sexta-feira, fevereiro 19, 2010

Salvem os corações

Sabe aquela conversa gostosa que só as mulheres usufruem o sabor de verbalizar a sua vida? Mulheres param tudo para um tricô básico de palavras. Seja ele no banheiro, num restaurante ou na mesa do trabalho. Vale tudo para um trololó da saia. Ontem eu tive um destes, por telefone. Era tarde da noite e o meu sono não vinha de jeito nenhum. Foi quando decidi ligar. Contei, entre tantos assuntos, um fato que havia me deixado surpresa e sem respostas. Verdades em excesso, medos escondidos, mágoas escusas em e-mails e mais e-mails em nada explicava tamanho aborrecimento que havia sentido. Logo agora? – indaguei. Momento da minha vida tão legal; tão bacana. Vivo aqueles sentimentos de superação, de solução, de vitória, de felicidade, paz... são tantos... - sabe? Sabe aqueles problemas estarem sumindo? Pois é. Sumindo. E no meio desta brisa de bênçãos veio um contratempo que não esperava sentir ou passar. Estou tão realizada em ver meus projetos se moldando e o melhor, ver o meu filho cada vez mais companheiro e maduro com todo aquele tamanhinho. Mesmo assim fui incompreendida. Paciência. E a isto confessava a esta minha amiga.
Do nada, ela também passou a desabafar. E isto me deixou tão atenta que não só ouvi como pedi que ela relatasse isto ao seu blog. Negou na hora. Segundo ela, seu blog aborda muito este tema.

Aí pedi a permissão de contar o que ela concluiu. POIS EU CONCORDO EM TUDO QUE ELA DIZ.
Minha cara blogueira está decepcionada com os seus novos relacionamentos. E a isto ela pegou o néctar do que muitas mulheres sentem. E, por concordar veementemente com ela, passo a dividir isto com vocês. Sem imaginar que suas palavras estavam adormecidas dentro de si, esta mulher com “LH” desabafou o que realmente a entristecia. Até aquele momento, tudo era turvo e desconhecido para ela.
Seguem suas sábias palavras:
“ ... despejei uma frase que me surpreendeu bastante. Disse que duvido que possa “encantar” alguém novamente. Sabe, não acredito mais que tenha a capacidade de ser “especial” para o outro. É como se ninguém olhasse para mim buscando conhecer minha maneira única de ser. Porque cada um de nós é único. E esse sentimento se desenvolveu porque ultimamente tenho observado que as pessoas não olham, para mim, com esses olhos e sim, como um produto Ou seja, não com os olhos de quem quer conhecer-me realmente, mas sim com olhos de predador. A conquista, a sedução tem uma conotação muito explícita e definida. Digamos que fria e calculista. Depois que o objetivo é atingido, passamos para a ‘vala comum”, “mais uma”, sem distinção de nada. É triste, mas descobri este sentimento em mim”
Fiquei bege com suas palavras... Como eu digo aí em cima, logo a direita, sou uma “sonhadora, destemida e incansavelmente romântica”. Temo que este meu lado ‘destemida’ me decepcione. Sou teimosa. E também sou romântica, sim! Mas acima de tudo eu e meu filho nesta empreitada da Vida. Aliás, somos um só de alma. Não estou mais nesta vida sozinha(ufa! Que bom). É tão difícil entender... fazer entender.
Acredito em Deus e torço para que esta minha amiga blogueira encontre alguém mega especial. Hoje meus aplausos são para ela. O mundo tá muito calculista, cheio de opções ocas de espírito. E o principal, que é a alma e a essência do ser humano esteja maquiado de inverdades e de egoísmos.
E buscar este estalo do verdadeiro sentimento basta enxergamos láááááááá no fundo dos olhos! E, quando nossos corações disparam – esse ‘time’ que algo aconteceu. Aí sim nasce a verdadeira luz de um relacionamento. E isto está extinto gente... que pena...

Não deixem morrer.

Salvem estes corações!

7 comentários:

Sonia Pires disse...

Muito bom teu texto!! Também concordo com tua amiga.
Beijossss

Thatiany Almeida disse...

Certíssima essa sua amiga, Fabi...
é exatamente que se passa....
Dura realidade....
bjbj saudades

Anônimo disse...

Creio que o problema é como olhamos a nós mesmas antes de sair de casa para enfrentar o mundo: se nos vemos como um produto, seremos tratadas como tal, pois é assim que nos apresentamos e nos colocamos "nas prateleiras".
Talvez, o simples fato de olharmos para dentro e descobrimos que, mesmo sob o lençol das imperfeições plásticas e morais, temos a beleza da vida sob nosso olhar atento de mulher. A questão é: onde está este olhar dentro de você? Se você não sabe, não há como os outros descobrirem...eu convivi com um filósofo que dizia que a pergunta é: onde amarramos nossas correntes? Onde mesmo? Em algum fundo de baú perdido entre memórias do que já passou, ou em algum lugar que projetamos, desejamos e queremos ser o que nos tornamos?
Coisas profundas, para um cotidiano em que tudo é tênue e flúido. Líquedo até, mas consistente, pois o nucleo duro sempre esta ali, dentro de todas nós, impregnado em nossas rugas e emoções.
Precisa é ter coragem de olhar para dentro, olhar as imperfeitções, estufar o peito e dizermos a que viemos.
Eu passei a viver assim: assumindo quem eu sou, o que sou, e o que quero para mim. Chega de viver na lógica do que não quero, do que não gosto, de ter que explicar como quero. Se eu não fizer acontecer, não vai acontecer.
Eu quero é viver, amar e poder contemplar a beleza da vida, curti minhas rugas, meu peso a mais e pasmem: os homens não percebem nada disso quando amam. A gente é que se cobra, e perde tempo se cobrando e sofrendo por não ser perfeita, mas eles nos acham perfeitas como somos, quando se apaixonan por nós.
E perdemos tempo, um tempo de investir no outro, na relação, no enamoramento, pois estamos em consultas médicas para emagrecer, operar nariz, cabeleireiro, quando na verdade o melhor perfume é o de cada pele.
Aliás, beleza de blog, parabéns.
Mika

satélite abduzido disse...

Lindas e sábias as tuas palavras e venho aqui buscar contigo a complexidade deste assunto quando se fala no Eu de cada mulher. Citei já por aqui posts que falam da eterna insatisfação das mulheres em relação a corpo. O mundo tá aí para dissipar do jeito que quiser ou melhor, do jeito de sentir mais completa e sem neuras.
O fato, desta minha amiga falar em “ser um produto” não acredito que ela pense, por exemplo, que seja um deles no seu subconsciente. Sei que ela já teve motivos para ficar assim, se sentir falida de esperanças. De repente, foi azar, ai.. não sei. Complexo entender. O que sabemo é que hoje em dia, o universo masculino está repleto de opções. Basta tentar, ousar, querer ou, sarcasticamente dizendo, degustar. A questão são os valores expostos no comportamento dos casais. Hoje em dia é um grande business do sexo. Tão profundo tentar explicar, né?
Minha amiga, como eu, questiona onde está o romantismo?
Agora, concordo contigo que o amor tem que germinar de nós, vir de dentro. Isto é fato. É nesta nascente que reverte e abre o zoom de imagens e sensações vitais nas quais queremos ser vistas. E sabe, isto até que espanta alguns. rsrs Ser auto-suficiente na sua maneira mais simples de dizer “eu me amo’ já espantou muito vampiro por aí.
E na questão estética sou a prova viva disto. Não pertenço a nenhum padrão de beleza feminino universal. E quem me amou ou passou pela minha vida nunca deu a exata importância a formas e ‘deformas’ do corpo. Pelo contrário. Eu que sempre duvidava.
Por quê?
Porque simplesmente quem não se aceitava era eu.
Coisa óbvia mas que me faz até hoje me corroer por dentro tamanho meus fantasmas e medos. Muitas destas inseguranças são bem ‘adestradas’ por mim, embora eu tenha uma tendência a ser muito aberta a tudo que diz de mim; seja ele de sentimentos ou opiniões gerais.
Mika, bem que queria que alguém me desvendasse rsrs é tão bom ver alguém que ouse fazer isto!
Ok! Ok! Reconheço que isto tem que vir de mim! De mim. O certo Mika é que hoje eu alcei um vôo. Vôo a horizontes a projetos e não a passados. Eu era presa, por mim mesma, porque quis e teimei ser assim... de passados. Sabe a cantora Alcione? Pois é, certa vez a ouvi em um show dizer estas seguintes palavras: “ – Eu posso não saber o que quero para mim no futuro; mas eu sei exatamente aquilo que NÃO QUERO MAIS PARA MIM!”
Aquilo até hoje ecoa como um grito de guerra!



Hoje tenho minhas marcas, meus enredos, meus fados e em nada impede d’eu esperar o novo. Até porque já digo aí no meu perfil do Satélite: sou uma eterna romântica.
E amei teus dizeres Mika “assumindo quem eu sou, o que sou, e o que quero para mim. Chega de viver na lógica do que não quero, do que não gosto, de ter que explicar como quero. Se eu não fizer acontecer, não vai acontecer.”
Siiim! Chega! Basta!
Mais uma vez, obrigada pelas sábias e lindas palavras. De onde você é? Posso saber?
Bjo
Fabiana Fernandes

Anônimo disse...

Longe de vc, sou de São Luiz, Maranhão.
Terra de coronelismo, mais que isso não posso dizer ou corro risco de vida (ops!).
Brincadeiras a parte, adorei seu blog. Parabéns!
Mika

satélite abduzido disse...

Yupii! Poxa que bacana! Terra dos lençois! Conhece o Sul do Brasil! Bacana mesmo Mika! Não conheço a sua terra mas sei que é muito linda, né?
Que legal!

Carla disse...

Realmente, conviver é muito difícil, mas temos que saber que viemos sozinhos para este mundo e vamos voltar sozinhos... Temos que crescer aprendendo com as diferentes formas de viver dos outros. Não podemos esperar que outra pessoa nos faça feliz, apenas temos que interagir, amar muito, tudo e todos, sem medo, sem culpa, sem guardar mágoas, curtindo o grande presente que é viver!