! Tenho do meu filho que do nada, ultimamente, olha para mim num sorriso e diz: “ – Te amooo!”!

Dieta já!


Tá indo. Amanhã uma semana já de dieta. Espero ter palavra em cumprir algo que é cheio de regras e exceções! Regimão. Cortei todos os prazeres adocicados na semana. Nem refrigerantes. Aff! Que loucura. Tenho bebido água mesmo sem vontade! E confesso, tem me feito um bem enorme! Em breve vou relatar esta minha batalha contra a balança!

sexta-feira, novembro 20, 2009

Bem me quer....

Tenho algumas amigas engraçadas. Cada um com seu psique, com seu autimsmo contemporâneo. E o interessante que conheço uma(e este post é para ela) que vive encafifada com os relacionamentos cômicos, estranhos e doidos que já vivenciou. E ela vive se questionado. Acho que o travesseiro dela deve cheirar a encéfalos queimados; de tanto que pensa. Busca, alucinadamente entender o universo masculino. Já leu, já viveu, já degustou, já beijou a lona e já se revoltou com suas experiências. E em nada ela busca a resposta exata... Vive se perguntando o porquê o mundo é redondo. Aliás, esta gaja faz trabalhos voluntários em prol da natureza. Recicla tudo; menos o seu passado. Eu não sou uma exemplar ‘persona’ no quesito amor para lhe ensinar; porém aprendi um pouco com o universo masculino.
Um pouco; não tudo.
Os homens tem uma essência básica: não gostou; puxa mesmo. Puxa a oculta carta na manga. Homens não dão ponto sem nó; mulheres enchem de nó um só ponto. Mulheres casam achando que vão mudar o marido; já os homens casam achando que a mulher não vai mudar... E mudamos rsrs
Esta praticidade deles aparentemente fria fez com que eu perdesse um pouco aquela nuance cor-de-rosa que enxergava da Vida. Vez que outra é bom ser turva e misteriosa nas relações. Abrir o jogo é como se disser o final de um filme ainda não visto. Na real, o jogo nunca poderá, por total, ser aberto. E é a isto que garimpo com ela. Um pouco de sal no doce e um pouco de açúcar no salgado!
Ela se questiona tanto que até eu me infecto com ela. Volte e meio saio de nossas perguntando coisas insondáveis. Se ela falasse com Freud, este provavelmente botaria fogo no divã dele.
Tem coisas que negamos pra si; já tem outras que criamos em nossos próprios fantasmas. Tudo para não enxergar que a realidade, o juiz de tudo, está dentro de nós. Libertemos das neuras adiposas, das neuras do passado. E isto que falo a ela. Temos que ser simples e diretas também. Sem, lógico, assustar. Temos que desencanar com pecuinhas que, nós mulheres, inventamos de buscar origem e solução. Usemos, portanto a lógica, o estalar dos dedos, o sorriso no rosto, o humor negro(isto é fato, faz bem vez que outra ser sarcástica) e também a serenidade de que lá adiante; o próximo, será bem melhor! A esta amiga eu peço apenas que sorria para a vida. Tanta gente casada que arrota uma felicidade tão escusa e falsa, gente que se esconde atrás de uma tela apenas para desafogar os entulhos de uma relação supostamente desgastada. O risco que se corre é ser divã virtual destes seres que perambulam em sites de relacionamentos. Eu já a alertei sobre isto. Aí que tá o risco. Bom mesmo é ser molecona, mostrar que é fêmea quando tem que ser, cidadã integral, mãe de todas as horas com todas as bençãos e, principalmente ser humana com os sentimentos mais nobres que possamos usufruir para quem nos faz o bem. Não entendeu? Repito: Digo a ela para Lapidar os sentimentos a quem nos mereça e não a quem nos intriga e nos desgasta. Bem vinda a vida amiga! Viva, esqueça estas perguntas... arregaça aquela manga,sabe? Talvez tu achas algo melhor ainda!
Faça como eles; puxe o zíper e saia fora. Tem coisas muito mágicas do que ficar a catar-caçar interrogações na solidão! Acenda aquela luz que tem dentro de ti e dance! Cante! Viva! Viva! Apenas, viva... É tudo que te peço.
Lembre-se de sua infância: Bem me quer; mal me quer! rsrs

Tereza Cristina, célebre interprete de grandes sambas de raiz diz isto(Aliás, uma boa dica terapêutica e musical ouvir e procurar ter este mp3 cantarolando em nossos ouvidos):


“Eu não troco, não vendo, não empresto nem dou
A paz no coração pelas juras de amor
Quem quiser meu carinho
Terá que provar, amor, provar
Em aventura, benzinho
Eu não vou me arriscar
Só atraco meu barco em porto seguro
Em canoa furada não vou no escuro
Aos meus dezoito anos
Vivi trinta e seis
Chorei, chore
No oceano da vida quase naufraguei
Eu não troco, eu não vendo ....”

O lado musical do meu filho

Música é terapia isto, todos sabemos. E a importância da música no meu dia-a-dia é excepcional! Vivo, respiro música o tempo todo. Não pensem, não, que vivo somente de um gênero musical. Errado. Curto de tudo um pouco. Só confesso que tenho pavor de rock pesado e funk. Do resto ouço numa boa. E, o que não é novidade para ninguém; sobre a minha pessoa; é esta minha essência melódica pelo samba de raiz. Acho que de tanto escutar e de tocar caiu como uma luva aquele ditado:
‘ A fruta nunca cai longe do pé’. Refiro-me ao meu filho, João Vicente. Este não pode ver um instrumento musical que corre para tocar e curtir o barulhinho bom. Estes tempos foi assim. Viu um mar de tambores no salão e não pensou duas vezes em correr para apreciar. Orquestrou do seu jeito e na sua linguagem bons momentos de satisfação pessoal. E, quando o vejo assim, deduzo lembrando da minha gravidez. Toquei muito em rodas de samba e talvez, lá no ínterim, junto com a sinfonia de meu corpo ele cristalizou uma Sapucaí cheia de melodias que pertencem somente ao seu mundinho!

Surf no Dilúvio de Porto Alegre

Olha, não tem coisa mais insolente que perambular pela casa e apertar o botão dos eletroeletrônicos ou eletrodomésticos e não funcionar. De querer ver algo, de ouvir, de acender e não poder. Falo da falta de luz que assolou o cotidiano de muita gente, como a minha família. Falo do apagão que este temporal causou desde ontem(19/11), em Porto Alegre. Aquecimento global, ciclone sei lá o que foi... mas causou mortes, transtornos nas vias e muitos estragos como destelhamento de casas e árvores caídas. No entanto., o que chamou a minha atenção, hoje, nos jornais do país foi destes gaúchos aí: Ricardo Dullius, Nelson Pinto e Juliano Didonet. As pinta surfaram literalmente no Arroio Dilúvio de Porto Alegre. A água mais podre que já vi na minha vida...
E porque a loucura?
Pra tudo tem um enredo por trás. A loucura ‘aquática-gosmenta’ veio de um propósito publicitário – inclusive já está a venda camisetas ‘Surf no Dilúvio”. Olha, na minha opinião, uns baita corajosos. Segundo eles tão tomando banho com saponáceo, sarnacocen(Ai! Sei lá os nomes) entre outros e até tomaram vermífugos! Co-ra-gem!
Deviam estar previamente antecipados, as consultas dermatológicas e avaliações com especialistas em infectologia para desbravar este mar de bactérias e orgias químicas. Haja coragem. Mas deu certo! Viraram capa de vários jornais!

quinta-feira, novembro 19, 2009

Gororóba Climática

Fazer a malinha da escola do meu filho tem sido um jogo de opções. Roupas para o frio e roupas para o calor.
Não existe mais estação.
Nosso Estado virou uma gororoba climática. Fiquei espantada, hoje, logo após o meio-dia o cenário assombrador que ficou o céu de Porto Alegre. Estava em meu trabalho e, repentinamente tudo ficou escuro. Estouros de geradores, raios, ventos era um caos literalmente.
O que sobrou depois desta mudança climática repentina?
Vários estragos na cidade...
Já soube que não há luz em minha casa. Que desafio para o meu pimpolho João Vicente que adora uma casa iluminada; ainda mais que a vovó já se adiantou em decorar a casa com detalhes natalinos. Fica aqui o registro desta seqüela da natureza devido ao aquecimento Global! Estamos colhendo o que plantamos... Este alerta vem de décadas...

terça-feira, novembro 17, 2009

Coisas sem respostas...


"Ela acreditava em anjos e, porque acreditava, eles existiam." Clarice Lispector
Clarice disse tudo nesta frase. Basta acreditar! E existem mesmo. Há momentos em nossas vidas que buscamos resposta e parece que nada explica ou justifica o que estamos passando e sentindo. Porém, o mais hilário sou eu vendo e reavaliando esta foto. Este registro foi de um momento sambístico. Foto de três anos de história. Loucura sou eu a olhar para este retrato e pensar, hoje, que a vida é surpreendente mágica e misteriosa. Dá vontade de falar tudo neste blog, mas não posso - devo puxar meus freios verbais. Senão faria uma declaração ao mundo! Criei, por exemplo, este blog para falar de tudo que já passei e vivi. É uma espécie de “divã-blogueiro”. Aqui, assumi meus erros, meus impulsos negativos e minha fraquezas; como também vibrei com minhas conquistas, sorri pelo nascimento do meu filho e já relatei muitos fatos engraçados que já vivi. No entanto, no início deste ano apresentei uma certa estafa de tudo que me cercava. Procurei alternativas no setor administrativo de minha vida, supliquei a “extrema unção” de um passado que me cercava, fiz promessas, e cumpri dificuldades que achava que não conseguiria. Assumi a responsabilidade de meus atos e isto me ajudou, e muito. E então, algo do nada surgiu. Não só com gestos, mas com as palavras exatas e os questionamentos interiores certeiros. Há poucos dias não faço isto sozinha. Divido com alguém. E este alguém veio de uma sabedoria e de um modo tão sorrateiro que resgatou de mim algo que já havia adormecido há muito tempo: paz, esperança...serenidade. De braços abertos sorvi com a alma e o coração. Sou do verbo, sou romântica e graças a Deus, sou realista. Eu sei onde piso. Já falei e repito: A gente só tem esta vida para dizer o que sentimos. E é isto que faço! Se sinto; falo! Qual o vergonhoso se declarar e dizer que se apegou? A outra parte desta história quem decide é Deus! Eu sou, e quero mais! Sou feliz e busco lapidar mais ainda a minha felicidade! Estou ouvindo o meu coração ajuizar o que é melhor para mim. Chega de ser safenada! Estou assumindo meus medos, meus fantasmas e valorizando mais ainda meus sentimentos e princípios. Não interessa o quesito de é amor, amizade, parceria! O que importa foi o carinho e a confiança. Isto eu jamais vou esquecer. E termino com esta comentário de Zíbia Gasparetto:
“Se você que ser feliz, mande embora seu "severo juiz", ouça seu coração. Valorize o que sente e seja uma pessoa verdadeira. Assuma seus sentimentos. Só diga sim depois de sentir o que realmente quer. Não tenha receio de dizer não. Viver uma verdadeira experiência amorosa é um dos maiores prazeres da vida. Gostar é sentir com a alma, mas expressar os sentimentos depende das idéias de cada um. Condicionamos o amor às nossas necessidades neuróticas e acabamos com ele. Vivemos uma vida tentando fazer com que os outros se responsabilizem pelas nossas necessidades
enquanto nós nos abandonamos irresponsavelmente.Queremos ser amados e não nos amamos, queremos ser compreendidos e não nos compreendemos, queremos o apoio dos outros e damos o nosso a eles. Quando nos abandonamos, queremos achar alguém que venha a preencher o buraco que nós cavamos. A insatisfação, o vazio interior se transformam na busca contínua de novos relacionamentos, cujos resultados frustrantes se repetirão. Cada um é o único responsável pelas suas próprias necessidades. Só quem se ama pode encontrar em sua vida Um Amor de Verdadeiro o que deve fazer. Confie em seus critérios. Você pode!
Experimente.”
Eu estou experimentando!

segunda-feira, novembro 09, 2009

Invertendo os papéis


Sabe aqueles dizeres que falam que temos muito em aprender com nossos filhos?
Pois então!

Meu filho tem me dado cada momento nestas andanças que me pergunto:
- Em que mundo estou!?!
E o João Vicente está sempre me surpreendendo. Louco de esperto dá sempre o seu show! Se faz algo errado já puxo para a conversa e digo, questiono que ele errou. Tipo:

" - Tu sabe que errastes, né?:"
Ele entende como uma luva o meu diálogo. No entanto, antes de pedir 'desculpas", se atira no chão; ou mesmo coloca a mão na cabeça alegando-dizendo:
" - Dor de coolbeça";

Ou melhor, coloca a sua mãozinha no testa e larga:
' - Ai mãe, febe! Febe! Emédio. Emédio"
Tudo para desviar sua conduta errada. Estes são um dos exemplos. Mas a última dele foi a de ontem.
Já onze e meia da noite passada, todo mundo dormindo na casa e o "sr. Jotavê" acordado. Quarto escuro, abajour ligado com lâmpada bem fraquinha, o dvd portátil dele com som baixinho, ao lado da cama e ele ali, um corujão atento. Já eu, exausta do dia, com uma dor de cabeça terrível me virei para ele, de olhos fechados e supliquei:
"- Pelo amor de Deus João Vicente, vamos dormir!"
E nada...

Então, com a falência de minhas forças maternas, fui desabando naquele ambiente preferido de nossas casas - que é o nosso quarto - e fui relaxando e relaxando quando, do nada, uma surpresa. Ouvi a vozinha dele bem baixinha, susurrando e dizendo:
"- Dorme mamãe! Dormiiii mamãeee!"; soava o meu baixinho.
Num momento quase "alfa" de sono, com aquela vozinha, estava praticamendo entrando na fenda de meus sonhos se não fosse o objeto sendo colocado em minha boca.

Na minha boca?

Sim!

Na minha boca...
Meu filho enquanto falava "dormii mamãe, dorme" me colocava, na boca, uma das suas várias chupetas.
Gente, eu hoje lembro e tenho que rir!!!!
Os papéis foram invertidos literalmente!!!

Ele que me fez dormir e não eu!?!
Depois desta?

Desabei no sono mesmo! Tenho um anjinho da guarda pra lá de especial!

Filhos... sempre nos surpreendendo

sexta-feira, novembro 06, 2009

Não tenho mais estrutura...

Se tem uma coisa que me deixa muito mal, nos noticiários de hoje em dia é ver matérias que abordam crianças. Definitivamente não tenho mais estrutura emocional para ver esse tipo de assunto. Estes tempos, no programa Repórter Record (http://www.r7.com.br/) as equipes de jornalismo abordaram o tema sobre Crianças Desaparecidas. E foram tantos relatos que assisti em que, todos, me deixaram chocada e impressionada. Praticamente perdi o sono naquela noite. Quase não dormi. Fiquei pensando como existem pessoas más neste mundo e, infelizmente, o alvo delas são as crianças. A maioria dos casos, o sumiço da criança foi de forma irônica: sempre há metros de casa; há metros das escolas. Crianças que voltavam do colégio ou mesmo esperavam o ônibus chegar. A outros exemplos, casos de motivo passional, de seqüestro, vingança...tudo... E a maioria dos casos, até hoje, sem solução. Crianças que hoje, se estiverem vivas, estão com 20, 30, 40 anos... Ver o relato e a dor daquelas mães nas entrevistas foi algo pior que tortura física e espiritual para mim. Não sei se é porque hoje sou mãe e tenho um pingo loiro lindo que é tudo para mim nesta vida ou se ando sensível demais que acabei me arrasando. Acho que tá na hora de filtrar as coisas que leio, assisto e ouço. Gosto muito de noticiários, jornais e muitos e muitos documentários... Porém, tá na hora de pensar em mim. Eu me abalo, não tem jeito. Outro exemplo foi o caso Isabella Nardoni, as gêmeas siamesas nigerianas que morreram na cirurgia para tentar separá-las. Tudo me arrasou. Tá na hora de ver cores, de ver filmes de histórias da amor, comédia enfim, de colher o que é melhor para mim. O mundo tá muito cruel e devemos administrar o que o dia-a-dia nos oferece e julgar o que é melhor para nós. É muita loucura. E hoje, sou muito mais manteiga derretida que antigamente.

quinta-feira, novembro 05, 2009

Quem são eles?



Tenho me espantado com a quantidade de autores e escritores que são anônimos com seus blogs na Era Internet! Gente! Cada poesia cada aprofundamento num sentimento que fico embasbacada. E são gente com a gente... todo mundo com suas chagas afetivas, com suas revoltas trabalhistas ou com aquele salgado humor negro! Fabrício Carpinejar que soube, com suas sábias palavras, definir:
" É mais difícil morrer anônimo com a internet."

O hoje

Já passei muito tempo me perguntando o porquê certas coisas aconteceram comigo nos últimos anos. Fatos que me fizeram crescer embora tenham me marcado. Isto me deixou tão angustiada. Muitas indagações e muitas vezes nenhuma resposta.
Aí pensamos:
“- Simples! Bem-vinda à vida!
E esta semana, novamente(definitivamente) fui incisiva; categórica de quem sabe o que fez. É bom ter a sensação de fortaleza! Eu estou assim. Minha auto-estima saiu da UTI e tenho prevalecido desta arma para enfrentar meus fantasmas. Já espantei tantos...
E, nesta atribulações de sentimentos, decisões e loucuras(que não convém falar) alguém me perguntou:
“ – Fabi, você pretende morar só tu e teu filho?”
Aquilo despertou como um sino. Alguém questionou o que quero do meu futuro. Mesmo me deixando surpresa com a interrogação fui rápida na resposta:
“ – Com certeza, eu, meu filho e alguém que nos ame muito!”
Cá entre nós, não existe mulher deste universo que diga: “Eu quero viver sozinhaaa”
Ter alguém ao lado que te ame, que te respeite e zele por ti é de suma importância. Já disse e repito há muito tempo: Estou cansada se ser super heroína, Joana Dark, Chiquinha Gonzaga ou Anita Garibalde. Quero flutuar um pouco. Quem sabe ser princesa? Até soa engraçado. Esta pessoa, na qual conversava aproveitou o que respondia e disse:
“ – Você acredita em príncipes encantados?’
Era mais fácil eu responder que não. Pois tem muito território ai cheio de sapos e eu a própria anfíbia! Então, em minha filosofada argumentei que estava generalizando falando em príncipes. O príncipe que explicava é daquele que Roberto Carlos canta:
“ Aquele que ainda manda flores, aquele amante apaixonado... que curte fantasia dos romances e fica olhando o céu de ... sonhando, abraçando a namorada. Eu sou do tipo de certas coisas, que já não são comuns nos dias de hoje; As cartas de amor, o beijo na mão muitas manchas de batom, daquele amasso no portão; apesar de todo o progresso, conceitos e padrões atuais; sou do tipo que na verdade sofre por amor e ainda chora de saudades; PORQUE SOU AQUELE AMANTE A MODA ANTIGA DO TIPO QUE AINDA...MANDA FLORES!”
Este sim seria o ideal.
Tá! Deixa eu sonhar?
Foi partindo disto que concluo: “Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco.”
Não há uma explicação; há um objetivo(futuro), uma força(o presente) e a vontade(na benção de Deus) que faz com que nosso cenário seja mais digno de sorrisos e realizações!
Eu busco mais e mais a minha felicidade... Sempre...

quarta-feira, novembro 04, 2009

Bagagens da Vida...

Coração tem que estar aberto e a alma tem que fluir. É disto que ando comemorando! Saber e aprender a viver melhor! Isto tem me dado novos horizontes tão agraciados pelo momento que ando comemorando. Problemas no meio de meu caminho, imprevistos, saber enterrar um adeus, todo mundo tem – e eu sei que passei por isto. No entanto, o que falo aqui, é o do novo! Sim! O do novo! Se permitir ao novo que acena! Estou serena disto e feliz. O que converso com esta pessoa que conheci é que alçar na idade que chegamos(a casa dos 30) e dizer que não existiu um passado na vida da gente, seria uma grande inocência, não acham?
Sim. Correto. Ninguém chega a nossa idade sem nenhuma carga por trás de amores inesquecíveis, de amores mal sucedidos ou mesmo, uma insatisfação pessoal interior de achar que a perfeição existe.
Então, partindo desta bagagem de experiências que muitas pessoas andam buscando unir suas forças, juntar suas experiências que a vida é uma só e não há o porque perder tempo em florear Freud, por exemplo!!
Isto é bárbaro! Tenho visto tantos corações frustrados, insatisfeitos e, também, machucados. Uns de comover... mas fazer o quê? Bem vindos a Vida! Do resto, estou amando olhar, falar... Deus sabe o caminho....

terça-feira, novembro 03, 2009

Existo; insisto! Humpf...



Penso, logo existo. No meu caso, penso; logo insisto! Pombas! Que diacho que insisto em insistir, em acreditar, em voar em sonhos que já não são mais sonhos, muito menos utopia! Curtir o momento? E eu tenho cara de ser borboleta com 24 horas de vida? Sim, as borboletas vivem 24 horas. Eu sou gente, meu time tem pressa, minha alma pede paz e eu vivo o hoje, pensando sempre no bem-estar do meu filho e de minha vida!
Quero dividir meus momentos com alguém não, somente, de verdade; mas com alguém que queira a verdade acima de tudo!
Tá aí a diferença! Pra mim chega? Não sei... não entendo este meu existo-insisto. Estou tão brava hoje...

Os sábios em esquecimento

Não é de agora que as pesquisas apontam um crescente percentual no aumento de idosos em diversas nações do mundo inteiro. Este rápido envelhecimento da população é a mais nova cara do planeta. E mesmo assim, com tanta relevância na terceira idade, ainda encontramos o déficit na valorização e nos direitos humanos dos idosos como previdência, saúde, direito a cultura e lazer. A longevidade humana certamente é o grande conquista do homem porém as falhas apontam fatos preocupantes neste diagnóstico do envelhecimento.
Bernard Shaw foi célebre em sua frase: “ O maior pecado contra nossos semelhantes não é o de odiá-los, mas de ser indiferentes para com eles”. Esta indiferença social engloba as páginas dos jornais e de vários veículos de comunicação em que abordam, relatam e divulgam o descaso com o idoso. São vários casos de abandono e maus tratos. A delegacia do Idoso é um destes órgãos que contam fatos assombrosos do descaso humano e, muitas vezes, envolvendo integrantes da próprio meio familiar do idoso. São inúmeras denúncias de abusos e lesões corporais. A palavra ‘respeito’ é sempre o sentimento de esquecimento quando se trata deste assunto. Até porque “idoso” reporta a isto: invalidez, problemas e doenças. É disto que faz lembrar a terceira idade. E quando se fala de maus tratos sabemos que não só nos referimos à violência física, mas sim, à violência oculta. A violência do descaso da que martiriza também na abalo psicológico do idoso. E é daí que brota a negligência e a omissão a estes cidadãos tão frágeis. A memória e a ética da sociedade está totalmente distorcida. Esquece-se que todos nós envelhecemos a cada dia.
Lamentamos que, hoje em dia, a sociedade não está preparada para esta realidade. Isto é fato. Hoje se vive mais porém, sem a qualidade exata de vida. Falta qualidade; falta respeito. Isto tem que vir do berço, ensinar desde cedo o respeito ao idoso e saber que, também, um dia, seremos um deles. Vivemos numa sociedade que vibra o estopim de uma juventude. A sociedade do novo e do moderno. Do digital; da informatização. E esquecem que aquela sabedoria dos nossos mestres, ou seja, dos nossos velhinhos, mostram, a cada ruga adquirida a vivência de um modo ‘artesanal’ de que a vida é feita de coisas simples. Temos direito a isto. Ninguém é lixo. E o que se vê são lixeiras da terceira idade. Isto é lamentável. Por mais leis que se criem falta a fiscalização! Falta a cobrança que estes senhores da sabedoria tem direitos e eles devem ser cumpridos. De nada adianta existir o Estatuto do Direito do Idoso se, na atualidade, não há prática! Alternativas existem, basta exercê-las! Envelhecimento é um fato mundial.

E eu... eu quero ser feliz para sempre com este lindo casal de velhinhos! Será que serei assim? rsrs