terça-feira, abril 04, 2006

Da Praça (e do Samba!)


Fim de março cálido. Um telefonema, vários e-mails e uma visita da Cris, no meu trabalho, com os seguintes convites:

“- vamos sair hoje! Vamos Fabi!”, todos diziam.

Relógio correndo na “São Silvestre” do Tempo e, eu roendo unhas...

Olho para a janela e a noite me acena. Chegou com céu estrelado, vento suave e temperatura convidativa para um bordejo sambístico.

“- Sim, eu topo!”, exclamei.

Aliás, são tantos convites, não nego um sequer, que seria estranho se protelasse.

Porém, o que vos falo, aqui, é a minha forte característica e fama de ser surda, além de distraída, claro!

Festa, ambiente harmonioso, amigos, abraços e saudações daqui e dali e, eu, sendo atenciosa com todos. Insisto em participar de todas as conversas, ou mesmo, dando uma de ‘viamão’para com outras. Tudo neste meu jeito meio “fora da área de cobertura”, sempre com meus olhos falando mais que a boca.

Momento inusitado:

Marco Aurélio (vulgo Corélio) chegando com sua digníssima esposa Cinara. Nega Marta, em pose de Cristo Redentor, os recebe com um longo abraço. Eu, neste exato momento, percebendo o abraço de “boas vindas” de nossocasal 20” do samba, tentava, falidamente, ouvir um papo daqui e outro dali de dois distintos grupos. Do nada, ‘escuto’ Nega Marta bradar a seguinte frase:

“–Mas sente só! O Corélio TÁ PRO CRIMEEEEE!”

Entendido, escutado, deferido e conferido em minha audição de tuberculosa, fui ao grupo do lado, onde se encontrava a Porta-voz do Samba e o krlinhos. Rindo, achando a piada do século, repasso a exclamação da Nega loura:

“–O Corélio ta com cremeeeeeeeeee!”

E ainda remendo, invento, floreio:

“ta com cremeeee da avon!”


Krlinhos e Porta-voz com sorrisos “ a la quindim” ficam sem reação.

Nega Marta de Xangô (justiceira que só ela!) aproxima, deposita sua mão em meu ombro, e retifica:


“ Fabi, eu disse que o Corélio ta pro crime e não com creme. Entendeu, agora?”

Véia da praça total! Foi o parecer de meus amigos naquele instante de mal entendido.

Vou explicar:

Geneticamente, de minha família Lagunense, herdo, de bisavós, avós, tios e tias e, principalmente, meu pai, este lado precário da audição! Enfim, Família da Praça!

4 comentários:

Nego Neco disse...

"Tudo o que quiseres, te darei, ó flor/menos meu amor..." Salve, salve, simpatia.

a noiva do re-animator disse...

Tá e aí, cagalhona?
Além de surda vai se fazer de morta também? Quem sabe de doente pra andar de ambulância???
Retome seu posto imediatamente, ou a cobra vai fumar. Em breve.
Sonhei contigo. Tu metia o carro numa vala (e eu falei mil vezes pra não entrar lá) e depois se fazia de desmaiada pra eu ter que desatolar sozinha. Muito ilustrativo, não?
Eu tô louca da vida contigo.
APAREÇA IMEDIATAMENTE.

BB disse...

O carro deve ter sido o teu dom de clarividência noiva, pois ela voltou comandando a Ilze ontem. Desde a ipiranga até o apê. Devo ter perdido a noção mesmo...rs

satélite abduzido disse...

Não perdeu não, Bebê! Tu sabe que não! Foi bom o nosso debate no carro rsrs
Noiva, espera a sulampa de pau que te darei, hoje, ao te visitar no apartamento. ;-)