terça-feira, março 17, 2009

Já Sei Namorar- "Eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo e todo mundo me quer bem"


Eu estava lendo o blog do David Coimbra em que ele fala e filosofa textos de seu livro, “Jogo de Damas”.
É muito interessante saber a visão masculina sobre este cosmo de relacionamentos entre um homem e uma mulher. Lá ele larga trechos curiosíssimos. E isto fez-me despertar sobre esta modernidade do sexo casual que paira nos dias de hoje.
Atinge ambos os sexos.
É a mutação do “Já sei Namorar”.
Sério gente!
Isto! E já adianto: é para quem tem controle emocional de museus afetivos e figuras passadas; ou melhor, para quem está com o corpo fechado ou fora da área de cobertura para quesitos do verbo amar. Se não és um exímio equilibrista deste ramo sentimental, nem adianta aderir. Acabará só se machucando.
Portanto, optei em comentar sobre isto.
David Coimbra faz um paradoxo do fim da espécie Neandertthal restando, por assim, a supremacia do Homo Sapiens. É aí que surge a Era da Mulher onde o escritor alega que a menstruação foi coringa para a evolução feminina.
Ééééé amigos abduzidos...
Foi baseado ‘nas regras’ hormonais da mulher que os “hermanos” da Idade da Pedra, entenderam o ciclo da Vida.
Sim!
O ciclo da vida está dentro das mulheres! Tudo, nasce, atinge o apogeu, e depois morre. Começo, meio e fim.
E o autor dispara:
De posse desse entendimento, a mulher anda pela Terra com os pés no chão. Ela não sonha, ela mantém os olhos bem abertos. Ela não acredita, como o homem, que pode viver um grande amor a cada sexta-feira, que enfeitiçará eternamente o sexo oposto, que ainda alcançará a fama, o sucesso, a fortuna, o poder. Ao contrário do homem. O homem crê que será capaz de grandes façanhas. Que a posteridade se lembrará dele. Crê-se imortal. Pobre iludido.”
Contando algo mais pitoresco ainda, o bloguista larga outra ainda:
“... o homem está sempre correndo o risco de parecer ridículo”.
O plus ou ‘o boom’ da diferença é esta:
“ O homem tenta dar sentido à existência. A mulher sabe que o sentido da existência é existir”.
Tão simples homens!!!!
E o sexo?
As vezes me pergunto onde vem, então, a procura pelo ‘sexo diversão’. Antigamente parecia que pertencia à categoria masculina - tudo por achar que a mulher era apenas um brinquedinho.
Só vontade?
Não...
Acredito que exista todo um lado antropológico, mutante e contemporâneo.
É notório em laudos de pesquisas comportamentais da vida humana, que a mulher está cada vez mais casual.
Como assim?
Na Era do silicone de têta, silicone de bunda, botox de boca, alisamento capilar definitivo e depilação de pêlos corporais definitiva acelerou(mais ainda!) a produção de um gênero feminino: O da nova “cinderela- Marilyn Monroe moderna”.
Acreditam que este novo formato “HTML” feminino tenha sentido e sustância nos atrativos do sexo oposto.
A fabriqueta da intitulada beleza universal feminina desencadeou, também, esta isca do sexo descartável.
Elas escolhem suas presas e fazem o DDD: Devoram, descartam e desovam.
Este ritmo mutante do comportamento feminino foi tese de uma pesquisa com mulheres de 20 a 35 anos. Aumentou a procura por amigos coloridos(carinho), Ex-namorados coloridos(confiança) e os Anônimos coloridos(anonimato)... Que coloressssssss!
Isto tudo, segundo a pesquisa, é porque o parceiro ideal não aparece.
Algo meio Luana Piovani que chegou a noivar achando que o sapo Dolabella era O príncipe dos Dados de suas tiradas de sorte.
E não, que azar... Então, Luana segue a Lua e suas mudanças: Ta lá, de bailinhos a bailinhos(último hit de festas cariocas) uma presa da letra “M”... Vai até a Z, mas ela acha! He He He
Olha eeeeu falando!
Quem sou eu!
Pois é...mas não estou aqui para falar de mim(hooojeee), e sim, da tendência, se é que me entendem.
Eu?
Eu já curti muito nesta música:
Já Sei Namorar- "Eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo e todo mundo me quer bem" dos Tribalistas.
Bem redondinha a música...
Sim, já sei namorar!
Já sei namorar:
Idade da pedra + mulheres soberbas + sexo selvagem!
Yes, somos selvagens...
A Pedrita aqui só falta achar o Bam Bam!

Nenhum comentário: