segunda-feira, janeiro 04, 2010

Ostentar

Tem fatos, na vida da gente que o tempo não apaga por nada deste mundo. Traumas, dificuldades na vida, perdas de todos os segmentos. Tudo isto gera um efeito no psiquê destes seres. Um dos exemplos é a infância. É nela que guardamos muitas lembranças em nosso subconsciente. E se forem fatos amargos reverte em dobro no futuro. Um exemplo disto é uma pessoa que conheço. Volte e meia converso, quando encontro por aí. E, em todas as vezes que nos falamos é um show de ostentação. No começo achava até proposital. Sabe que hoje já avalio como subconsciente mesmo? Só Pode! Acho que parte naturalmente, é involuntário, não soa falsidade. Infelizmente é o seu modo de comunicação: ostentar. Eu sei que esta pessoa(que prefiro o anonimato) teve uma infância conturbada. Inclusive, vi e presenciei muitos fatos desta. Foi uma trajetória marcada de dificuldades financeiras em que acarretou, inclusive, o de não ter o que comer em casa. Portanto, tudo isto marcou, como chaga em sua vida. Hoje, bem estruturado(a), casou com alguém que lhe proporciona o melhor e o que nunca teve. Até aí tudo bem. Quantos casais são assim???? Porém, o fato que lamento é que em noventa e nove porcento de suas conversas, não importa o assunto, esta pessoa, dá um jeito de verbalizar seus pertences materiais. E sempre são os melhores e mais caros.
Eu posso ficar meses e até anos sem falar com esta pessoa, mas no que a encontro o assunto é:
"- EU TENHO"!
Nascer num berço de ouro ou berço de compensado tem os prós e contras no ser humano.
Poderiam pensar: " - Falta humildade neste pessoa"
Aí que vem a correnteza: É uma pessoa bacana. Ajuda quem pode e no que poder dentro do seu universo.
No entanto, tem um modo muito cifrado de enxergar a vida. E quando vejo isto, eu não aceito, eu repudio. Os mais nobres cidadãos deste mundo surreal nunca ostentam o que tem... Aí que entra o berço!
Lamentável... É o reflexo de algo que geralmente foi inesquecível na infância....
Acho e concordo que ambição temos que ter.
Eu sonho e almejo coisas óbvios que todo brasileiro quer: moradia, educação exemplar para nossos filhos, segurança e um bom plano de saúde. Agora, ostentar? Desculpe os críticos...mas ostentar é algo que não aprovo. Abaixo uma história de
Alexandre, O Grande:

"Os 3 últimos desejos de ALEXANDRE, O GRANDE:
1, Que seu caixão fosse transportado pelas mãos dos médicos da época;
2, Que fosse espalhado no caminho até seu túmulo os seus tesouros conquistado como prata , ouro, e pedras preciosas ;
3, Que suas duas mãos fossem deixadas balançando no ar, fora do caixão, à vista de todos.
Um dos seus generais, admirado com esses desejos insólitos, perguntou a ALEXANDRE quais as razões desses pedidos e ele explicou:
1, Quero que os mais iminentes médicos carreguem meu caixão para mostrar que eles NÃO têm poder de cura perante a morte;
2, Quero que o chão seja coberto pelos meus tesouros para que as pessoas possam ver que os bens materiais aqui conquistados, aqui permanecem;
3, Quero que minhas mãos balancem ao vento para que as pessoas possam ver que de mãos vazias viemos e de mãos vazias partimos."

Nenhum comentário: