domingo, fevereiro 11, 2007

Dói...

Aqui fica o meu luto e indignação pela morte do menino João Hélio Fernandes. Um João... um Fernandes... Não pode ser mais um 'que se foi'... Conduzido, brutalmente à morte no cruzamento da rua (desculpe...mas me chamou a atenção), na rua João Vicente.
Dói.
Hoje, mais ainda, sentindo que meu filho pulsa em mim, ouvir este nome me sensibiliza mais ainda. Verbalizo todos os dias, desde que eu descobri que teria um menino. Neste crime, o Estado tem que interferir, severamente para estes casos... Buscar embasamento para não haver a exclusão social. É muita diferença. Este cara que dirigiu o carro e, sabia, que o menino estava preso no cinto de segurança, infelizmente não tem coração. Não tem o porquê estar aqui...na Terra. Me revolta... me comove...
Basta! É a palavra que mais pedimos.
Dói... A matéria que eu assisti, no Fantástico, acabou comigo.
Aí podem pensar: "tu não pode ver estas coisas... tu estás grávida...mais sensível"
Não...
Abra o jornal! Ligue a tv para um telejornal... Escute um veículo de radiojornalismo. Só dá isto. Barbárie... Crimes... É de enlouquecer...
Abaixo um trecho desta matéria e fragmento de um anjo demonstrando todo o seu carinho para com a sua mãe:


"O crime ocorreu na noite de quarta (7). Por volta das 21h, a comerciante Rosa Cristina Fernandes Vieites, 41, voltava em seu Corsa Sedan de um culto em um centro espírita, com os filhos João Hélio e Aline, 13. Ao passar pela rua João Vicente, em Oswaldo Cruz, foi abordada por dois homens --que mais tarde, presos, diriam à polícia que portavam um revólver de plástico.
Rosa e Aline saíram rapidamente do carro, mas a mãe não conseguiu retirar o filho de 6 anos, que sofria de hiperatividade e tinha dificuldades motoras e de fala. No banco traseiro e com cinto de segurança, João Hélio tentava sair do carro quando os ladrões arrancaram.
Ficou pendurado no veículo e foi arrastado por um percurso de sete quilômetros, com o carro em alta velocidade e pessoas na rua gritando para pararem"

5 comentários:

yyk1986123 disse...

Very good article,I prepared a very good gift for you, please visit my blog, The best browser fo you in History

Anônimo disse...

Repulsivo este texto, nao precisava ilustrar assim os detalhes da morte do menino.... jornalistas marrons! Escancaram os fatos sem nenhum bom senso... Repulsivo! Crianças lêem blogs, retrate-se, corrija-se, edite esse texto nojento, repulsivo! Tire os detalhes da morte! A própria palavra "morte" já é forte demais nos dias de hoje! Seja mais humana e menos horrizada, por favor! Tire os detalhes, por favor!

BB disse...

A solução?!? Faça como eu: não leia e aprenda a usar o controle remoto. Foi o primeiro domingo a noite que até meu pai se recusou a assistir o "fantásmico". Trocamos o canal na hora. E olha que ele não abre mão do seu ritual globístico...
Deprimente expôr a familia. Deprimente.
Não leia.
Mude o canal.
Sintonize poutra frequência...e não dê audiência a estes pulhas do sofrimento alheio.
Ahn, sim: PAREM DE DAR CAPAS DE TABLÓIDES AOS BANDIDOS.
Não tem disciplina de ética na faculdade?!?
Básico.

Anônimo disse...

Acho que esse crime foi um dos piores crimes que ocorreram ultimamente, ainda mais a gente que é mãe e só pode (Graças a Deus) imaginar o que essa família está passando!! Mas, no teu estado, com um lindo bebê na barriga, acho que deves evitar esse tipo de noticia amiga, para te proteger um pouco do sofrimento que acontece a nossa volta. Porque a gente quando está grávida, fica mais sensível do que se é..e tudo fica pior, quanto se fala sofrimento de criança...já é trágico normalmente, mas na gravidez é pior!!
Portanto, querida, te protege e pensa no momento bom que estás e no lindo nenê que virá por aí.
Muitos beijos
Sonia Pires

satélite abduzido disse...

Realmente peguei pesado. 'Editei'o final da matéria que copiei do google. Peço desculpas...nem eu havia percebido que o relado do delegado seria tão forte. Fiz com pressa, procurei na internet. copiei e colei. tá aí... Tirar eu não tiro. Aqui exponho meus sentimentos. Impossível passar despercebido. Me marcou e era isto. Mas estou bem. Agradeço por todas as palavras amigas e carinhosas que recebi de vocês, meus amigos!