sábado, dezembro 09, 2006

Um sinal



Mal o sol raiou e eu já estava acordada.
Sentia algo diferente em meu corpo.
Era um pulsar....
Como se fosse, também, uma sensação de "cílios encostando na pele";
Ou então como bolhas de ar sendo tocadas na parede do ventre.
Um caroço, mesmo que pequeno, se mexeu em mim.
Era meu bebê...
Impossível descrever a emoção de saber que um coraçãozinho bate forte dentro de ti!
Já tá valendo!
Meu Deus...

Engana que eu gosto!

Quando li estas frases:
“A mentira traz vantagens indiscutíveis. Bons mentirosos são mais populares e bem-sucedidos . Têm mais status social e melhores salários”;
e esta:
“Políticos são mentirosos profissionais. Mentem habilmente e têm consciência disso. Não estão preocupados em cumprir promessas. Mentem para se dar bem. Quando acreditam na própria mentira, seu poder de persuassão se torna infinitamente maior. Comentário do célebre diretor David Livingstone Smith, da New England University. Portanto, cheguei a conclusão que há uma boa parcela de cidadãos, neste mundo terráqueo, que se baseiam na mentira, no sonho frustrado enfim, no golpe manchado.
São pareceres somados a fatos que ouço, no meu trabalho, na família e em várias tribos sortidas!
E será que as pessoas acreditam em suas próprias mentiras mesmo? Caracas! Como pode?
O cérebro humano é o próprio Cirque du Soleil! Cheio de contorcionismos verbais, floreios conjugados, numa espécie de solenidade da trova!
-Baita Trovador!, como diz a propaganda da cevada.
Mentir...
Que se minta para encobrir o sofrimento alheio, para evitar o pior - por mais que isto gere controvérsias - e não para espizinhar, dilacerar no que verte de melhor de um ser humano.. Aliás, é a última tendência das entrevistas ping-pong do Caderno Donna, da Zero Hora.
Há um provérbio que diz: “Viver não custa, precisa-se é saber viver”.
Penso que muita gente interpreta mal este provérbio quando se esquece que saber viver implica respeitar o viver alheio.

Uma pausa para o samba

Não fiz por mal a minha vazada do samba. Desde que me adentrei a este mundo ouvi vários personagens dizendo ‘cansei do samba, desta vida. Enjoei. As mesmas caras, mesmas músicas. Não quero mais. Não vou mais ao samba.”
Eu na hora pensava: “mas como?”
E o hilário é que estes ‘sindicalistas’ NUNCA deixaram o samba, aqui, em Porto Alegre.
Que bom! Gosto deles, e muito...
Freqüentar uma muvuca, com galera ferrenha e fiel nestas festas de batuques e balagandãs, tem um preço a pagar:
O preço da intimidade não permitida.
Vira uma espécie de família. A família do sorriso e a família do verbo. Dedo no bolo é pooouco. O negócio é falar(e põe falar nisto).
Produto em oferta?
Fofooca!

Eu deixei, eu permiti, eu participei váááárias vezes. Faz parte. O segredo é saber induzir a levada. Interpretar na esportiva e seguir o fado.
Hoje falo do samba.
Mas quer saber?
Vi isto em outras tribos também. Os papos sempre são pesados, mesmo com o intuito de ajudar a “coordenar a tua vida”!
Isto fez com que eu acordasse.
Tarde até... tarde demais.
“O mundo gira e eu vou girar também”, como diz o samba.
Meu afastamento são por motivos psicológicos. Motivos gravídicos. Motivos espirituais e motivos de pausa.
Abandonar o samba?
Nuuuunca.
Meu bebê curte um samba já no ventre! Pudera...mãe tocando, ouvindo e cantando. Se firmou!
Eu só preciso de um tempo.
Me sinto um Van Gogh da ótica. Enquanto os impressionistas usavam a cor para reproduzir imagens, ele aproveitou os elementos do impressionismo e adaptou de forma, proposital, para expressar-se com mais vigor. Fazia de um quadro ‘da noite’, por exemplo, sem a cor preta. Então, o que me é dito de conselhos maternais e de vida eu multiplico, aumento de forma espetacular. Quando me vejo estou travada, impressionada, assustada ou mesmo, chateada. É enxergar uma grávida que te põem a prova de fogo. Falam do teu futuro, afirmam fatos negativos, debocham, te chamam de ‘corajosa’(minha mãe também foi). Comandam como se tu fosse um jogo. O controle de vídeo-game da tua vida.
“- Não pode ser assim!”, advertiu, pela milésima vez, meu médico.
Fechem-se as portas da audição!!!
Foda-se quem não acredita nestes sintomas hormonais aos quais, uma mulher grávida, sente.
A mudança não é somente no corpo; a mudança é no estado de humor, na sensibilidade de enxergar a vida enfim, de levar ela, entende?

Pra evitar; sumi. Pra não me magoar, escapo de comentários. Estou aprendendo(ainda) a me calar.
E eu tentei continuar a sair...
Levei caaada tombo, cada cilada que passei a me assustar. As saídas(últimas que fiz) foram um exemplo que estou pior.
Muito mais sensível a ponto de ser pára-raio de cargas negativas fortes. As experiências que tive, ao sair, foram pesadas a ponto de tirar, por total, o controle emocional. Acreditem se quiserem. Quem esteve do meu lado viu.
Isto que beiro aos 35 anos e continuo sendo uma eterna menina(porém mudada hormonalmente). Quem não gosta de carinho, afeto, dengos e mimos? No meu caso, eu sou demais! Tem uma turma que, quando falo já adverte:
“- NÃOOO MIIIAAA!!!”
Partindo desta premissa segui o drástico. Abandonar, temporariamente, a noite. Definir não tem como. Não sabemos o dia de amanha!!!! Tenho, somente, que escolher, a dedo, minhas saídas. Não ser “Bandeira do Divino” em todos os convites que recebo( e são muitos...nem eu dava conta). Está sendo melhor e me sinto de alma lavada.
Prefiro, hoje, a cumplicidade que tenho com o pai do meu filho-minha filha(a eco para saber o sexo tá chegando!!!), das conversas e boas risadas, a dois(ops, a três).
Aprecio e agradeço as boas gargalhadas e típicas atitudes cômicas de minha família- A Graaaande Família!!!!
Me acalmo, com o silêncio do meu apartamento e o afeto puro e fiel dos meus felinos.
Do samba, restaram o carinho que continuo tendo por contados, a dedo, guerreiros amigos.
O anonimato, mesmo que temporário, do que estou passando agora está sendo o melhor remédio. Quero paz, mais do que nunca na vida.
Quem guia sou eu, quem me destina é Deus.

domingo, novembro 26, 2006

Homenagem carioca!


A semana passada, amigos queridos, sambistas ferrenhos, nossos personagens pitorescos do mundo do samba foram ao berço dos menestréis. Rumo? Ao Rio de Janeiro. Eu, mais um vez não fui... buááá´
Mas meu instinto de preservação falou mais alto. É, início de gravidez, viagem de ônibus sabe-se lá quantas horas foram... o fardo seria demais para mim. Fora se aventurar por lá.
Portanto, acenei. Desejei uma ótima viagem para eles e torci que se divertissem 'aos montes'! Para a minha surpresa, depois de uma semana, chegaram e BB logo me enviou o que a Porta-voz do samba havia aprontado!
Não estive no Rio...mas a minha turma, festeira, lembrou da Satélite, aqui! Pediram para o puxador da escola de samba da Império Serrano erguer um mini-cartaz com meu nome. Ele cantando a música "Canto das Sereias", suspendeu, na esportiva, enquanto cantava o cartaz que dizia: "Fabi".
Amada! Que lindo! eu ainda achei que fosse a minha xará BB! Era eu genteeeee! Uhuuuuuuuuu!
Valeu Porta-Voz!
Valeu amigos!
Sem vocês, este mundo não teria graça...
Amo vocês

quinta-feira, novembro 02, 2006

Meus amores...

Domingo gostoso. Risos infindáveis, beijos incomparáveis... afeto... pele....
Nosso filho que vibrou! Tantos carinhos que, segunda-feira(30/10), dia da eco, a sua felicidade era plena que até seus movimentos eram graciosos. Uma espécie de 'nado sincronizado' onde houve até um aceno! Um amor!
E as vovós ligaram...(hi hi hi)

Te amo Ale, muito...

"Se a luz é o primeiro amor da vida, não será o amor a luz da vida? O amor é a única paixão que não admite nem passado nem futuro. Poetas são todos aqueles que amam e sentem as grandes verdades e as dizem, e a verdade das verdades é o amor".

Indicando....

Indicando, mais um vez, palavras de certos terráqueos que carregam o dom de dissecar o que, a maiorias das vezes, o mundo feminino não enxerga. Vela a pena ler:


Martha Medeiros
29/10/2006
Qualquer um
As mulheres estarão dando chance para o homem que parece ser um "qualquer um" demonstrar que não é apenas um qualquer?A reclamação é antiga, mas continua vigente: mulheres se queixam de que não há homem "no mercado". Acabo de receber um e-mail de uma delas, contando que faz parte de um grupo de mulheres na faixa dos 35 anos que são independentes, moram sozinhas, trabalham, falam idiomas, são vaidosas, têm cultura, fazem ginástica e que, mesmo com tantos atributos, seguem solteiras e temem não haver tempo para formar a própria família. No finalzinho da mensagem, descubro uma pista para a solução do problema: "Apesar de o relógio biológico estar nos pressionando, não queremos procriar com qualquer um. Queremos um cara bacana para ir ao cinema, almoçar no domingo, viajar nos finais de semana". Claro. Quem não quer? Não há problema nenhum em ser exigente, em querer uma pessoa que seja especial. O que me deixa intrigada é que há mais probabilidade de você encontrar "qualquer um" do que um deus grego com um crachá escrito Príncipe Encantado. Então me pergunto: as mulheres estarão dando chance para que este "qualquer um" demostre que está longe de ser um qualquer? Sou capaz de apostar que a maioria das mulheres, no primeiro papo, já elimina o candidato, e quase sempre por razões frívolas. Ou porque o sapato dele é medonho, ou porque ele não sabe quem é Roman Polanski, ou porque ele gosta de pizza de estrogonofe com banana, ou porque ele só gosta de comédia, ou porque ele mistura steinheger com cerveja, ou porque o carro dele é um carro do ano. Do ano de 1991. Imagina se você, proveniente de uma família estruturada, criada dentro de padrões de bom gosto, com qualidades encantadoras, vai se envolver com este... com este... com este sei-lá-quem. Pois o "sei-lá-quem" pode ser, sim, aquele cara bacana que levará você para almoçar no domingo, mas você tem que dar uma mãozinha, minha linda. Recolha seus pré-julgamentos, dê umas férias para seus preconceitos, deixe seu orgulho de lado e saia com ele três, quatro vezes, até ter certeza absoluta de que o sapato medonho vem acompanhado de um caráter medonho, de um mau humor medonho, de uma burrice medonha. Porque se o problema for só o sapato e a pizza de estrogonofe, isso se dá um jeito depois, ele não há de ser tão inflexível. Aliás, e você? Garanto que também não sai pela rua com uma camiseta piscante anunciando Mulher Maravilha. Ele também vai ter que descobrir o que há por trás da sua ficha estupenda, e vá que ele implique com as três dezenas de comprimidos que você ingere por dia, com sua recusa em molhar o cabelo no mar, com sua fixação por telefone ou com os seus sutiãs do ano. Do ano de 1991 também. Esta coisa chamada "história de amor" requer um certo tempo para ser construída, e as que dão certo são aquelas vividas com paciência, com o espírito aberto e geralmente com qualquer um que consiga romper nossas defesas e nos fazer feliz.
martha.medeiros@zerohora.com.br
Disse:
"- Cheguei a conclusão que não consigo me imaginar longe de ti. To acreditando que é carma..."

É.... eu também!

Leve

Algo sugou-me com todas as forças. Seca...senti-me falida nas tentativas a sobreviver... E o sol raiou e reergui, inexplicavelmente, do chão... E, como uma avalanche, minha vida mudou. Meus olhos estão abertos, estou leve...
Bondade as vezes, pode ser demais... E, como disse certa vez BB "de vez em quando é bom ser egoísta!"
Hoje estou leve!
Por enquanto fico com esta frase:

"Que o breve seja de um longo pensar.Que o longo seja de um curto sentir.Que tudo seja leve de tal forma que o tempo nunca leve." (Alice Ruiz)

2007, adiantado!!!

Toda proximidade de ano novo, providencio uma faxina geral, de papeis, documentos antigos, jornais, revistas, roupas e calçados que não usei e não usarei mais. Tratei logo de despachar. A limpeza foi geral. Tudo graças a nossa adorável Ilionara, virginiana nata, membro de sentimentos impagáveis das famílias Carvalho e Fernandes.
Ela, propôs dar uma geral no meu guarda-roupa trocando, inclusive, todos os cabides dele. Tudo para ficar alinhado cor-a-cor, detalhe por detalhe, inclusive simetricamente. Deixei nas mãos o apartamento para esta amada integrante.]
O detalhe é que a ‘arrumação’ durou quase uma semana!
Para a minha surpresa(pois eu saia do ap para trabalhar) é que, Ilionara botou abaixo meu lar. Não só arrumou o guarda-roupa como alinhou um a um cada apetrecho solto pela casa INTEIRA. Se encontrava uma agulha de costurar no banheiro, Ilionara ia direto recolocar o objeto, para a caixa de corte & costura. Remédios foram analisados, um a um. Os que estavam fora da validade foram direto para o lixo.
E por aí foi... Neste dias que seguiram de árdua mudança, senti que, quando abria a porta do apartamento, lembrava algo como mostra Casa & Cia. O detalhismo da cortina lavada, do forno livre de qualquer ‘célula gordurosa”, chão, prateleiras da cozinha...apetrechos nas suas devidas tribos fizeram que eu tivesse um crise de choro.
Calma gente!
É que estou chorona mesmo!
Nunca vi minha casa tão alinhada.
Não que fosse uma baderna! Não! Longe disto!
Mas as gavetas eram depósitos de meus colares, carteiras não mais usadas, algodões... tudo. Hoje, está tudo mudado... E os documentos, as revistas e reportagens que tinha a mania de imprimir e guardar, foram, também, jogadas fora. Inclusive fotos que não pertencem e não pertencerão mais no meu futuro. Tudo para o lixo.
Em média, 5 a 8 sacolas, por dia, iam fora de minha casa! Dei muitas coisas e joguei outras fora.
Vou entrar 2007, adiantada, livre de fragmentos do passado, de objetos inúteis e de detalhes sem nexos!
Rumo para uma futura casa que estará cheia de vida!
Xô passado! Xô lixo de palavras... Estou plena! Isto que importa!
Valeu Ilionara. Sem você não sei o que seria daquela casa... Com certeza não teria a percepção ultra que tivestes, muito menos a rapidez...Talvez levasse meses para dar conta de tantos detalhes... Isto que meu médico proibiu qualquer esforço brusco...
Deixou aqui, meu agradecimento a ti! És nosso eterno anjo da família Carvalho e Fernandes!
Beijo, meu de do bebê!

Tombo

Todos pedem para abolir os saltos altos do meu vestuário... Né que terça, 17/10 eu levei um tombo? Virei o pé legal com uma plataforma minha. Óbvio, que eu tinha de cair agora. É sempre assim. Quanto mais tememos mais acontece... Não sabia o que era levar um tombo há mais de sete anos. O vou cair logo grávida? A sorte que não aconteceu nada de grave com o meu bebê. Mas o susto, a raiva de ter caído fez com que eu chorasse muito... nossa...Neste dia perdi a noção tamanho o meu choro... Juntou tudo neste dia e o tombo fechou com chave de ouro. As cólicas na madrugada foram mais devido ao meu estado nervoso... Passei dos limites! Agora estou aprendendo a lidar com o imprevisto e administrar o meu nervosismo. Isto se meus hormônios ajudarem...

domingo, outubro 29, 2006

E os gatos?




Hoje acordei pensando na mudança sadia que a minha vida se tornará. Tenho seis meses(e sei que correm rápido), para curtir este monólogo que é a minha casa. Tenho o carinho do Ale, que está presente em toda esta minha empreitada, mas não mora comigo. Tenho os afagos dos meus gatos, Barthô e Mizy. Aliás, eles são pauta de duras advertências que recebo de amigos e familiares. Todos são contra o convívio deles com o bebê. O grande problema são a “imunidade zero’ que um recém nascido se apresenta. O que temem são os pêlos perceptíveis que estes adoráveis felinos deixam pela casa, no ar... E eu sofro... Olho para eles e não enxergo outro futuro a não ser do meu lado e do meu bebê! Então penso. Poderia levá-los para a casa da minha mãe, bancaria a alimentação e seus gastos. Tão fácil falar... O Mizy não tem noção do que é uma rua... Minha mãe mora em casa. E se ele pular a janela e ficar no meio da rua? E se um louco, passa e enxerga aquele gato, com quase oito quilos, e não rouba para ele? Não...parte o coração arranjar uma solução para os meus felinos... até agora penso...preciso de idéias...

sábado, outubro 28, 2006

Sexo do Baby



Já passei por tantas simpatias, lendas... Que adoro fazer estes testes... A Casseta, amiga minha, tem um livro milenar que nunca, mas nunca falhou no cálculo de descobrir se a gestante está grávida de menino ou de menina. O problema todo é ela achar este mágico livro de um autor alemão. Casseta é uma eterna cigana. Vive de mudança. Agora alega que não sabe, nem tem noção de qual, das dezenas caixas, está o livro. Isto que sua cunhada, também grávida pediu!
Sites, versões de vó, as simpatias em geral e os sintomas que apresentam faz com que uma parte de amigos digam que estou grávida de menino. Embora tenha um outro lado que acredita ferrenhamente que estou esperando uma menina!
Três fatos pitorescos foram de meninos, literalmente arredios a estranhos, se afeiçoram a mim a ponto de pedir colo ou fazer manha pois estava indo embora. Segundo a lenda... os opostos se atraem... E agora? Sou do lema que, o que vier, já é abençoada. Problema todo que sou curiosa, ansiosa... Menino ou menina... o que será...

domingo, outubro 15, 2006

Engraçado... coluna do Paulo Sant'Ana

Este Paulo Sant'Ana tenho que reconhecer que tem uma imaginação pra lááááá de fértil... Gostei tanto desta coluna que resolvi postar... Bom proveito... Abaixo deste meu post tem o que eu explico o porquê de minha preguiça em escrever!
Leiam! Vale a pena:


Paulo Sant'ana
15/10/2006
Tudo menos os chinelos
O réu sentou-se diante do juiz e viu iniciado o seu interrogatório, tendo-lhe sido dada a palavra pelo magistrado para que narrasse os fatos que culminaram no assassinato de sua mulher e um amante dela. Pausadamente, o réu começou a explicar os motivos que o levaram a matar a tiros o amante de sua mulher e ela própria, dentro de sua casa: "Sou viajante comercial e fui a Manaus, de onde voltaria no domingo. Mas me desincumbi antes e retornei no sábado. Ao chegar de surpresa à minha casa, deparei com minha mulher a receber um estranho, que de cara percebi que era seu namorado, pois estava de pijama. Confesso-lhe, Excelência, que me doeu, mas não tanto. É que meu casamento se encaminhava para um crepúsculo, vivíamos eu e minha mulher uma espécie de fadiga dos metais, um fastio corporal e de idéias já dominava tristemente nossa relação. Ali estava minha mulher em companhia de seu amante de pijama, embevecida, enquanto ele servia um espeto cuja costela ele assara para ela na churrasqueira. O pijama era dele, Excelência, trouxera de sua casa, mas os chinelos que calçava eram os meus".
***
Prosseguia o interrogatório do réu: "Senhor juiz, fui acometido de uma fúria santa quando vi aquele homem usando a minha churrasqueira e calçando os meus chinelos. Tudo bem que era para servir churrasco para minha mulher, mas não me passou pela goela que usasse a minha churrasqueira e os meus chinelos. Puxei o meu revólver e matei o homem com três tiros. Para mim não tinha importância que aquele estranho tivesse invadido o meu lar e privasse até com minha mulher, isto era o de menos. O sacrilégio que ele cometeu no entanto foi cascavilhar na estante do meu quarto e apanhar os meus chinelos, ainda por cima manejar espetos na minha churrasqueira, isto foi insuportável para a minha dignidade, Excelência. Creio que se fosse com o senhor, aquele intruso também seria assassinado. A churrasqueira e os chinelos são bens de inalienável uso. São coisas muito próprias de um homem, pertencem a seu exclusivo patrimônio físico mas principalmente moral, não podem ser usufruídos solertemente por um invasor nas nossas barbas. Enlouqueci e matei-o. E como pode o senhor perceber por minha narrativa, matei-o por justa razão. Os chinelos e a churrasqueira, Excelência. Que me tomem a mulher, que me subtraiam a honra, mas que não mexam com minha dignidade. Eu até me permito julgar que me tomar a mulher não é invadir a minha privacidade, mas apropriar-se, assenhorear-se de meus chinelos e de minha churrasqueira é um ultraje que só pode ser pago com o sangue do usurpador".
***
Prosseguia emocionado o réu na audiência, na qual não se ouvia o zumbido de uma mosca, todos, testemunhas, advogados, promotores, em reverencial atenção ao acusado: "Ali jazia junto à churrasqueira a vítima dos meus três tiros irados. Cheguei a concluir por perdoar minha mulher, relevando o seu deslize. Ela se mostrava naturalmente nervosa, mas por um instante relembrei os churrascos memoráveis que fizemos naquele mesmo lugar da nossa casa, desde os tempos em que éramos incendiados por abrasadora paixão até os anos em que lentamente foram sumindo dos nossos corpos e mentes o desejo e a lascívia que nos arremessaram para o gélido cumprimento do carnê. E já tinha até decidido não matá-la e talvez até não me separar dela, quando, senhor juiz, sobreveio uma cena inesperada. Ela deu de mãos nos espetos e começou a limpá-los. Quando estava no último, exclamou baixinho: 'Como ele assava bem!'. A injúria me soou claramente como a certeza de que aquele não havia sido o único churrasco entre os dois, que aquele local já tinha sido templo de outras cornices minhas. E descarreguei as três restantes balas do meu revólver na adúltera reincidente. Aqui estou eu para me submeter ao seu julgamento, senhor juiz. Se por acaso o senhor esteja tencionando me condenar, só peço que num último apelo considere o abalo que pode causar num homem a desapropriação desaforada e afrontosa de seus chinelos e de sua churrasqueira, mas principalmente o tsunami cerebral que pode causar a qualquer vivente ouvir da sua mulher a suprema humilhação: 'Como ele assava bem'". E dizem os pósteros da mulher e de seu amante, que ainda vivem na cidade gaúcha onde ocorreu há tempos este fato, que o marido viúvo foi absolvido.
psantana.colunistas@zerohora.com.br

Informando

"Cacildaaa"!!!!! Demorei para escrever...
Quero informar para os meus amigos que os meus hormônios derrubaram meus pensamentos, anestesiaram meus músculos... hipnotizaram minhas idéias... Só penso em dormir, quando posso! Mas nem eu sei relatar tamanha sonolência. Meu amado, quando vai me visitar, fica impressionado como mudei.
"São os hormônios!", explico.
Então, partindo desta premissa que vou diminuir, provisoriamente, um pouco, os meus relatos... É muita preguiça rsrs
Tenho vontade de sair espancando os teclados de qualquer computador da casa de minha mãe. Sim, porque virou uma febre de computadores nesta casa portuguesa! Um pc melhor que o outro. Meu irmão com aqueles de tela líquida, pretinho básico, cheio de QIs, a mais, em peças da cpu. Minha mãe com uma nave da Dell... Minha irmã com um todo reformulado... Até ganhei o deles para a minha casa. Porém, o que eu gosto é deste teclado macio, rasteiro e gostoso de digitar! Por isto relato aqui!
Eu estou bem, o bebê está lindo e o papai está entregue! Preciso de mais? Claro que sim! Mas não sou gulosa com o meu destino como era antes! Agora só aguardo!
Eu melhorando, ficando 'mais ligada', vou começar a falar de momentos engraçados e românticos como ando tendo! Isto me dá uma paz, fenomenal...
Agora, o sono bateu de novo. Dizem que grávidas dormem muito pois, após o nascimento, a última etapa do dia em sua vida é se dedicar a uma bela soneca. A mamãe fica a mercê do filho... ele que escolhe a hora para dormir e acordar... Tudo muito bem programado!
Vou aproveitar estes restantes sete meses de gestação!
Não deu sono em você? Olha que a moda pega...

segunda-feira, outubro 02, 2006

Ouvir, ver...pela primeira vez...


Sexta-feira(29/9) conversei com uma amiga que me contou coisas engraçadas do orkut... Fez cada revelação...hummm.... Caracas, como a imagem mente...
Bom, mudando de assunto, ela me deu dicas de bebê importantíssimas! Seu filhinho está com 9 meses!


Sábado(30/9), local Centro Clínico Mãe de Deus. M
Minha primeira ecografia: Vi pela primeira vez e ouvi seu coraçãozinho. QUE BATIMENTO! Digno de um partideiro!!!

Enxerguei e analisei a formação do seu corpinho, hoje, tão minúsculo. Confesso que fiquei pasma!
A natureza é linda e Deus é divino!
Uma semente, fruto de uma história do passado(2000), que veio a tona em 2005, mesmo que eu tenha tido o impulso de relutar...
E 2006 veio para marcar.
A lágrima correu... não sei explicar!
Foi lindo!

sexta-feira, setembro 22, 2006

Hormônios...rá...


Então! Com tanta alteração hormonal sinto-me como o personagem do homen-aranha, interpretado pelo ator Tobey Maguire.
Tudo muda em mim, inclusive o humor!
É ler uma mensagem de palavras mais profundas e adocicadas e ocorre um vazamento em minhas vias lacrimais; bem como, também, um deboche, mesmo que na esportiva da amizade, transforma-se, pra mim, numa agressão verbal baixa e sem pudor. Revido na hora.
E quando entro nos ambientes mais confortáveis de meu fraterno coração? Ir numa roda de samba com a nata de meus amigos, faz eu ficar feliz, calma. Porém, inesperadamente, do nada, começo a me sentir estranha, incomodada, desconfortável e vazo do ambiente em questão de minutos. Nem deveria estar expondo isto... Dizem que são sintomas normais... A revolução Farroupilha, ta, sim, concentrada em meus hormônios! Avante! Lute! Grite! Chore! Um ioiô de instabilidade emocional. Isto me angustia. Sempre fui centrada. Sou dona de engolir sapo... Agora, não engulo nem formiga; muito menos peixe(ops... esqueci de dizer que virei vegetariana rsrs)...
Enfim, mulher é um bicho esquisito porém, iluminado! Mas temos uma sina. Pela estatística de um estudo da demografia brasileira, constataram que nascem mais homens do que mulheres! Há décadas! O mudança do quadro é que, depois dos vinte anos, o número de mortes, por exemplo(só um exemplo mesmo! Pois tem vários fatores), de acidentes de trânsito, encerra a vida de 170 mulheres contra 780 homens(mais ou menos este índice matemático)! A imprudência, o modo desvairado de levar a vida acaba com a manada masculina! Que loucura....
Bom, voltando ao ser mulher, bicho esquisito, como eu, pode-se dizer que, uma gravidez mexe, move, muda, condena e, abençoa, por hora, a vida como um todo. São tantas sensações... Uma delas é a submissão de carinhos dos amigos, do amor ‘contemplado’ da gestação e, principalmente, da família. A sensibilidade choca a audição dos problemas diários, aterroriza a visão de olhos calejados da ótica ‘rodriguiana’ do que diz a vida, aguça o paladar e tortura o coração! Tudo é interpretado com um retumbância surreal.
O bom de ser uma futura mamãe é saber que um serzinho já vive, move e forma-se dentro de ti... Isto é literalmente lindo! A mudança do corpo, o sono que faz a inveja da galera “tributo ao Lexotan”, a preguiça de alma baiana, a fome que derruba qualquer “larica” dos seguidores de “Jah” e a sensibilidade do artista e do poeta, torna tudo mais profundo, mais intenso e inesquecível. Dizem que é só o começo... Sigo, portanto, o começo de uma aventura!

MEU MUNDO PAROU

Há alguns dias atrás, escrevi no post “Alma Gêmea”, certas frases que gostaria de compartilhar, de novo, com vocês. Ao reler, eu indagava “...Vida é um condão mágico. Ninguém sabe o que nos espera.”, ou “Ninguém conquista a resposta certa! São os mistérios que invadem, feito avalanches no nosso Eu...” ou melhor ainda: “Por isto que falo tanto do presente, de viver o momento e curtir “o agora”. O amanhã, ainda é uma incógnita...”.Mal eu sabia o que já estava acontecendo. Por isto que ratifico para viver sempre o presente, mesmo que se pague um preço por isto. Eu até tentei programar a minha vida. Fui ao endócrino. Com um batalhão de exames de sangue, todos com saldo positivo(Gracias!), encaminhei o projeto que estava sendo esquecido, o de emagrecer. Comecei a tomar Femproporex. Aliado a isto, conversava com P. sobre minhas mudanças e, ao mesmo tempo, sobre minha(nossa) total estagnação ao relacionamento, a dois. O negócio era desligar o motor e deixar seguir na proa do vento enfim, no balanço do mar.O mês de agosto foi assim.Cheio de objetivos mas, ao mesmo tempo, cheio de reticências. Meu físico tinha agenda e até assessoria de imprensa; já o minha alma, deixei entregue a Deus. Não queria a lógica.Preferi beber e sorver da fonte do sentimento.Só me baseei nisto.E vivi! Como!Patrolei, bebi, fumei, dancei muito....amei demais.No decorrer do mês e início deste(set), já há nove dias tomando o remédio, sentia-me vez que outra tonta. Achava que eram noites mal dormidas, comendo pouco(mas o ideal, muita verdura). Porém, meus seios doíam e a menstruação atrasava. Contabilizava seu 6° dia no déficit de ciclo biológico.Indaguei e me silenciei. Guardei pra mim.Contei para uma que outra amiga. A suspeita aumentava... Mas as hipóteses eram tantas, inclusive que o remédio, do qual tomava, havia alterado meu ciclo menstrual.E os dias passaram e não agüentei.Num domingo, comprei o teste de farmácia.Segunda-feira, as seis da manhã, estava a postos no banheiro para fazer este exame.O resultado?Positivo em segundos.... Aí veio o desespero. À tarde, fui fazer um HCG. E o resultado.... 537 URI/L(sendo que, para não-gestantes o limite é de 5 a 25). Segundo meu ginecologista: “- Você está gravíssima, deve, pelo jeito, estar já com 5 semanas!”.
Meu mundo parou.

domingo, setembro 17, 2006

Novidade e saudade

Fechei meu monólogo e, agora to criando um ante-projeto da minha vida!
Em breve, colocarei, mais lapidado o que invadiu meu dia-a-dia no mês de setembro! Esta semana, terão novos posts. Antes, não tinha cabeça para isto...
Serena, estranha e, ao mesmo tempo, feliz conseguirei expor a mais alucinada e mágica experiência da qual passo, neste momento.
Então, deixo aqui, um fragmento do meu dia, do meu olhar que percorreu( e quis percorrer), hoje, cada detalhe de minha infância no bairro em que eu vivi.
Acordei e fui almoçar com meus amados pais.
Com o carro, dirigi-me ao lar em que vivi os momentos mais inocentes da minha jornada!
O caminho era:
" seguir reto 'toda a vida' e dobrar a direita para depois, dobrar a esquerda."

Mas não!
Preferi passar, cantinho a cantinho, em todas as árvores, das quais me recostei para respirar melhor as frenéticas pedaladas de minha bike... Velhos tempos!
Olhei, laconicamente, para todas as casas, lembrando de todos os vizinhos que compartilhei de muitas histórias enfim, de fatos inesquecíveis de uma infância feliz.
Observei a rua do 'beco', uma espécie de atalho que ligava a Rua Márcio Dias com a Rua João Maia.
Olhei para o muro do colégio, que não tinha muro e sim, cerca... Fiquei a observar a praça que tinha bodes, porcos, bois e cavalos. Quase nada disto, existe hoje... Passei pela "rua do meio"... e lenbrei das reuniões dançantes, das festas juninas...ihhh ... tanta coisas...
Olhei casa por casa...janela por janela, garagem por garagem... infância...
Senti, em meu coração, como se fosse uma janela, mal fechada, que tivesse sido aberta, repentinamente, de minha adormecida memória. ]
Senti o cheiro, o clima, o som das árvores dos meus saudosos 13/14 anos...
Parei na esquina e fiquei... Fiquei por minutos parada.
Sim, hoje eu quis relembrar... o porquê da lembrança? Também não sei... Quem sabe esta semana eu elucido esta minha atitude!
tenho novidades e estou feliz!
Aguardem!

terça-feira, setembro 05, 2006

Tudo




Entre os meus rabiscos da Vida completo um álbum de interrogações. Por que tantas perguntas? Tantos conflitos? Personagens falam de um amor escuso, feito a lápis, maneira fácil de apagar , num papel rasgado, cansado de ser manipulado... Apenas mais um dia em que seria impossível viver do presente. E vivo. Portanto, encostada na quina do destino eu aguardo. O melhor e o pior de minha história. Não nego, confesso. Confesso que há momentos em que anseio que alguém, fulgaz desvende meu labirinto, em todas as suas charadas e curvas, alguém que tire os traumas, enfim, os espinhos do meu passado. Alguém que me surpreenda, diariamente, e faça voltar o sorriso de confiança congelado há tanto tempo em mim. Tolice? Não... quero despir-me de minha travas, meus freios, meu modo sindicalista de esbravejar o jogo do amor. Agora vivo. Com asas guiadas e vôo... Prefiro o salto, o mergulho jogado e espirrado do melhor da vida! Tire-me destas leis, por favor...

domingo, setembro 03, 2006

Satélite e o fantasma da moto

Madrugada.
Há alguns meses atrás, voltava para casa, de carona, com Bebê. Ao chegar na frente de meu condomínio, paramos para conversar mais um pouquinhos, mulheres sempre matracas... Nos despedimos e desci do carro. Ao olhar para o portão de entrada e saída dos automóveis, vejo ele se abrir, do nada. Ninguém constava naquele ambiente familiar.
Atravessei a procura do porteiro, o Zé, funcionário que trabalha apenas, na madrugada. Tenho que confessar que minha relação com ele é cômica. Quando entro com o Walter ele já sabe, só pelo acelerador meu grau de alegria! Inclusive, já foi manobrista pra mim, muitas vezes...rsrs
Foram tantas cenas engraçadas com este porteiro, que hoje, vou contar a mais hilária: A desta fria madrugada!
Retomando. Ao entrar e já conferir que o portão, regido num controle móvel da portaria, fora aberto misteriosamente, passei, então, a investigar o fato. Andava pelo condômino a procura de Zé. Já que não o tinha visto e, também, não entendia como aquele portão havia se aberto ‘sozinho’, resolvi caminhar e dirigir-me ao meu apartamento!
É óbvio que ele estava em algum canto! Mas onde? Até dei uma espichada ocular, na salinha da guarita. Imaginei: “deve estar no banheiro!”
Desisti de procurar.
Etílicamente feliz e abduzida por fatos do coração...fui caminhado até chegar ao meu bloco. Quando comecei esta caminhada, avistei uma moto, com farol altíssimo que cegava meus olhos.
A moto vinha na minha direção.
Nesta noite de sereno era somente eu e a moto.
Um combate de imagens de faroestes...
De um lado eu; do outro a moto cara de pau que insistia em colocar a luz em meus olhos.
Fui para um lado para desvia a ofuscada. A moto, vindo ao meu encontro, veio para o mesmo lado. Ela me seguia. Temi.
Neste momento, nos aproximávamos cada vez mais...
Então, ninja(eu sempre penso que sou ninja), passei para o lado oposto que havia realizado.
Né que a moto também seguiu ao meu encontro?
Aí pensei: Quem é que está bêbado? Eu ou este infeliz da moto?
Percebi, também, qua a moto era potente. Ou eu que estava surda(novidade!). Eu não ouvia a surdina dela(homens, falei certo? Surdina ou motor?).
E foi assim, por alguns segundos, que pareciam minutos. Um zigue-zague entre eu e a moto.
E chegou o momento da cruzada final.
Com a expressão de insatisfação visual, coloquei minha mão na testa para avistar e, ver bem, a cara do ladino.
De repente, o susto!
Aquele farol, potente, que me cegava, nada mais era que uma mega lanterna, segurada e guiada pelo cômico porteiro Zé!
Matei a charada! Dãããã~
Descobri que aquele portão, que se abria, do nada, no meu condômino, foi acionado a distância pelo Zé e sua lanterna!
Que susto!
Quando eu o contei, eram dois malucos rindo no pátio do condôminio!
Abdução minha?
Não sei...
Acho que tenho imaginação fértil demais para o meu gosto ou foi muito álcool naquela noite.
O faroeste de Satélite e o ‘fantasma da moto’ entrou na história de minhas distrações!
Ai bilúúúúúúú

domingo, agosto 27, 2006

Almas Gêmeas. Você acredita?

Certo dia, um amigo me disse: “Dessa pipa não sai vinho”.
Ta aí, não sai vinho e por quê?
Por vários motivos... Argumentos, baseado na antropologia masculina que, segundo uma, também, conhecida amiga minha, fundamenta a infidelidade masculina como uma “necessidade fisiológica de Sheik”, perante ao legado feminino(negando sempre, óbvio!). O certo,é que paixão não escolhe, o melhor, para nós... E o que dizem os poetas? Estes, adoram falar em alma gêmea. Eu, certa vez, achei que tinha encontrado a minha alma univetelina. E o tempo provou que não. Nossas almas eram bivetelinas. E por que, mesmo assim, tentamos, sempre encontrar a nossa ‘semelhança de carma”? Bom, ninguém quer viver sozinho, correto? Sim... Eu tinha visões lindas de uma vida repleta de tradições, como noivado, casamento, casa, filhos, netos... família. Hoje, lamento, por haver tantas cobranças em ‘ser diferente’. Estas arrecadações dos “deveres do destino” senão são surtadas por nós; são pelos outros. Ninguém aceita ser um “apenso à tradição”. Agora, confesso que nos meus sonhos tudo é lindo(e falei tudo! Sonhos...). Como diz Ennis Gibbs “Sonhos são gratuitos. Transformá-los em realidade tem um preço”
E no ressoar deste universo de linguagens freudianas à alma gêmea, que paramos para refletir que a Vida é um condão mágico. Ninguém sabe o que nos espera. Agimos inconscientemente o que se diz ‘correto’ em nossas leis ou estagnamos, no presente, sem ter forças ou razão para viver. Ninguém conquista a resposta certa! São os mistérios que invadem, feito avalanches, no nosso Eu. No kardecismo, falar de alma gêmea tem, como ótica, que ambos tiveram um passado, em comum. Um elo, uma ligação que vai além do conhecimento humano. Viveram a mesma vida noutra encarnação e, de alguma maneira, tentam se encontrar para este todo e sempre destino derradeiro. Transcende esta vida, entende?
Há físicos, que dizem que somos partículas de uma grande estrela que, um dia se partiu... Estas poeiras estrelares estão espalhadas por este mundo. Uma a uma procurando o seu par, enfim, o seu amor...sua metade.
Dizem que quando nos cruzamos com nossa alma gêmea, na hora, sabemos que há muito além da contemplação visual. O olhar diz tudo, a abdução ao ambiente presente faz parte e o deliciar de cada movimento prestado parece eterno. O mundo pára, literalmente.
Alguém já sentiu isto?
É um choque de imagens...
Eu passei por isto, certa vez e, confesso que esta pessoa mexe comigo até hoje. Isto que me corrói... Me castiga a esta submissão de carma. Ele não é para mim, não pertence a mim. Ambos se gostam, mas sabem que pertencem a universos diferentes...
E não adianta...
Num sopro de movimento, num local festivo cancelado ou num entremeio do destino, o encontro vem. É eu vê-lo na minha frente, que vem tudo de novo... Ambos não sabem explicar, até hoje, os motivos que levam a tanta atração, mesmo com tantas decepções.
Concordamos, em nossas visões, que o matrimônio é uma instituição falida... Em toda a conversa que colocamos, a par, o que sentimos sempre vem a confusão de não saber o porquê, que em pleno 2006, ainda, temos este ímã.
Desde que o reencontrei tentei fugir...escapar! "Patifei’, fui predadora, tentei namorar, achei ser apaixonada por outros personagens, que cruzaram meu enredo e, onde pararam, no final das histórias, os meus braços?
Nele...
Este mês está fazendo um ano que nos reencontramos.
Detalhe que “o choque” dos nossos encontros é sempre, da mesma forma. Hipnotiza, quebra protocolos, acaba confundindo a cabeça de um e de outro.
Únicos...
Que charada eu tenho que decifrar... Logo agora, que minha idade pesa em meus sonhos maternais??? Dizem que me precipito em meu relógio biológico...
Então inspiro e silencio.
Quieta e vulcânica nos meus pensamentos.
Por isto que falo tanto do presente, de viver o momento e curtir “o agora”...
O amanhã, ainda é uma incógnita...
Ainda busco o que ele me representa.
Sinto e lamento que se pelo orgulho, pelas normas, tradições deixemos que esta oportunidade nos passe.
Debatemos muito isto.
Mas se perdê-lo ou, eu mesma, largar fora deste sentimento, temo o pior...
Tem sinais que a vida lhe dá que, se perdido, jamais recuperaremos durante toda a vida.
Ainda mais numa segunda chance...
Iremos recordar a hipótese perdida, de ter sido feliz e, então, será preciso mais uma encarnação para que nossas almas se encontrem.

sábado, agosto 26, 2006

Música, cumplicidade...




Gente! Tenho que confessar...esta música mexeu demais comigo... E, se não bastasse ela ser bela, quinta algo muito especial me aconteceu. Sai com minha turma de fé(Porta-voz, Nega Marta, Sandra, Sandrinha, Mike, Cris, Camila e meu amado. Faltou BB que se delicia com o samba puro do Rio de Janeiro)! Fomos para um bar na Goeth com a Mostardeiro, El Molino. Tivemos uma interação total com a banda, turma toda cantando e tocando quando, Mike, adorável em sua música predileta de cantar, assume o microfone e canta. Sem pestanejar, P... levanta, estende a mão. Eu, abduzida, não entendendo a atitude, pego a chave do carro pensando que éramos para ir embora. E não! Me abraçou e disse: "vamos dançar!"... Absorta com o convite, passei a dançar coladinha, com esta música linda, composta por Serginho Meriti! Sabia que a letra era linda! Dançamos felizes numa cumplicidade nossa... O que não dá para acreditar é que esta música diz tudo que passamos até hoje! Verdadeira, pura, mágica... um nó do destino... Mike! Valeu por cantar, SEMPRE, esta música! Impossível não ficar com os olhos marejados! É...sou assim... sensível, manteiga... Valeu por tudo! Sintam a letra! Vale a pena buscar um mp3 desta música!

QUE MAIS DEIXA SAUDADE

Bom mesmo é quando a gente está a sós
Com a pessoa que escolheu

Entre todas que viveu
A que mais deixa saudade
Legal é quando a gente está legal
Ao lado de quem se quer
Dispensando o que vier
Indo em busca do prazer de verdade
É como se a gente virasse poeta
E arrancasse as palavras de dentro do peito
É como se o destino desse um nó perfeito
Pra minha vida da tua não mais desatar
É a força do grito, é um nó na garganta
O remédio que traz o poder de curar
Essa força que nasce depois se agiganta
Que as vezes se chama vontade de amar..

O Zé, o gato Noel Rosa(sem queixo)


Achei esta foto no site da Whiskas(www.whiskas.com.br). Lá o pessoal manda foto de seus filhos-felinos! Eu fiz todo o alfabeto de caretas vendo as fotos na internet. Visualizava com ternura, com fofura, olhava com espanto em ver tantos gatos exóticos. Porém, este aí da foto tive que rir! Ele se chama Zé, o gato Noel Rosa(parece que não tem queixo ahahahah Sei que é camuflagem da pelagem branca, mas que é engraçado, ah, isto é!).
Caracas!
Que gato engraçado!
Imagina tu acordar, pela manhã, e dar de cara com este gato, sentado, na tua cama olhando pra ti com esta cara!?!?!?!? Ahahahah
Acordaria feliz!
Ele é muito engraçado!

quarta-feira, agosto 23, 2006

Tricotada ...

*****Aniversário do meu pai. Bondoso, atrapalhado e nervoso. Não queria festejos no seu aniversário. Como não? Logo ele!?! Um pouquinho azarado, eu sei. A queda de minha vó, seguida de cirurgia fez uma centrífuga voadora na rotina de minha família! Mas vá lá... Lei da idade, fatos previstos e contratempos no script. Ganhou, de mim, uma camiseta do Inter! Ele, como bom esportista, não poderia ficar atrás nesta alegria gaúcha! Adorou! Beijos, afagos e muita alegria para um pai que representa muito mais que uma Vida para mim! Ele é o meu universo! Te amo pai!
******Passei nas minhas minas, de safra mais rara e antiga, para tricotar, um pouco, os últimos fatos do momento! Fizeram uma janta: Massa ao molho de nata e fungui! Um luxo! Feito pela refinada Bebê! Entre um papo e outro, alguns de telefonemas sinistros que BB recebia, Noiva aproveitava o ‘silêncio’ forçado da trupe para me abraçar. Abraçava, fazia carinho em meus cabelos para terminar com vários cascudos violentos, em minha cabeça! O motivo era a condenação por meus sumiços. Não preciso dizer que, ao ir embora, a despedida foi regada de vinganças ‘cascudas’... Putz...nem lembrava mais como era a dor de um cascudo. Poxa... Noiva é cruel pra dedéu... credo... Vai ter volta! Rolhaaaa! Me aguarde!
Bom, entre uma risada e outra relembramos a velha e boa “Jaula”. Tempo de tecnomania da turma, na Nilo Peçanha, em 1995. Freqüentávamos, fervorosamente aquele ambiente que rendeu muitas histórias inesquecíveis. Nome? METRÓPOLE! Bom, não preciso dizer que foram boas gargalhadas, todas trovejantes, de rir do passado ‘negro’ e cada uma! As meias nos sutiãs, pés virados no banheiro, champagne e mais champagna, baldes de flores(e não apenas uma flor) em nosso camarote, na saída carro sem parabrisa ihhhh... Consumações perdidas, plágio na quebra da fila! Métri, Cidon e muita sireneeee(vrooooooooo)de navio, com Dj Toco, sendo o pai-de-santo da festa. Era surreal!!! Caracas... e hoje, nós, jovens trintonas, com complexo de paquita-véia, indicando cremes de hemorróidas para a área dos olhos. Não! Muito doido! O engraçada é que sempre confabulamos o melhor para o destino de ambas. Tem que rir! É gostoso nutrir desta amizade. A surpresa da noite foi o nosso querido Espectro, nos ligando, para comunicar o roubo da sua moto-quindim. Com arma na cabeça levaram a pobre quindim. Bebê comunicou a rádio! Espero que tudo passe logo e localizem a pobre quindim!

domingo, agosto 20, 2006

Um susto e uma surpresa

FATO 1:

Gostaria de relatar muitos fatos... Tantas surpresas que resolvi escolher dois deles. Um foi o susto de sexta-feira(18/8). Pegava o carro para dirigir-me ao TJ quando, subitamente, o telefone toca. Minha irmã. Veio a notícia... Depois de 999 tombos e, nunca um osso quebrado, minha vó Iolanda, 86 anos, caiu novamente... Desta vez, na madrugada e uma gravidade: Quebrou a bacia...
Fiquei fora do ar... Dirigi, não-sei-como até o local de minha tarefa trabalhista. Chegando em minha sala um aviso da portaria: "dona Fabiana, seu carro está com os faróis ligados..."... Bom, por aí vocês imaginam o meu estado... Não duvido de ter dirigido com os freios de mãos travados... Foi um susto. Minha vó é tudo pra mim! Aliás, todos os sinais que tenho no corpo e no rosto vem dela... Ela não poderia estar no hospital... E foi... Sugeri para a mãe eu ficar lá, naquela noite. Mas como ela, na sexta à noite, ainda se encontrava na emergência, preferimos, então, eu ficar no sábado, pela manhã. O sol nasceu, eu de ressaca... fui ver a minha Iolanda amada! Ficamos conversando. Alguns momentos ela brigava comigo pois queria se levantar. Não admitia estar de fraldas; queria ir no banheiro. O trabalho foi grande!
A cirurgia foi neste domingo! Correu tudo bem e a esperamos chegar, na casa de minha mãe, no próximo fim de semana! Vida nova para a Iolanda! Quando estiver inspirada vou contar a história dela e de meu avô. Uma carioca e um português, muito do ladino!
Pena que não estou conseguindo postar as fotos...


2º FATO:

Saí do hospital, almocei no pai e fui pegar a Lia do Banjo para tocarmos no Pagode do Maurício Saraiva, lá em Ipenema. Na confraria, vários amigos... Entre eles Marta, Porta-voz(Nete rsrs), Mike, Lia do Banjo e BB que chegou no final! Mas chegou, né? rsrs
Aplausos daqui; uma erva- mate ali e fomos nos aproximando da roda de rapazes muito simpáticos. Foi quando Lia pede 'lo permiço da adentrada' na roda. Como num faroeste de instrumentos, Porta-voz, tira, debaixo da mesa seu tamborim... Nega Marta, cheia de charme, pega o chic-choc, já Mike, o 'empresário japonês", anuncia que participará da roda cantando! Ao meu lado o pandeiro já armado. A música começa e, um a um, arqueou suas 'armas musicais' e começaram a dar o seu toque, na confraria!
Deu tão certo, foi tão legal que os rapazes não imaginavam uma mulherada, em massa, tocar numa roda assim...do nada! Ao fim do samba, o cumprimento "da certeza de nos reencontraremos por aí". Pediram para visitar o bar que eles costumam tocar... Parece que fica na Goeth e, também, tocam no bar Bodega. Vamos lá qualquer hora destas!
Neste meio tempo de tiros musicais, ciladas de instrumentos...meu celular toca. Era o meu amor todo choroso de saudades... Lá foi a Satélite, pegar seu piteuzinho. Fizemos "a nossa" matança da saudade!
Fiquei de encontras os 'sem noção' mais tarde, caso saísse... Na verdade, nem eu sabia mais se sairia... Meu corpo pesava devido ao stress da hospitalização de minha vó, na sexta. Então, combinei com meu amor de ir atrás da turma antes de largar ele em outro banhado. Ele gosta de banhados... Cheguei na terreira e já encontrei todos felizes com suas bebidas douradas nas mãos. P... aguardava no carro. Eu entrei para chamar minha hóspede, Lia do Banjo(sim, ela iria dormir na minha casa). Enquanto, conversava o 'oi-rapidamente' com todos, Mike "o espivitado empresário japonês" foi até o encontro de P... que viajava no 'aquário do Walter'...
A surpresa!
Além de mais declarações lindas para mim, P participou de um samba comigo e com meus amigos(falo isto pois todas as outras participações era ele e seus caciques na volta). Dançou, cantou...falou segredos ao ouvido! Um fofo! É a nossa história... sem cobranças, sem matrimônios, sem intrigas...
Sorvemos o melhor... Nos deliciamos com a cereja do bolo, e não a fatia do mesmo... O melhor é nosso... E, co-mo nosso... Uma história do 'antes de; depois de"... Aviso! Não é eterno! É fulgaz, sim! Enquanto durar será, sempre, inesquecível!

sexta-feira, agosto 18, 2006

ME CHAMA DE MACACA QUE EU GOSTIUUUU!

Me chama de macaca! Pode chamar! Não tem torcida mais fervorosa que a do Inter! Chama o que quiser! Somos campeões! Cedo ou tarde o que importa é que o tempo diz tudo! A alma colorada não tem comparação! O povo, a chama vermelha! Algo de outro mundo! Fui dormir as quatro da manhã, lindamente rouca e feliz! Merecedíssimo! Magnífico! Sóbis dando a sua volta olímpica com o lema do ‘dever cumprido’... Fernando! Reinteria! Uhhhh uuhhhh Reinteria! Uhhhh uuhhhh Reinteria! O lindo maravilhoso Clemer(ainda vou ter a camiseta de goleiro em homenagem ao meu amado que, também, é goleiro!)! Tudo mágico! Tudo fantástico! Ganhou do São Paulo que é um titã do futebol! Jogaram bem, mas era a vez da nação Colorada!
Inter reacendeu a sua história! Caminha, a passos largos para o Mundial dos Clubes!
Arigatô para os paulistas que secaram o gramado para ver a nossa derrota! Secaram o campo, para ganharmos!
Estava num bar, tocando com meus amigos(pra variar...) e assistindo ao jogo do Grêmio, para mais tarde, assistir a partida Internacional X São Paulo! Portanto, estavam presentes gremistas e colorados neste recinto! E tudo na paz! Graças a Deus! Ao final, a brincadeira do ‘secar tricolor’, de vibrar com os gols do São Paulo, em nada acirrou uma discórdia entre os torcedores do bar! Pelo contrário! Dezesseis de agosto de 2006 foi um dia de glória! Gremistas e Colorados se uniram para gritar, urrar, brindar esta vitória histórica! Paramos a avenida! Uma galera limpava os carros no congestionamento da avenida! A cena da noite foi o Mike, nosso espevitado pandeirista. Agarrou um azulzinho da EPTC que tentava manter seu trabalho de apitar daqui e dali. Não conteve. Foi erguido por Mike que o fez trepidar feito máquina de lavar roupas estragada! Parecia uma eplepisia humana os dois abraçados! Mike gritava; azulzinho apitava! Que viagem! Fiquei perplexa com a cena! De tanto sacudir, uma surpresa. Embaixo do uniforme azul da EPTC, surgiu sorrateiramente, uma camiseta oficial do Internacional! Era a glória da torcida rubro ver aquele Azulzinho de EPTC que tentava, de tudo, manter a seriedade do seu trabalho, ser revelado um Saci Pererê. Em vez do cachimbo; o apito! E põe apitada nisto! OOOOOOOO INTER! INTER! INTER! Valeu!

quarta-feira, agosto 16, 2006

Cosmopolitas do Samba














Sexta-feira, 11 de agosto. Local? House Pastelaria, em pleno bairro Santana! Era um dia de festa que comemorava o aniversário do carismático Cecé. Um encontro de cosmopolitas do samba portoalegrense. Na minha chegada uma surpresa. O Walter desmaiou em sua picareta bateria. Carga detonada. Diagnosticada por Alemão Charles que, segundo ele, era o provável motivo do espasmo do pobre Walter. Passado o contratempo fui assistindo a chegada dos convidados. A mesa de samba, previamente montada, recebia solidariamente grandes sambistas da capital. Um a um, chegava, sentava e dava a sua canja. Todos, emprestavam sua voz ou o seu dom musical homenageando grupos e cantores como Quinteto, Candeia, Beth entre outros terminando, sempre, com a verbalização da união, amizade e saudação ao samba, como tótem do evento. Deixou claro que era uma noite especial. Sim! Foi diferente pois, em muitos momentos, tive a impressão de estar em uma espécie de “sessão espírita do samba”! A imortabilidade dos ancestrais do samba estava presente naquela noite... Algo surreal e, para quem tem esta afinidade com a música, percebeu a magia de algo que, nem “o céu e a terra faria com que a nossa vã filosofia alcançasse”. Me arrepiava em muitos momentos nesta homenagem ao universo popular carioca. Percebi, certas ‘abduções’ dos músicos, alguns em transe; já outros na maior adrenalina musical. Uma corrente tão forte que fez com que, aquela ceia sambística não parasse, um minuto sequer, por quase seis horas... Nasceu meu primeiro cálo em minhas mãos! Só queria tocar. A gente se surpreende a cada dia com alguma coisa nova. Foi bom! Na saída, Walter já restabelecido, funcionou. Ganhei algumas dicas do Alemão e fui para casa! As cinco da manhã, cansada porém, feliz!
PS: Recebi algumas fotos de Porta-voz! Escolhi estas quatro, bem no início da festa. Eram quase onze horas... tudo prometia...! Vaidades de Satélite, na escolha da fotinho...se pudesse colocaria as 200 registradas...e não dá... Presença de Michael, voz e pandeiro, Alemão Charles no cavaco, Max no violão, Cecé no tãn tãn, Porta-voz no tamborin entre dezenas de ilustres tribos de sambistas..

domingo, agosto 13, 2006

mamissaurarex

Aniversário da mamissaura! Tava chateada pois sua máquina digital, recém comprada, não funcionava... Então, como boa e vaidosa leonina, não sossegou e colocou todos os convidados em frente a sua "genius" de web para clicar e registrar o dia do seu aniversário! Sou muito parecida com ela, não acham? Tava, também, a ilustre presença de BB minha grande parceria para tudo! Em seguida, saimos para uma marotana furiosa e cansativa, de samba! Convidaram, também, para tocar hoje, domingo, no Satélite Prontidão! Sem condições...seria internada em plena segunda-feira! Fica aí o registro desta mãezona que amo de coração!

quarta-feira, agosto 09, 2006

Confusão de carmas...

Espectro fala em "travada no inferno"; já eu digo "no olho do furacão"!
E ontem, vários contratempos que surgiram e, ganhei, de surpresa, um grande relato...um grande encontro... Valeu pelo afeto, pelas palavras, por declarações e, finalmente, a confissão de nossa grande trava... um destino que nos questionamos sempre! Deus... que moinho...

quarta-feira, agosto 02, 2006

Meus gatos e o frio






Meus gatos sentiram o frio de uma forma avassaladora nestes últimos congelantes dias. Barthô, que sempre foi sisudo e orgulhoso, nunca se aproximou da minha cama à noite. Agora, vítima da mudança climática, aproxima-se da cama, se acomodando com sua ioga carocol antes mesmo de me deitar. Por sua vez, Mizy, meu gato azul-russo, sempre o rei de minha cama, fica angustiado com a presença do irmão em “seu trono noturno”, perambula pela casa angustiado. No ápice da madrugada, mia todo choroso. E como mia!!! Mizy, mia como se fosse o último felino da face da Terra. Aliás, falando em “miar” isto lembra meus amigos que ultimamente dizem que ando miando... Me chamam de manhosa, dengosa... Será que é a convivência com felinos? Sei lá, não duvido nada... Inclusive ando me identificando muito com esta espécie! O desenho do gato negro acima é um projeto de tatuagem que farei em meu braço direito. Não é lindinho?
Bom, voltando ao meu carinhoso Mizy, para abrandar seu ‘suposto sofrimento”, foi a segunda vez, como nesta madrugada, que levanto para pegá-lo no colo e levo-o para a minha cama. Para mantê-lo perto de mim, o abraço até este relaxar. Quando se sente seguro em meus afagos e, principalmente, quentinho mergulha rapidamente embaixo dos cobertores e dorme, feito um bebê, abraçado em minha perna... Um amor... Segunda noite que faz isto...é o frio que tanto reclamei que não vinha!

Aviso

DEUS É PAI NÃO É PADRASTO! Alguém saberá o que estou dizendo! Ufa!
Bom, rapidinho:
Com alguns contratempos to postando, de uma vez só, alguns posts de abduções minhas.
Estão todos aí abaixo... coloquei num dia só... Tenho mais... poesias antigas minhas que achei entre tralhas de papéis do passado... To pensando quando coloco ou se publicarei estes delírios meus de sentimentos de 2000... Até o fim de semana me alumia as idéias!
Inté!

Um começo para um tempo previsto

Hoje me desfiz de alguns móveis... Preparo, antecipadamente, para a minha saída do apartamento... Calma! Tudo conversado e projetado para 2007. Carrie, minha comanheira de morada, pensa em viagem para fora; já eu penso(na verdade um plano de 2005) em mudança para daqui há alguns meses. Tudo sempre apoiado por meus familiares e amigos. Nada contra o apartamento, o prédio e derivados em geral. Pelo contrário! Mas preciso de uma "lipoaspiração do meu passado"... Não me afeta em nada hoje em dia... Embora, sair dele será uma oficial "virada de página" em quesitos pessoais, de minha vida. Algo para janeiro, fevereiro antes de minha viagem. Gosto de mudanças! E vou amar esta que vai fechar, de vez, aquilo que um dia foi ludibriado, por insistências matrimoniais de que seria feliz numa vida a dois. Que bairro pretendo morar? Humm são tantos... No entanto, prefiro não citar pois sempre ocorrem imprevistos...
Ganhei, estes tempos, de Bebê, uma cortina-persiana da Tok-Sotck linda de madeira cor imbúia... Já imagino na minha nova casa... nova vida... em algumas das janelas...
Preciso de reformas... Aconteceu tanta correria neste primeiro semestre de 2006 que pensei não suportar a pressão. Principalmente no início do ano com a nova gestão do meu trabalho. Era só ameaças...colegas exonerados, chefes transferidos... Achei que iria surtar com tanta insônia! E passou! Porém, surgiram sempre mais desafios... Todos eu traço... as vezes quase desistindo, mas traço! Resumindo, fecou um um benefício: meu crescimento como mulher+cidadã+solteira+louca+abduzida.
De sentimentos? Ihhhh ta difícil... Como diz Teresa Cristina: "de mais a mais é cada qual com sua espécie, e não se fala em outra coisa por aqui...'
Peguei como tese este dizer sambísitico. Ainda mais que ando num moinho de passados que assombram minhas estruturas... Quem diria... Bom... Muda tanta coisa na vida dos outros, porque não mudar a minha? Não é agora? Que seja meu lar... O coração ta carente... mas fechado para mercado...

O da década!!!!





Carro...
Engraçado... há pouco tempo lembrava de minha faculdade, na Famecos. Aulas de redação com o saudoso Leonan... O assunto era a profissão escolhida, por nós, futuros projetos de jornalistas... Foi quando, numa de suas conversas didáticas e maravilhosas, largou a pérola:
“Jornalista não tem o carro do ano; jornalista tem o carro da DÉCADA!”
Era uma forma, homeopática, de preparar o nosso futuro com o acirrado mercado de trabalho. E, né que tinha razão? Claro que “toda regra tem a sua exceção”... Alguns parcos profissionais da área se deram bem (e põe bem nisto!) no retorno financeiro jornalístico. Embora, tenha ouvida histórias lamentáveis de muitos amigos e colegas, de 'peleia", sobre a forma exploradora e escassa do Jornalismo em geral.
E o carro da década! ahahahah Quem diria rsrs Com esta frase eu tive que me reportar ao meu Walter! Grande professor Leonan...
Que booocaaa! rsrs
Walter...que dá trabalho... mas tem sido parceiro para tudo!
Waltinho meu retrô satélite-móvel, eu te adoro!

Mergulho na mundo contemporâneo

Como escuto relatos pessimistas... falta do que fazer, de ver a realidade de perto? Freqüentar, por 24 horas um Pronto Socorro, e ver a triste realidade para, assim, digerir o egoísmo de pensar que era infeliz?
Não. Respeitando este triste cenário acredito, sim, que sofremos de vários tipos de dores. No entanto, a dor da solidão ou o medo dela pairar em nossas vidas está sendo o grande mau do século. Um mau desta geração dos “auto-suficientes”. Ninguém aceita mais defeitos.
A intolerância, hoje, é a protagonista de muitos rompimentos matrimoniais. Décadas atrás, tudo era como um banhado. Um banhado de angústias. Sentimento ligado à mulher que engolia todas as espécies de sapos verbais e de atitudes de seus companheiros.
Na nascente deste milênio uma nova realidade.
Um número assustador de mulheres, à mais que os homens, ‘por metro quadrado’, em cada quadrante deste rico país. Uma tendência em que, a “saia” ocupa os maiores graus no sistema trabalhista. A maioria, delega gestações adiadas e trabalho, em ascensão, na preferência. Tantos projetos e adiamentos de uma constituição de família que, tornou homens e, principalmente, mulheres, pessoas com alto grau de carência enfim, solidão. Neste monólogo de sentimentos há duas facções: as que preferem a solidão do que um “encosto” sugador de energias e dinheiro. Aliás, nenhuma mulher atura, por muito tempo ser alicerce de um homem. Não toleram o fato de ser mãe substituta ou gurú, de seus maridos ou namorados para um todo e sempre. Também, existem aquelas que, mesmo bem sucedida, não suportam o fato de não ter uma ‘conchinha’ para adormecer todos os dias. A conotação de felicidade se resume apenas em ser par. Ímpar jamais! Isto é pauta certa em qualquer roda de saia! O medo de ser só... o medo do amanhã...
Isto que me impressiona... O Bussunda pensava que seria a sua última partida de futebol com amigos? Não... o destino é uma roleta russa...
Bom...falei demais ... mas que isto rende horas de assunto, ah! Isto rende!
Dá cada “tricô” em rodas de amigos... Inclusive já estamos abrindo uma loja com vários blusões e calças! Tudo com a santa proteção da Nossa Senhora Desatadora de Nós!

domingo, julho 30, 2006

Tem que usar o Manual do Maldade...




Tem gente me seguindo e eu odeio isto(aliás, até virtualmente...)
Bebê presenciou na última quarta-feira quando jantávamos no Restaurante Copacabana(humm ...que massa...).
Inesperadamente o telefone toca.
Atendo e ouço:
"Tu estás vestida de rosa, linda, com os cabelos mais claros e compridos e está na ala de fumantes no restaurante Copacabana!
Posso te levar para casa?"
Convite negado
Isto foi um pedaço de nossa conversa.
Fora as outras ligações...
Tudo isto porque não usei o Manual da Maldade...
Como diz a BB: "de vez em quando tem que ser egoísta!"
BB, doutoranda no psiquê humano, o diagnosticou como psicopata...
Cortei o 'cigano' nesta última sexta-feira quando estava com o meu "carma" de Vida, no carro.
Meu celular tocou e a minha conversa com o A.P. acirrou. Ciúmes? Despeito? Sei que "fechou a rosca", como diz uma amiga minha!
Na segunda chamada, abri o celular e, 'descuidadosamente' ouviu o que não gostaria de ouvir.
Suspendi!
Deu certo!
Agora falta eu acabar com a saudade que me consome deste "carminha' que insiste em atrapalhar a minha vida!...
Chega...vou me dar oportunidades que acenam para mim e eu me finjo de cega...

sábado, julho 29, 2006

Parafernália de músicos rsrs




Tinha feito um texto legal...cheio de detalhes...mas perdi... humpf...
então vai aí meu 'arroz com feijão" d

e quinta-feira(27/7):

Pra quem me perguntou, aí vai a resposta sobre o convite do Jorginho do Trompete.
Toquei.
Dei a minha canja, morta de vergonha!
Mas saí feliz pela confiança do Jorginho! Grande Músico! Tudo bem, toquei o que sabia...
Mas na boa?
Me senti uma ervilha perto de uma pirâmede do Egito musical...
O cara humilha no dom rsrs
Gracias Jorginho!
No bar estava eu, BB minhas duas chefas rsrs
Confesso que cheguei no Parafernália meio travada...Estava com os dedos dormentes de tanto tocar o cavaquinho do Alemão Charles(calma gente...não sei tocar nada ainda...Apesar da ótica do Alemão ter sido a melhor que poderia ter ouvido... Disse que minhas juntas, ossinhos próximos à ponta dos dedos tem uma curvatura própria para quem tem dom para a música. Babei com esta... )
Me diverti com o Alemão fazendo uma "sequência de dó maior"...
Nossa sintonia foi bárbara!
E foi apenas isto... Era intervalo do jogo do inter e aproveitamos para prozear este aprendizado de cavaco.
Mais tarde é que fui ao Parafernália!
E na saída...suor+ sereno: Gripe+ Asma! ...to de cama hoje... snif...

Teresa Cristina diz tudo e...





Teresa Cristina, cantora de primeira linha, do samba carioca, canta versos que, pra variar, são uma lição às muitas mancadas que levamos desta louca jornada de charadas da Vida! Na verdade, o samba de raiz abrange canções que vão além da poesia... chega a ser uma terapia musical!
O cd desta mulher é fenomenal... Eu não cansei, até hoje de ouví-la! To me estranhando... já faz um mês que escuto, todo o dia, Teresa Cristina!
Vejam a letra!!! Quer mais ternura em palavras do que estas? Melhor que "paula dentro, paula fora" humpf...
Já a voz, interpretação e o teôr destas músicas de Teresa Cristina é pra deixar qualquer um pisando nas nuvens perante aos problemas que os nossos corações insistem em rebater!
Quem sabe eu não ensaio uma música dela para cantar com meus amigos? ôôôôôpa!
Abaixo alguns dizeres... fica no silêncio... eu apenas reverencio...


"Mas toda a história tem destino que merece; e a natureza fez por bem te intervir. De mais a mais é cada qual com sua espécie. E não se fala de outra coisa por aqui!”


“Se ouvir falar, pode acreditar! tudo ilusão.
O mundo é louco sendo o homem é um pouco triste.
Quero ver quem tem palavra para cobrir a solidão
Quero ver quem tira mágoa; sem cantar uma canção
O que foi e o que tinha de ser; o que a sua dor perceber
A vida peleja; mas ensina
Pra não dizer que a canção lhe enganou, aprenda feliz que a dor é como amor, termina."


"O meu coração quase disparou
Quando vc me abandonou
Naqueles momentos como eu sofri
Mas graças a deus eu sou de resistir
Palavra, quase que chorei
Quem conhece a vida não se desespera
O mundo, o que tinha de ser já era"

segunda-feira, julho 24, 2006

Um convite inusitado...



Ontem(23/7) fui no tal “baixo Bronxy” presenciar e participar musicalmente com vários músicos numa festa mensal que arrecada fundos para uma excursão sambística, de final de ano, ao Rio de Janeiro.
Engradados infindáveis de cerveja e muita comida típica para churrasco, além de dezenas de mesas e aparelhagem de som. Nem parecia uma casa!!!
Tudo muito bem organizado num total de 70 pessoas. Entre os músicos estava a presença do Jorginho do Trompete que sempre ouvi falar muito bem. Ele, até então, me cumprimentou educadamente no começo da festa.

Quando o samba começou, me chamaram para tocar.
Peguei o meu pandeiro e fiz a minha parte.
Surpreso, pediu para sentar do meu lado e pegou um outro pandeiro e dali fizemos vários floreios com o instrumento. Entre uma batida e outra ele falava elogios para mim. Tudo era do tipo "que não imaginava que eu, convidada da festa, também tocava"...estas coisas ...
A sintonia foi tão legal, somado a energia da roda, que que ele se emocionou e pegou o seu trompete fazendo a galera ficar basbacada com seu dom musical.
Jorginho do Trompete recebeu vários prêmios como premiações de melhor instrumentista, como o do "Musicanto", "Moenda da Canção", e o "Prêmio Açoriano da Música" em 1991 e 1999. Consagrado no meio artístico fez participações com várias celebridades. Entre elas estão: compositor e baixista Sizão Machado, violonista mineiro Beto Lopes, arranjador e pianista Paulo Braga, saxofonista Mané Silveira e pelo trio de guitarras Guinha Ramires, Daniel Sá, Mário Conde, além, é claro, de tocar com Serginho Moáh, Cidade Negra, Renato Borguetti entre outros. O Jorginho já percorreu as principais cidades do país e participou de projetos culturais em Buenos Aires, Montevidéu e Sanary-Surmer, na França. Em 2004, excursionou com o compositor, arranjador e violonista carioca Guinga pela Europa. O primeiro CD de Jorginho do Trompete foi gravado em 1999, quando apresentou o "Swing Brasileiro". Atualmente vem se apresentando com o quarteto, formado pelos músicos Michel Dorfmann (teclado), Lucas Esvael (baixo) e Amauri Copetti (bateria). Entre os projetos atuais, Jorginho vai tocar no Festival de Jazz de Moutreax, na Suíça.
Com tanto histórico e talento musical eu ganhei o dia de ontem(23/7) com um convite.

Tocar com ele no Bar Parafernália, nesta quinta-feira, ali na Cidade Baix
Eu achei meio ‘pressão’ para eu tocar com ele num bar. Ontem, na roda com amigos, era tudo na confraternização...

Mas no Parafernália...

Será que virará uma parafernália uma satélite pra lá de abduzida tocar com ele?! Segundo Jorginho do Trompete, será um prazer... To na expectativa... To na dúvida se vou...
E, se for, se irei tocar... dúvidas.... Cheia dos "se"...
Pena que não tenha as fotos de ontem. A máquina era de um estranho e fiquei encabulada em pedir... mas oportunidades não faltarão para registrar um incentivo musical de um grande músico!
Show de músico! Um cara com espírito esportivo, humilde... raridade...

Essência Cruzeirista(II Encontro)



Eu não hesitarei em retratar a sensação de rever meus colegas do antigo colégio Cruzeiro do Sul, em massa, nesta última sexta-feira(21/7)! Vou ser clara nas sensações que tive, pelo menos vou tentar!
Turmas de 88/89/90 e 1991, das Análises Químicas, Desenho e Magistério(eu era da galera do laboratório)
Bom, aquele colégio tem histórias engraçadíssimas das salas de alquimias de detergentes e amaciantes... Daria um belo livro de comédia. A maioria tinha, como último contato, a própria época de colégio. Portanto, o choque, a surpresa, o sorriso e a emoção tomaram conta de mim e de muitos, ali presentes.
Imaginem, por exemplo, uma criança entrando na fábrica da Estrela, tendo todas as opções de escolher os brinquedos mais divertidos, os mais sonhados ou os mais curiosos... Foi assim que me senti ao ver tantos colegas, tantos fragmentos de histórias ali, parados, em grupo ou sozinhos. Uns com suas respectivas esposas ou maridos..outros absolutamente a deriva do flete... do cupido!
Sim, estavam todos ali. A maioria(pra não dizer todos) extasiados, surpresos enfim, tudo, sem palavras... Eu confesso que teve alguns colegas que não lembrava nem do nome...Engraçado...
Porém, a maioria chegava em mim dizendo:
“ E aeeee Chérrié!!!”
Basbacada, sorria e pensava:
“quem é ele? Meu Deus... lembre do nome Fabiana!!!”
Aliás, meu apelido Cruzeirista imperou, forte, na festa. Não existia Fabi, Fabinha ou Fabiana...
Eu era a Chérrié!!!

Porque Chérrié?
Tudo fruto da novela Vale Tudo(aquela da Odete Roitmann, lembram? Nesta novela global, tinha a atriz Lídia Brondi que, na época, com franjinha e cabelos vermelhos, chamava todos na trama de Chérrié). Então, como eu também usava franjinha e tinha cabelos avermelhados, mais os traços de nariz, olhos e boca parecidos, além das várias sessões de Henna Vermelha(eram belos...saudades rsrs), a semelhança e o batizado do apelido foi fatal.
CHÉRRIÉ!
O que me surpreendeu foi justamente que, com a chegada de cabelos brancos de uns, o peso a mais de outros e por aí vai(poxa, gente! quase 16 anos que se passaram... Alguma coisa tinha que mudar!), em nada, mas nada mesmo, mudou a ESSÊNCIA CRUZEIRISTA!
Todos viraram crianças relembrando as mesmas brincadeiras dos “Jacks”(papos dos doidos) e seus ataques na veia do pescoço.
Saí com o pescoço dolorido de tanto “na veia que tomei!” rsrs ... Torta no rosto, trovejantes gargalhadas e muita azaração para a galera solteira! Deu correria no encontro, quem viu sabe! Ahahah!
Bom, valeu e foi fundado o Encontro bimestral dos Ex-Cruzeiristas! A próxima junção será uma festa a fantasia na famosa e histórica casa do Motta!
Preparem-se!
Vai ser bárbara!
Quem quiser ir é só se agilizer para esta festa!

domingo, julho 23, 2006

Falando rápido

Tantas fatos legais para contar... como começar... Bom... esta semana, com o envio das fotos do II Encontro de Ex-Cruzeiristas eu posto o relato.

Bom do dia: Toquei com o Jorginho Trompete. A afinidade foi tamanha que me fez o convite de tocar com ele no Parafernália que fica na João Alfredo, Cidade Baixa! É esta quinta-feira! Vamos ver!

O Orkut dá muitas alegrias! Encontrei e recebi uma linda mensagem do meu querido colega e ex-jogador do Inter Marcelo Prates! Nossa! Como o destino é doido!

Aguardem eu melhorar... tenho que tomar um dorflex... detonei meus braços com o pandeiro...

quinta-feira, julho 20, 2006

Sr. Invernuuuu! Cadê você!?!

Eu falo tanto em Tempo relacionado a vida que hoje, resolvi falar do Tempo, no sentido meteorológico mesmo! Gente! O que faremos, em massa, para reverter tantas mudanças da natureza??? Lembro da minha infância que, em plena Páscoa, recebíamos as cestinhas de chocolates trajados de roupas de lã... Agora, nossa Páscoa abrange, praticamente um verão em que os chocolates ficam enclausurados em geladeiras. Deixou fora; derreteu. O que me impressiona que, a beira de chegar o mês de agosto, ainda acordamos em clima de verão! Porto Alegre não é mais a mesma... Deveria se chamada como já li, em meu satélite, de Forno Alegre! Tenho percebido, também, que a cada fotografia que me vejo, deparo-me com o nariz e bochechas vermelhas. Mesmo sem maquiagem elas estão sempre coradas! Por quê? Porque, literalmente, não dá mais para sair, de casa, sem um protetor solar. Ou melhor, bloqueador solar...
Ando assustada com este tempo...Estas mudanças naturais, de novas estrelas, órbita da Terra são bonitas de serem descobertas. Temos muito que aprender sobre isto... No entanto, as mudanças artificiais, estas sim, que me assustam. A diminuição da camada de ozônio é um alerta gravíssimo ao ecossistema de nosso planeta. A Nasa, entre tantos satélites, batizou em 2004, um destes de Aura. A Aura monitora a camada de ozônio... A coitada da Aurinha anda traumatizada... Deve estar dormindo com lexotan ou saindo fora da área de cobertura, evitando assim, os prenúncios sobre o ozônio troposférico...
Desçam roupas de verão!!! O inverno ficará, apenas, na memória de minha infância que, segundo Mário Quintana:
“O tempo não pára!A saudade é que faz as coisas pararem no tempo...” ou
“Eu não sei, eu sempre digo que é o adulto que inventa a infância, e a invenção é que é feliz, a infância em si não pode ser tão boa.”...
Será que fui abduzida em achar isto como o nosso poeta dos cataventos?

Penso





As dúvidas alimentam as minhas insônias
Meus sonhos amenizam as minhas angústias...
Saudade...
Se é amor ou paixão ou mesmo nada disto...Meus pensamentos vão...
Você aparece
Agora sempre....
E tudo de novo...
Aliás, cada vez melhor...
isto me assusta...
Só confessando...nada de poesias ou assemelhados...
apenas penso...
e como penso...

segunda-feira, julho 17, 2006

Momento de Saudade

Num destes areões sambísticos, Porta-voz chegou para mim e disse: "não dormi e resolvi escrever... está aqui..."
Achei tão sensível, qualidade rara nas mentes andróginas de hoje, que pedi permissão para postar....
Lindo, sensível onde expressa um momento tão delicado de sua vida! Parabéns Porta-Voz! Lindo!

MOMENTO DE SAUDADE

Tem momentos como agora, que a saudade bate fundo.

É a saudade da presença, mesmo que muitas vezes sem carinho;

É a saudade da parceria;

É a saudade de amar, mesmo sem a garantia do retorno.

É uma saudade sem explicação, de um sentimento sem razão, irracional, um sentimento de coração!

Saudade de um envolvimento inexplicável, que me fazia sentir gente, que balançava minhas estruturas, que me enraivecia muitas vezes, que me acalentava outras tantas!

Que me dava forças pra seguir em frente, que me expulsava todos os dias da cama com a certeza de ver, ouvir, ou pelo menos saber que estava ali.

Saudade de lembrar o sonho daquilo que nunca foi.

Saudade do homem que idealizei, companheiro de toda hora, amante sem distinção, protetor dos meus medos, dono do meu coração!

Saudade dos momentos de carinho, saudade do orgulho que sentia, saudade de achar que poderia conquistar um coração tão melindrado, com tanto medo de se doar!

Hoje o que me resta...... é só saudade!

A dor, as mágoas, as decepções estão sendo enterradas.

Estão lá no fundo, bloqueadas, esperando um novo amor, um novo afeto, que leve de vez de dentro do meu peito, as chagas do meu coração!

quarta-feira, julho 12, 2006

"Estou de passagem: amo o efêmero"





Não tem jeito.
Uns falam em carma; já outros em amor.
E há quem diga em uma tórrida química.
O que sabemos, ao certo, é a cômica soma de fatos pitorescos que acontecem à nossa volta. É nos vermos que tudo desaba a nossa volta. Se não são quadros caindo, são os alarmes automobilísticos disparando. Até na calada da noite, ouve-se tropeços em objetos tão discretos no cenário ou mesmo, felinos fugindo, emitindo ecos esquizóides num prédio cheio de personagens adormecidos. E só nós acordados... Não existe anonimato.
Nada se cala, nada de camuflagem...
Por mais que se tente os holofotes surgem, o som arde os ouvidos e todos presenciam uma cumplicidade única, ímpar de um passado que vive, ainda, em mim.
E eu tentei fugir...
Palavras, ontem, ditas de uma suposta reaproximação num momento, de minha jornada matrimonial, que não deu certo. Confessou, para o meu espanto.
Ele não se conforma com o destino consolidado. Lamenta suas decisões.
Aí eu parto para o presente, sempre forte, sempre ardente. ´
Fizemos a sinopse.
Enfim, minha vida se resume em regras desconhecidas, em teorias infundáveis.
Porém, o tato e o ato, Freud conhece e Afrodite acena...
Pra quê definir a vida?
Pra quê programar o futuro?
Não há o que se fazer...
Não quero mudar aquilo que está ao meu alcance. E não deixo de banhar-me neste rio de histórias...
Utilizar de sua água?
"Resta! Sobra!" - e é tanto...
Estados inquietos...
Deixa assim...
Sou mais este ditado:
"Estou de passagem: amo o efêmero", poeta português Eugênio de Andrade

"Porque somos muito. E o tempo de sermos é tão breve", sua irmã, Maria Eugénia Cunhal

domingo, julho 09, 2006

Surpresa para Porta Voz





Tudo programado para sexta-feira, dia 30 de junho. O local? CEVECOM! Empresa, da qual, Porta-voz dedilha, liga, cobra, despacha e fala de assuntos publicitários.
Nosso pingo humano, viciada em tamborim, andava meio “rodriguiana” pela vida. Baforava, em sua teoria sindicalista, não haver motivos para comemorar seu aniversário. A surpresa era que mal imaginava a "sessão sambista" que se armava para comemorar, sim, seu aniversário antecipado em plena sexta-feira.

Fiel escudeira de seus amigos, de modo sempre escrachado de falar, Porta-voz só alardeava provérbios inventados e um módico argumento com conceitos infundáveis da anti-comemoração dos seus 45 anos. Deixávamos, “bater boca com Freud” nos areões e botecos da vida.
Então, a convencemos de brindar, na própria segunda(seu dia oficial), no local chamado Marco Zero, onde o espivitado Cláudio Barulho tocaria. Consentiu, meio contrariada, mas topou.

Além desta data de segunda-feira, a turma começou a espancar teclados, entrando em contatos via Embratel, para confirmar e deferir o “ok, para sexta”. E-mails daqui, confirmações dali e o buchicho da turma do Samba! Foi em cima da hora. Queríamos e-mails de uns, telefones de outros mas somente Porta Voz que tinha os contatos... Como poderíamos encontrar todos? Ela desconfiaria... Impossível... isto que me angustiou... Mas vá lá... tinha que ser rápido...
Todos organizavam, quase que secretamente, esta confraria no seu QG trabalhista. Ela já captava algo diferente ‘no ar’.

Porta-voz, que tem “dons mediúnicos”, logo desconfiou que, o churrasco que haveria em sua empresa seria, também, uma homenagem antecipada do seu aniversário. E o dia chegou, os confirmados compareceram com seus bois abatidos e suas bebidas douradas. Era uma confraria, somente, de sambistas. Abriram-se os caminhos com muitas bebidas geladas, trovejantes gargalhadas para, enfim, o samba incorporar com o auxílo da fumaça de churrasquinho. Tudo, na garagem da empresa!
Foi bárbaro!
Teve direito a muito samba de raiz e alguns shows, pra lá de hollydianos, de um dos nossos integrantes que insiste em “psicografar sonoramente” Elis Regina!
Valeu!
Terminamos a festa em outra facção de sambistas.
A maquiagem já tinha desaparecido no suor da alegria e, a presteza no andar, perdeu a etiqueta com tanto prazer etílico nas mentes.
Amanhecemos.
Samba continuou Sábado(vide post “Trejeitos”)e, o domingo, foi para reestabelecer os ossos e olheiras cansadas de não dormirem.

Chega a segunda-feira(3/7)! Dia oficial da nossa Porta-voz! Ela não nega, nem mente a idade! Até porque chegar ao formol corporal que esta mulher tem; não há o porquê negar, e sim, acenar com muitas alegrias as vitórias de sua beleza e vitalidade!
Porta-voz guerreira!

Que Deus lhe conserve, sempre, esta alegria!

E lembre-se: "As pessoas que vencem neste mundo são as que procuram as circunstâncias de que precisam e, quando não as encontram, as criam." (Bernard Shaw)


As fotos aí de cima, são de segunda-feira, no bar onde o Barulho. tocava e a outra onde o Cecé toca! Presença de Alemão Charles! Grande cavaquinista!

quinta-feira, julho 06, 2006

Walter... me dááá um traabaaalhoooo...

Walter
Antes era:
Existe um filme chamado: Se meu fusca falasse...
No meu destino o slogan até pouco tempo atrás era: Ah, se meu fusca andasse!
Fora os sentenças de meu pai sobre motos. Para ele, ter moto condiz a esta frase: “Jesus te chama”;
Relembrando o que minha amiga, em defesa das motocicletas largou sobre o Waltinho:
“ Andar de moto é Jesus te chama? Então o teu fusca é Jesus te esqueceu!”
Este meu fusca já deu o que falar e anda dando rsrs ...
To passando por um processo muito esquizóide na minha vida. Tenho que me deparar com problemas que jamais imaginaria passar.
Neste caso, o Walter.
Sempre fugi destes detalhes do dia-a-dia.
Mas sozinha, solteira fui obrigada a peitar estes perrengues ‘modernos’.
O Walter, meu amado fusca, já ordenou tantos trabalhos, que quase o dei de presente para as Casas Bahia, pra ver se liquidavam com ele!
Depois de algumas cirurgias mecânicas e elétricas como, por exemplo, o transplante de uma buzina de Santana Quantum no WV e mais uma troca da bateria-mór na “Santa avenida Otto de Misericórdia dos Duros” que ele, o Walter, não me deixou mais morrer em meus caminhos aloprados.
Hoje, saio, solto as tranças pela cidade inclusive passei a ir com ele direto para o meu trabalho!
Tudo na buena...
O engraçado vem aí!
Toda vez que páro numa oficina mecânica ou posto de gasolina aproveito para dar uma de sabida e com astúcia de primeiro escalão no verbalizar apetrechos de carros. Já saio largando:
“- Pode ver a água para mim? Vê se ta bom de água aí, ó!”
Encabulados, vendo uma abduzida, de cabelos louros e, principalmente, MULHER, largam:
“ – Não dona! Fusca não precisa de água!”
Bom... Passa umas semanas e vou num posto da ESSO e vejo aquele arco íris de garrafinhas de óleos automobilísticos de todas as marcas e formas e já baforo pedindo!
“- Oi! Quanto custa? Eu quero um!”
Na mesma hora a resposta:
“Não, Senhora! Seu carro não precisa de óleo porque ele é bibibibibi”, e me enchem de argumentos com palavras como radiador, dínamo, refrigeração ihhhh uma cacetada de vocábulos assombrosos!
Aliás, fui levar o Waltinho para fazer vistoria no DETRAN, hoje. Surgiu um belo exemplar de "Pascoal" para fazer a tal da revisão...checagem ...sei lá no carro. Ele era todo meigo, todo doce, cheio da educação... falando baixo e pedindo desculpas, toda hora pela demora do exame. Eu e Bebê de Rosimery, que estava presente nesta empreitada, só dizíamos:
"- humm, sim...tá... hummm...sim...", só no suspirinho ai aaaaiiii
Waltinho...
Acho que to precisando de um Pascoal na minha vida....